Pular para o conteúdo principal

EDREDOM, CHEETOS & ROCK'N'ROLL
>> Fernanda Pinho

Era só eu manifestar meu desejo de trocar um prato de comida por um pacote de Cheetos que minha mãe avisava: "Quando você crescer, você vai saber o que é bom e nunca mais vai querer essas porcarias com cheiro de chulé". Cresci, até muito, me tornei adulta e nada mudou em relação a isso. O que aguça meu paladar infantil continua sendo Cheetos, pipoca, Toddynho, algodão doce, minichicken da Turma da Mônica e congêneres. Talvez esse tenha sido o único aviso da minha mãe que falhou e, certamente, também foi meu único gosto que permaneceu intacto ao passar do tempo. Fora isso, muito pouco do que me levava ao delírio antigamente ainda me apetece.

Cheguei a essa conclusão assistindo, pela televisão, aos shows do Rock in Rio do fim de semana. Ficar horas de pé, enfrentar fila, se esmagar na multidão, ter que fazer xixi na roupa devido à impossibilidade de deslocamento, aguentar gente suada se esfregando em você, levar cutucão e cotovelada de tudo que é canto, passar fome, sede, frio, calor e, na hora tão esperada, ver seu artista amado a metros de distância, como se fosse um pontinho brilhando no horizonte... Ufa! Cansei só de escrever. Isso não é mais pra mim.

Cheguei a cogitar a possibilidade de ir ao Rock in Rio esse ano, mas alguma parte mais esperta do meu cérebro me sabotou e eu não consegui comprar ingresso. Que bom. Acho que desenvolvi uma certa intolerância a excesso de calor humano. E falo com a categoria de quem já foi viciada em show, muvuca e confusão. Porque também não sou de dizer que não suporto mais alguma coisa sem antes conhecê-la bem.

Durante alguns anos da minha vida, minha existência se resumia a estudar e planejar o próximo show ao qual eu iria. De preferência, da minha banda preferida. E era uma existência até agitada porque planejar o próximo show envolvia muitos trâmites. Tinha que comprar ingresso, decidir quais amigas iriam, escolher a roupa, ensaiar as músicas, convencer a mãe, pensar no penteado (que desfaleceria vinte segundos após o início do show), armar uma estratégia para falar com a banda, uma estratégia para pegar palhetas, uma estratégia para pegar baquetas. Isso quando o show era na minha cidade. Quando era em outra, ainda envolvia outras urgências como organizar a viagem, comprar passagem, arrumar uma casa de amigo ou um hotel módico pra se hospedar, descobrir como chegar ao local do show e economizar centavos para tudo caber no orçamento estudantil. E, olha, sem dúvidas, foi a fase mais divertida da minha vida. Sobrevivi a shows debaixo de chuva, caronas com desconhecidos, confusões com a polícia, briga por causa de palheta... Já voltei para casa em êxtase de tanta felicidade. Já voltei para casa frustrada jurando (com os dedos cruzados) que nunca mais voltaria a um show. Mas o importante é que emoções eu vivi e a frase soaria perfeita se os tais shows fossem do Roberto Carlos mas, pelo nível dos acontecimentos, vocês podem imaginar muito bem que não eram.

Hoje seria. Hoje eu acharia um ótimo programa assistir a um show do Roberto Carlos sentadinha, e dos outros artistas e bandas que eu admiro também. Meu gosto musical não mudou, só se expandiu. Mas, agora, meu amor pelo conforto é maior que meu amor por qualquer artista. Estou adorando acompanhar os shows do Rock in Rio do aconchego dos meus edredons, enquanto me esbaldo com Cheetos, Toddynho, pipoca e minichicken da Turma da Mônica, é claro.

Aos que não me conhecem e ficaram curiosos para saber qual banda eu seguia, um segredinho aqui.

Imagem: www.uol.com.br 

Comentários

Anônimo disse…
Belo texto ...parabéns!!!
Mas menina... vai ser fã assim lá na MTV! :)
Também gostei, Fernanda. Leve, redondo. O gosto por "cheeeeetttttoooooossss", ainda? Também gostei do segredinho.
Samara disse…
Ai, to nessa há uns 5 anos, venhice precoce. Mas mais forte há uns 2. Esses megashows, então, só me pagando e olhe lá. Mas as emoções ficam e, ainda bem, que os hematomas se vão,rs
Felipe disse…
Que bom! Eu pensava que era só eu, no alto de minha versão 5.0, que continuava gostando de Toddynho, Cheetos e pipoca, e que tinha desistido de assistir shows de minhas bandas preferidas pra não enfrentar empurra-empurra. :)

(Em tempo: ótimo gosto musical)
Zoraya Cesar disse…
Além de divertido e gostoso demais, seu texto lavou minha alma! Agora sei que não estou sozinha no conforto do meu sofá. Mas sem cheetos nem minichickens!
eduardo.kiwi disse…
muuito bom fê. seus textos me envolvem muito! :)
Fernanda Arruda disse…
aquela também foi a fase mais divertida da minha vida!

e pra não dizer que é coisa da idade, tenho uma ótima desculpa (rs). digo, pois fui no rock in rio de 2001 e no pearl jam em 2005, então os melhores shows de 2011 eu "pulo" :)

adorei o texto!
adorei o texto, parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …