Pular para o conteúdo principal

ARGUMENTOS PARA FILMES DE TERROR
>> Zoraya Cesar

Cena um: Concentrada na delicada operação de expor as vísceras de um paciente, a médica demorou a notar a repentina inquietação da equipe. A instrumentadora remexia-se, o anestesista tinha sobressaltos, e ao zumbido dos aparelhos juntava-se o murmurinho das enfermeiras assistentes. Irritada, finalmente levantou os olhos, era impossível continuar uma operação daquele jeito.

O susto foi paralisante. Incontáveis insetos sobrevoavam a equipe e a mesa de operações, mantidos à distância pelos abanos agora frenéticos das assistentes.

Ela também, perdendo o controle, começou a gritar histericamente ao baixar os olhos e ver a barriga aberta do paciente coberta por enormes moscas verdes.

Cena dois: O paciente gritava alucinadamente, contorcendo-se na cama, o sangue saindo pelo nariz, os olhos esgazeados, apavorados, pedindo socorro. Levou dois dias para que um residente, resolvido a pôr fim àquela barulheira que incomodava os outros internos, sedasse-o. E em nome de algum resquício de humanidade que ainda tivesse, resolveu trocar um curativo mal feito do infeliz. Só para descobrir, com o estômago já revirando, que larvas haviam sido depositadas na ferida aberta do rapaz e o estavam comendo ainda vivo.

Cena três: o pai arrebentou a porta da sala de parto, pensando numa tragédia: ouvia os gritos da mulher, dos médicos, pensou o pior, mas nada podia se comparar ao que ele viu. Sua esposa, seu filho recém-nascido, os médicos, todos gritando e se debatendo, cobertos por grandes moscas esverdeadas.

Só mais uma cena, e você escolhe qual delas é ficção e qual é a mais assustadora: há algumas semanas, o centro cirúrgico de um grande hospital público no Rio de Janeiro — a segunda cidade mais importante do país! — foi invadido por uma moscaria de varejeiras, interrompendo os procedimentos e levando o horror e o pasmo a pacientes, acompanhantes, médicos. A sociedade não se manifestou.

Esse é o fato real, mais apavorante que qualquer ficção. Com o agravante de que a ficção é bem passível de se tornar realidade. A mosca varejeira não é só nojenta, ela pode matar. Ela deposita seus ovos em tecidos vivos (como feridas abertas) de qualquer animal de sangue quente, incluindo o homem, ou em substâncias orgânicas em decomposição. Em até 24 horas, as larvas começam a se alimentar dos tecidos vivos do hospedeiro, cavando a carne até os ossos e as cartilagens, provocando uma infecção chamada miíase, que leva à morte se não combatida a tempo. Se você passou batido, já meio enjoado, vou repetir: tecidos vivos.

Alguém, por favor, me explique, bem devagar, para eu entender, como pode acontecer de haver, nas imediações de um hospital, um local propício para moscas varejeiras. Agora pense na seguinte questão e, se puder, me diga o que é pior: a invasão das moscas ou o silêncio da sociedade? O meu e o seu silêncio?

Uma autoridade qualquer veio a público dizer que a culpa era da obra que estava sendo feita dentro do hospital. É muita desfaçatez! Como assim? Se essas moscas depositam seus ovos em matérias decompostas, e ainda não temos notícias de pacientes terem servido de berçário para larvas, será que existe cimento de sangue quente? Madeiras musculosas? Tijolos com feridas abertas? O que existe ali por perto, e provavelmente há muito mais tempo do que gostaríamos de admitir, é algum depósito de carne deteriorada, de substâncias putrefatas, algo impensável em qualquer país decente. Obras?

Mas, calma. Talvez eu esteja errada. Talvez haja mesmo outros depósitos de carne putrefata espalhados por aí, nem tão perto do hospital. Casas legislativas inoperantes, sedes de executivos indiferentes, tribunais arrogantes  parecem lugares perfeitamente adequados para as larvas das Cochliomyia hominivorax.

Comentários

Zoraya, às vezes tenho a sensação de que vivo em outro mundo, tão distante disso que você descreve. E não sei se essa sensação é boa ou ruim.
É verdade, esse hospital dá a impressão de localizar-se no meio das sedes do legislativo, executivo e judiciário. E o povo na periferia, só olhando sem nada fazer além de abanar. Parabéns pela ótima crônica. Paz e bem.
fernanda disse…
Sendo ficção, seria um argumento excelente. Sendo realidade é muito triste. Nem ouvi falar desse caso. Esse filme ninguém quer divulgar, né?
Bjos!
Zoraya disse…
Cacá, obrigada, já vi você por aqui, me prestigiando com seus comentários!O pior é que os jornais só deram a notícia um dia, depois o caso foi "abafado". Tsc tsc.

Fernanda, também já te vi por aqui, obrigada!! Agora estou aprendendo a interagir, vocês me desculpem nunca ter dado retorno antes, ainda sou internenovata. Ninguém quer divulgar mesmo. A gente poderia fazer um filme trash com esse assunto, mas ficaria às moscas. Beijos!
Anônimo disse…
Argh!!! que eca! ;-)))
Parabéns pela bem sacada crônica!!!
Renato
'I wanna be sedated
Nothing to do, nowhere to go, oh
I wanna be sedated
Just get me to the airport, put me on a plane
Hurry, hurry, hurry before I go insane...' [ramones]

Só recorrendo ao punk.
Anônimo disse…
"A gente poderia fazer um filme trash com esse assunto, mas ficaria às moscas"... MUITO BOM! Sim, muito bem tecido, desde a ficção até a caradepau da notícia mal-explicada, a busca pelos "tecidos vivos" numa obra de alvenaria e finalmente a propriedade da busca por "tecidos podres" no legislativo e afins. Muito bom!
abrax, ajax
Rocca



Fonte: Crônica do Dia: ARGUMENTOS PARA FILMES DE TERROR >> Zoraya Cesar

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …