Pular para o conteúdo principal

O DONO DA BOLA >> Eduardo Loureiro Jr.

Estou me sentindo o "dono da bola". E para que o leitor — e principalmente a leitora distante do mundo futebolístico — não pense que estou me pavoneando, explico o sentido da expressão àqueles que são alheios às peladas de rua, às partidas de futebol da infância, disputadas em ruas sem asfalto ou calçamento, terrenos irregulares de terra batida.

"Dono da bola" é aquele menino que chega ao campinho improvisado com o mundo debaixo do braço. O jogo, no final de tarde, não começa sem ela — a bola — nem sem ele — o dono da bola. As traves, de cada lado do campinho, são feitas de qualquer coisa: pau, pedra, tijolo. As linhas são traçadas por qualquer pé descalço ou por uma chinela de borracha. Mas a bola não se improvisa. Se o menino é o dono da bola, a bola é a dona do jogo.

O dono, normalmente, tem como único talento a própria bola. Por ironia do destino — ou mesmo por sua inerente lógica — aquele que possui a matéria é desprovido de energia. O dono da bola só tem à bola, e mais nada. Não tem força, não tem velocidade, não tem ginga. Não fosse dono da bola, nem jogaria, ficaria no "time de fora". Mas ele é o dono da bola, é o proprietário do meio de produção da alegria, então a ele é concedida pelo laborioso proletariado a permissão de jogar — mesmo que o menino não saiba jogar direito.

Uma vez começado o jogo, os demais meninos devem controlar não apenas a bola — arisca em meio ao terreno não plano —, mas também o humor do menino que não sabe jogar. Há que se driblar as insatisfações do dono da bola, que fica minutos sem recebê-la porque não sabe o que fazer dela com os pés. Se o jogo é com goleiro, há que se convencer o dono da bola, com muita diplomacia, que ele deve ficar no gol. Se o jogo é de travinha, e não há goleiro, passa-se a bola para o seu dono de vez em quando, como quem paga um amargo imposto, inútil porque não se traduzirá em nenhuma obra social. Todo esse cuidado porque o dono da bola costuma ser um menino facilmente irritável que, se constantemente aborrecido, pode pegar o mundo, colocá-no novamente embaixo do braço e sair de cena, terminando o jogo antes do tempo, ocasionando um temido apocalipse.

Não pense o leitor — e principalmente a leitora — que o dono da bola é um tirano. Talvez até seja, mas é um tirano sofrido, que sabe da sua situação, de sua posição de inferioridade em relação aos jogadores de verdade, aqueles que fazem embaixadinha, dão banho de cuia, aplicam o drible da vaca e fazem os gols. No fundo, quando o jogo fica realmente bom, o dono da bola tem vontade de deixar o campo e assumir a função de gandula, ou até mesmo de sair simulando uma contusão, mas deixando todo mundo tranquilo: "Vocês ficam com a bola e deixam lá em casa quando terminar o jogo".

Pois é assim que estou me sentindo. Sentimento trazido à tona pela leitura do livro encantador "As coisas simpáticas da vida", que me foi presenteado por seu autor, Felipe Peixoto Braga Netto, que já escreveu para o Crônica do Dia e que é um dos cronistas do livro ACABA NÃO, MUNDO, que foi lançado ontem aqui em Belo Horizonte. O livro ACABA NÃO, MUNDO — e este site/blog de onde as crônicas foram selecionadas — é a bola do qual sou uma espécie de dono. As mineiras Paula Pimenta e Fernanda Pinho são, assim como o Felipe, os jogadores de verdade. Eles são os escritores, aqueles que produzem maravilhas com as palavras, aqueles que terão seus livros individuais figurando nas estantes da eternidade.

Paula, Felipe, Eduardo e Fernanda
 Escritores também são aqueles que me aguardam em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Fortaleza, para os próximos lançamentos. Chegarei em cada cidade com a bola, o mundo, o livro embaixo do braço. Jogarei nos lançamentos com a complacência dos autores bons de bola, e depois, após 17 de novembro, colocarei o mundo, a bola, o blog embaixo do braço e voltarei para casa, imaginando o que fazer para, no próximo jogo, ser mais do que simplesmente o dono da bola.

Comentários

fernanda disse…
É fato que, normalmente, ao dono da bola falta um pouco de talento. Mas não é seu caso. Você é um dono da bola goleador e, melhor, nem é daqueles que resolve ir embora na hora que o jogo tá mais emocionante. Eu ainda estou aprendendo!!!!! (tá bom, esses exclamações foram só pra pirraçar o dono da bola...rs)
Bjos!
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse…
Caro amigo Eduardo.

Ontem meu dia acabou meio incompleto. Sabe por quê? Porque desde que cheguei em casa, do lançamento, fiquei pensando assim: "Vou escrever para o Eduardo, vou escrever para o Eduardo", e acabei não escrevendo. E não era para nada, era só para agradecer e dizer que achei bonita, tocante, rara, a nossa festinha, o nosso dia. Tudo foi permeado de muito carinho, acho que todos nós saímos de lá sentindo um pouco isso.

E agora acordo com essa, rs... Que crônica bonita! Meu amigo, saiba que você nunca será (só) o dono da bola. Podíamos fazer uma música assim: "Ah, se todos donos de bola fossem iguais a você. Ah, que maravilha, viver...". Rs.. . Não foi aquele poeta inglês, aquele tal de Auden, que escreveu que o tempo é intolerante com quase todo mundo, mas adora a linguagem e perdoa todos os que vivem dela. Bonito né?

Fico honestamente feliz que você esteja gostando do livrinho.
Um abraço, amigo, e obrigado.

Felipe (ah, hoje me vinguei de você e acordei quase meio dia. Esse e-mail é a primeira coisa que faço, acompanhado de um café negro e quentíssimo, rs...).
Eduardo, ontem passei o dia pensando na emoção que vocês, escritores, estavam sentindo.
Existem "donos" e "Donos" da bola. Ao primeiro cabem as vaidades e ao Outro, a satisfação de saber que, com sua bola, formou uma equipe que sabe jogar e que sonha com resultados. Para mim, você é sempre será o Dono da bola!
Parabéns!!
Tia Monca disse…
Oi Junoca concordo com a Marisa de que você é "Dono" e não somente "dono" da bola :o)
Como bem escreveu a Debora Bottcher na crônica de ontem: "...lançar um livro não é fácil... o processo exige grande dose de paciência e diplomacia, porque é como pisar em ovos - e não se faz uma omelete sem quebrá-los, diz o ditado..." admiro demais a sua
coragem de idealizar/conduzir/participar de projetos coletivos e desejo que você continue crescendo em paciência, diplomacia e na arte de relacionar-se.
Parabéns a todos os autores.
Tia Monca
Felipe disse…
Deixa de besteira, rapaz! Dono da bola não senhor! Você é aquele que bate um bolão no meio-campo e além disso é o capitão do time. Eu diria até que você também é o técnico, excelente técnico, descobrindo talentos, escalando craques e fazendo jogar bola até quem mal consegue fazer uma embaixadinha. ;)

Esse jogo vai ser 5x0. E o primeiro gol já foi um golaço!

Grande abraço pernambucanadense!
'Cês 'tão querendo encher minha bola, né? Pois bem, conseguiram. :) Agora vamos voltar pro jogo...
Anônimo disse…
José Rian de Fortaleza, 10 anos.
O dono desta crônica, é o cara. Por que beseando-me nela, eu fiz um exercício da minha escola e saí do sufoco.
Rian, fico feliz em saber que alguém saiu do sufoco nessa história toda. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …