Pular para o conteúdo principal

PULSANTE >> Eduardo Loureiro Jr.

Às vezes, leva tempo. Às vezes, demora. Às vezes, nem acontece. Às vezes, aflora.

Tenho um amigo poeta, e sei que muitos leitores devem ter um amigo poeta. Mas o meu amigo poeta é daqueles capazes de batizar gentes (Os internos do pátiO) e gente (É do ar do Pátio).

Foi esse amigo poeta, o Fabiano dos Santos, que me fez acontecer poesia pela primeira vez, quando me mostrou umas escritas palavras numa arrancada folha de pautado caderno, com a esquerda margem picotada:

Você passou
e feito pluma jogou
um beijo em mim
me deixando assim
feito criança
quando ganha brinquedo
a pluma
bateu no meu vidro
quase quebrando
o meu medo.

A pluma do poema de meu amigo trincou o vidro da minha prosa sem graça e comecei a aprender poesia. (Daqui a umas três encarnações, eu aprendo de vez.)

Meu amigo poeta é também compositor e musicou muitas outras palavras que ele mesmo escreveu e que outr'Os internos do pátio escreveram. Quando ainda éramos estudantes na Universidade Federal do Ceará, Fabiano participou de um dos festivais culturais da universidade com uma canção chamada "Maracatu Pulsante":

Rio riso raso 
Vazio viso no vaso 
Minha dor 
Plantada no não tempo 
Fincada na terra 
Levada ao som do vento 
Flor floriu flores 
Corro risco 
Risco cores 
Na cor pintada de meu sentimento 
Preto em branco 
Na alegria do meu sofrimento 
Vou no impulso 
No pulo do pulso 
Tramo e traço 
Vou no bago 
Bagana em bagaço 
Braço e abraço 
De meu amor 
Corto Rio 
Riso raso 
Corre o sangue 
Encarna a cor 
Vazio viso no vaso 
O sorriso de minha dor

Hoje pela manhã, bem cedinho, antes de sair para trabalhar (sim, domingo às vezes também é dia de dar aulas), recebi um e-mail de um outro interno, também poeta, também compositor, também interno do pátio: Manu Kelé. O e-mail tinha um título, Maracatu Pulsante, e um link para um vídeo em que um coral interpretava a canção de meu amigo Fabiano dos Santos, com arranjo feito pelo maestro Orlando Leite.

Após ver o vídeo do link, descobri que havia dois outros vídeos com o mesmo título, também interpretações da canção de meu amigo. Um deles, este aqui:



Uma obra-prima, boa como só as primas sabem ser.

Ouço as vozes e os instrumentos do Conjunto Pequiá, mas ouço também o violão de Hélder Ramalho criando, num dos bancos do pátio interno, a harmonia da melodia que Fabiano havia trazido apenas na voz. E ouço a voz rouca de meu amigo Fabiano, bela como costuma ser a voz de quem canta sua própria composição. E escuto também o violoncelo tocado durante a apresentação no festival. E há ainda o eco da voz do mestre de cerimônias anunciando que Maracatu Pulsante ficara em segundo lugar no festival.

Escuto os sons de hoje e o som de há vinte anos. Os sons de para quem Maracatu Pulsante é só música das boas e o som de para quem o Maracatu Pulsante era o pulso diário das rodas de violão no pátio. Todos tocam juntos no Coral do Tempo. E muitos sons ainda se juntarão a esses...

O Maracatu continua pulsando. Fabiano continua pulsando. Ontem mesmo me ligou para falar do sorriso de sua dor. E no pulso do tom do telefone, eu doí a sua dor sorrisada e sorri o seu dolorido sorriso.

Comentários

albir disse…
Sorrisei também, Edu. Que coisa mais boa de ouvir!
Alba Mircia disse…
Que beleza de melodia, música, beleza de escrita, beleza de inpirações, beleza de homens-amigos!
Anônimo disse…
Edu, quanta beleza!! saudades de todos e daquele criativo pátio... Bjim!
Quando vi, pela primeira vez, a harmonia, a beleza e a criatividade do " É do ar do pátio", fiquei fascinada. E nessa poesia toda a amizade é um verso por si só. :)
Pois é, Marisa, agora você sabe quem é o poeta responsável pelo seu fascínio. :)
Diêgo de Oliveira disse…
Tenho a sorte de poder cantar essa música, com esse mesmo arranjo que você descreve, do grande Orlando Leite, no Coro Vitrola Nova (não sei se vc se refere a este coro). Talvez não haja palavras para descrever o tamanho da magnitude dos sentimentos que afloram não apenas em mim, mas em todo o coral e em todos os públicos ao interpretarmos essa canção. "Minha dor plantada no não tempo..."
Diêgo, que bom que a flor flore flores no seu canto e no coração de quem escuta. Vocês farão alguma apresentação em julho, em Fortaleza?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …