Pular para o conteúdo principal

MUNDO PARTICULAR >> Carla Dias >>

Mundo pequeno é aquele que alguns chamam de rocambole e outros de passeio na praça. A gente sabe que o mundo, que o planeta Terra é enorme, mas às vezes ele parece caber exatamente na essência do que chamamos encontro fantástico, porque o mundo só pode ser rocambole ou passeio na praça quando há pessoas envolvidas.

Em caso geográfico, ele é o que mapa descreve. Em caso financeiro e geográfico, sim, é caro dar uma volta ao mundo, ainda que muitos garantam que vale a jornada.

Dureza é quando se trata do mundo particular, aquele que apelidamos de universo para que a ideia pareça totalmente existencialista. O que ela realmente é... Só que, às vezes, ela só parecer ser, entende? E assim o mundo pesa em nossos ombros.

O mundo particular é pequeno. Se for pequeno como é pouca a bagagem que levamos para passar uma semana na casa de um parente, significa que escolhemos levar a vida de uma maneira simples, que aceitamos a objetividade das situações, que não passamos horas alimentando abismos entre nós e os outros, ou entre a nossa realidade e os nossos desejos de conquista. Sendo do mundo particular, pequeno tipo essa bagagem, vive-se com mais fluência nos assuntos que tratam da vida sendo vivida na sua própria cadência, sem sofrer grandes interferências dos nossos temporais internos.

Um mundo particular pode ser apenas caótico, com mil e tantos motivos para que ele desabe logo ali. Mas também pode ser assimétrico, mergulhado em tons, pode se fantasiar, o tempo todo, apenas para mudar a forma como é percebido pelos mundos particulares alheios.

O mais interessante sobre o mundo particular é ele ser o responsável pela existência do mundo rocambole ou passeio pelo parque. Não fosse a sua natural sensibilidade em perceber nuances, os olhares laçando a imensidão a sua frente, a contemplação das tantas possibilidades espalhadas pela geografia do sentimento, tudo ficaria no seu devido lugar, e não experimentaríamos a sensação de que jamais iríamos rever uma pessoa, porque ela sumiu da gente, mudou de país, seguiu outro rumo.

Mas, de repente, está ali...

Na beira do seu mundo particular, sorrindo de feliz, comprando revistas na banca que você frequenta há décadas, ou levando o filho na mesma escola que a sua filha. Está sentada no único banco do trem com lugar vago, ou faz parte do grupo que comprou um pacote de viagens para o litoral. Esbarra em você na rua.

De repente, a proximidade se repete, e não de forma corriqueira. Ela é de uma lindeza que mata saudade, coloca as novidades em dia, fortalece relações. É de uma força que nos torna capazes de ver o mundo assim, pequeno e confortável, uma sala de estar no qual, oportunamente, (re)encontraremos nossos afetos.

carladias.com

Comentários

Carla, essa sua crônica me fez pensar que meu mundo talvez esteja mudando de órbita. :)
albir disse…
Carla,
é mesmo uma descoberta a riqueza do pequeno e confortável, e quase inexplorado, mundo particular.
Carla , eu tenho um sonho: o de, senão todos, pelo menos a maioria pensar e viver segundo essas premissas. Ah, como seria melhor o entorno de todo mundo! Ótima a crônica. Meu abraço, paz e bem.
Carla, como você consegue? Me diz...
Todo texto seu faz os leitores mergulharem no seu próprio eu...Perfeita, como sempre!
Carla Dias disse…
Eduardo... Vai ver que ele está mesmo! Aonde será que ele vai parar?

Albir... É sim... Espero que mais pessoas descubram isso e se sintam em casa nesse mundo dentro do mundo.

Cacá... É fato que são os sonhos que dão o primeiro sopro de vida às realizações. Quem sabe o seu não se realiza. Outro abraço, a mesma paz e o mesmo bem.

Marisa... Pergunta difícil para uma facilidade que decidiu viver na minha cabeça. Para mim, mergulhar no próprio eu é a premissa para o emergir, mais tarde, e ainda ter o prazer de encontrar pessoas nessa retomada de fôlego.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …