Pular para o conteúdo principal

PRA QUEM TEM O DOM >> Carla Dias >>

Foto © Thiago Figueiredo


“The “What if” aspect of the dream, when taken to its conclusion, calls for a “How to” solution. That is what vision is. The ability to put your dream into motion. The ability to carve our piece of the puzzle with the specific details that we have designed”
Dom Famularo


Estou lendo esse livro, e já faz um bom tempo, porque é em inglês e claro que demora mais, ao menos no meu caso. O andamento da leitura é outro. Até que a forma como o autor escreve é simples, como ele fala, mas é a primeira vez que leio um livro inteirinho em outro idioma – são quase 350 páginas de outro jeito de dizer acontecimentos.

O livro é interessante em muitos aspectos, tanto que não vejo problema em falar sobre ele, ainda que não tenha terminado de lê-lo. O autor é um baterista mundialmente conhecido por seu trabalho como educador e, principalmente, comunicador. Eu o conheci em 1999, quando fizemos a produção de um evento em São Paulo e em Brasília, aqui pelo IBVF (Instituto de Bateria Vera Figueiredo, onde trabalho). Porém, foi no ano passado, quando ele veio para participar do Batuka! Brasil, que me dei conta da importância do que ele ensina.

Você já deve estar pensando o que você tem a ver com isso. Afinal, livro de bateria interessa somente aos bateristas, certo? Não neste caso... O livro não é um método para bateria, não aborda a música didaticamente.

Dom Famularo, no meu entender, não é somente um baterista excepcional, um comunicador motivacional de primeira, alguém capaz de inspirar o outro através da música e da sua própria experiência de vida. Ele é, acima de tudo, um talentoso contador de histórias. E por isso ficamos todos boquiabertos com o que ele disse, durante a sua passagem pelo festival, assim como fascinados pelo tempo que passamos em sua companhia no backstage ou aqui na escola.

Ele viaja pelo mundo tocando bateria, ensinando música e inspirando pessoas. Esse é o trabalho que ele vem fazendo há mais de 30 anos. No livro, ele nos conta como começou sua relação com a música, com a bateria, mas como um digno contador de histórias, ele desfia o terço com uma graça, apegando-se à profundidade do momento. É assim que nos pegamos envolvidos que só com as passagens sobre como ele escolheu ser um baterista e o pai não via isso como profissão, então ele teve de convencê-lo, por exemplo. E você compreenderá a beleza do feito ainda que a sua escolha não tenha sido a bateria, mas qualquer outro sonho que desejou transformar em profissão, em vida.

Dom Famularo se vale das histórias de pessoas que conheceu para abrilhantar a redação, além das suas próprias experiências. Às vezes, busca na própria história de seu país, os Estados Unidos, exemplos para suas abordagens. A sua percepção sobre o outro, sobre a situação do outro, se dá pela contemplação.

“The Cycle of Self Empowerment” é um livro de autoajuda, mas graças ao cenário, a música, é dos divertidos, com histórias fantásticas, e ideias interessantíssimas sobre como equilibrar sonho e realidade. Aliás, quem não sabe que grandes descobertas foram, em algum momento, apenas um sonho? Foram impossibilidades que se tornaram possíveis mediante a insistência de seus autores?


Quando Dom se apresentou no Batuka!, eu convidei vários amigos que não são músicos para assistirem ao workshop dele. Insisti que mesmo que não suportassem o instrumento, amariam o tempo que passariam à mercê desse contador de histórias. Dito, feito e com efeito dos bons. Não há como não sair tocado, de alguma forma, dessa experiência.

Ainda falta muito para eu terminar de ler o livro, o que quero fazer antes da volta dele ao Brasil para o Batuka!, em julho deste ano. E eu quis apresentar o livro e seu autor a vocês, porque vale à pena e de tantas formas que só lendo para entender. Lamento não ter edição em português, mas quem se vira com o inglês conseguirá ler tranquilamente.



carladias.com

Comentários

albir disse…
Carla,
não conheço o autor, não conheço o livro, não sei nada sobre bateria -tenho medo de atingir o olho se tentar balançar uma baqueta. Mas se você diz que é bom, é bom.
Carla Dias disse…
Albir... Ah, acho que você adoraria aprender tocar bateria : )
Mas ainda bem que não precisa... O livro já é de grande valia. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …