Pular para o conteúdo principal

AS FERAS >> Carla Dias >>

Uma menina linda, linda, carregando sua boneca já vestida para o baile que aconteceria no salão da sua imaginação, puxou-me pela mão, certa vez, para que eu a acompanhasse em uma aventura que ela adorava repetir. Durante a jornada, dei-me conta de que também eu era fascinada pelo tema, apesar de contemplá-lo de outra forma.

Quando menina de tudo, já não via essa história, como diz um amigo, com óculos de lentes cor-de-rosa. E sentada no sofá, a menina sorridente ao meu lado, dando-me detalhes sobre a animação que saltava de um DVD que ganhou de sua mãe, fascinada com os vestidos, as nuances de princesa, oferecia-me uma versão sutil de uma fábula que, em minha opinião, é complexa, melancólica, e quase nunca tem final feliz, o que não lhe tira a beleza.

No cenário artístico, foram muitas as versões das feras e das belas, sendo que algumas delas sucumbiram ao desleixo de se pensar que tratar de um tema desses não pede cuidado. Recentemente, assisti a um filme que considero uma releitura contemporânea dos fatos: a coexistência do belo e do que é não simplesmente feio, mas portador do incômodo de não ser belo, não ser natural, não ser aceitável aos olhos da sociedade.

Mora na dita feiúra um mistério atônito, e aos que se permitem observá-la, detidamente, é oferecida a oportunidade de encontrar mais que alusões negativas. Porque se engana quem pensa que feiúra – das que nascem com a gente e das que nos são impostas no decorrer da vida – é somente física. Fosse possível olhar de perto as almas de muitos, espiá-las, em silêncio, sem interferir nas suas ganas, certamente ficaríamos estarrecidos com o que as habita.

A fera da qual trata a fábula é um homem que é transformado em monstro por um feitiço, e que amarga suas auguras vivendo sozinho e encarcerado pela sua má sorte. Para voltar a ser um homem, não um monstro, ele tem de fazer com que uma mulher se apaixone por ele e diga que o ama. A bela é gentil, doce, fofa, né?, como diria a menina sentada ao meu lado, não estivesse ocupada declamando, bem baixinho, quase em sussurro, as falas do desenho, enquanto trança os cabelos da boneca, olhar vidrado na tela da tevê.

A bela tem essa sutileza da naturalidade, porque ela é tudo isso, não necessita mudar. Aguenta as pauladas da vida com o requinte de quem não sabe ser diferente. No momento do medo, ela se mostra confusa, mas como é de seu feitio, já que bela também é a sua essência, não recusa a presença do monstro ao percebê-lo gentil, avesso ao que demonstra sua imagem. A fera não! Ela foi transformada, virada ao avesso, já não tem a sutileza em sua pura forma. Tornou-se amarga, mas apesar da sua imagem, jamais deixou de ser justa ou terna.

A cada cena que ela mais gosta - porque essa menina não é boba e prefere ter um monte de preferidas -, a menina sorri largo que só. Pergunto se ela não tem medo da fera, e ela me responde que não... Que o amor da bela não tem culpa de ter ficado feio, de botar medo nas pessoas. E que a bela sabe fazer mágica... Vai fazer o monstro virar príncipe.

Eu seria uma fera, sem dúvida. Não me agradaria ser tão plena como a bela cor-de-rosamente perfeita. As feras são transformadas, não apenas por feitiços, não apenas no imaginário. Elas são transformadas a cada momento, a cada experiência. São obrigadas a contemplar a própria diferença, e a aceitando ou não, têm o dever de sobreviver a elas.

A Fera (Beastly/2011)

No final do desenho, boneca de cabelos devidamente trançados, a menina se aconchega em mim e suspira. Diz que, quando crescer, quer uma fera para transformar. É aí que a história não faz sentido para mim. Tanta força só para manter o olhar na direção da fera, tanto medo engolido, tanta dificuldade para aceitar a diferença, e então, a bela, fofa, né? transforma a fera em um tipo de príncipe encantado.

Bela, para mim, não é a moça delicada e amorosa que transforma feras com seu beijo. Bela, para mim, é a oportunidade de conhecer a fera, compreender-lhe a existência, perceber a sua bondade e se permitir conviver com ela assim, do jeito que ela é. E nem pensem que se trata de se fazer favor, porque somos mais feras do que belas.

E a menina, não se aguentando de tanto apaixonamento pela história da bela e da fera, empunha o controle remoto e aperta play. Ela quer assistir de novo, garantir que a sensação não lhe escape. Deixa a boneca de lado, mas pega outra. Enquanto assiste, trança-lhe os cabelos. Os cabelos das belas bonecas que enfeitam o seu quarto.

E eu, incapaz de assistir ao desenho com a naturalidade de uma criança que descobre uma das histórias que vai adorar por anos e anos, até pela vida, beijo-lhe a face, e a menina nem tira os olhos da tela. Saio de cena, de uma das cenas preferidas dela.

É hora de encontrar as feras, misturar-me a elas. Sentir-me em casa. Porque, fosse possível olhar de perto as almas de muitos, espiá-las, em silêncio, sem interferir nas suas ganas, certamente ficaríamos maravilhados com a beleza que as habita.



carladias.com

Comentários

obra-prima, Carla. Tão encantadora quanto a Bela e a Fera é a sua história com a sua sobrinha (?) e com você mesma.
Carla, emocionante!
E mais uma vez, você coloca encanto e perfeiçao!
albir disse…
Fico maravilhado, Carla, com a beleza que você desvenda.
Carla Dias disse…
Eduardo... Você sabe que esse “obra-prima” me encheu de alegria, né? E na verdade, eu misturei momentos não apenas com as minhas sobrinhas, mas também com as minhas primas.

Marisa... Obrigada : )

Albir... E eu fico honrada por isso.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …