Pular para o conteúdo principal

AS TRÊS MARIAS >> Carla Dias >>


A primeira Maria é das dores...

Ela passa o dia a assoprar dolências, tentando diluí-las em esperança, afogá-las em bálsamo. Acredita-se que, diferente do rotulado, ela aprendeu a lidar com a dor de um jeito único. De um jeito de engolir sem engasgar com lágrima, de não revidar, mas sim aguardar até que a espera se torne recompensa, e que as dores sejam neutralizadas pela felicidade, que bem sabemos, é passageira, não é companheira feito a dor, mas tem um poder sem igual de arrancar sorriso da gente, de fazer graça com a tristeza.

Maria das Dores tem um jardim de tulipas no quintal de sua casa. Dia sim, dia não, caia chuva ou faça sol, ela se deita entre as flores para doer. E de cara com o céu, doendo o diabo de tanto sentimento, esvazia-se em condolência, despedindo-se das dores, tendo o abrandamento como recompensa.

Maria é das dores porque sabe deixá-las partir.

A segunda Maria é dos anjos...

Quando deita a cabeça no travesseiro, faz uma oração longa e emocionada, na qual agradece as bênçãos e solicita milagrinhos, para que a vida não passe em branco. Para ela, Deus mora em tudo e em todos, mas não é mulher de catequizar. Tem por sagrado o direito do outro de não crer no que ela crê. Então, fala a respeito apenas quando lhe perguntam. Porém, dependendo da forma como lhe perguntam sobre a sua espiritualidade, defende-se intelectualmente, alegando ser apreciadora da obra de Michelangelo exposta na Capela Sistina. E tão requintada é a sua eloquência, que nem desconfiam que ela jamais tirou os pés da própria cidade, o que dirá visitar outro país.

Maria dos Anjos tem uma loja de badulaques, anjinhos de enfeite, CDs de segunda mão (ou segundo ouvido?), que fica naquela rua arborizada como raramente vemos nas cidades grandes. Lá ela cultiva mil facetas da sua crença na vida, nas escolhas do ser humano, no direito de ser e estar de bem com a própria verdade. Livros espalhados em prateleiras, sobre mesas, até empilhados no chão, representam, para ela, histórias que ela poderia ter vivido, tivesse nascido outra. E o que não sabem sobre ela, sobre os que lhe acompanham, é que apesar de ter escolhido a religião da vida, dos homens e seus destinos diversos a desembocarem em um mesmo futuro, que pode ser contado, de acordo com a forma como cada um lida com a sua biografia, é que na noite já alta, às vezes depois da oração, ela se levanta e vai até a sala, liga a televisão. E depois do play se inicia o filme que ela queria que fosse sobre a vida dela. Por detrás de todas as máscaras, ela é apenas uma mulher apaixonada pelos anjos de Wim Wenders.

Maria é dos anjos – cinematográficos e onipresentes – porque sabe que a vida também nos dá asas para voos que jamais imaginávamos poder voar. E ainda assim, voando voos inimagináveis, há um prazer sem igual em voltar, em sentir a terra debaixo dos pés. Em abrir as portas do lar.

A terceira Maria é das graças...

Enquanto caminha, os pés dançam no chão, mas de um jeito miúdo, que confunde o espectador, ele que se vê crente de que a moça simplesmente levita, e escorrega pelas bordas da realidade. Enquanto fala - a voz que mais parece música preferida -, ela diz tantas levezas que a gente se sente engalfinhar pela religiosidade gritada pelo seu coração apaixonado por horizonte.

Maria da Graças é dona de uma bodega, no centro de qualquer lugar. Ela enfeita as mesas com cores das flores, das louças, dos panos, que o lugar mais parece uma caixa de lápis de cor. Soluça quando gargalha, faz um escarcéu quando precisa de cafuné, adora os vestidos e as cantigas de roda. Às vezes, fica em silêncio, mas apenas para escutá-lo confidenciar-lhe desejos. Depois grita, como se tivesse à beira do abismo, o corpo curvando, cedendo à profundidade do medo. Mas é só coisa pra espantar desassossego, porque depois ela se espreguiça, côa um café, mordisca pão caseiro, sente-se em casa.

Maria é das graças porque não se entrega a desespero que seja.


Imagem: Tre Donna © Umberto Boccioni

carladias.com

Comentários

Debora Bottcher disse…
Carla, querida, Sempre me emociono com seus textos e esse não fica por menos, já que todas essas 'Marias' moram em nós... :) Que beleza de narrativa... Dói, de Graça e Anjo. Super beijo.
Crazy Mas Feliz disse…
A com certeza você se referia a nós...As três Marias de dona Alzira...
fernanda disse…
Lindo, lindo! Acho que todas nós temos algo de Maria, né? "Quem traz na pele essa marca possui, a estranha mania de ter fé na vida".
Beijos!
E eu que pensei que só olhando o céu para admirar as Três Marias. Belos retratos, Carla.
Carla Dias disse…
Débora... Obrigada por se permitir emocionar pelas minhas palavras. É uma honra para quem, quase sempre, não sabe o que dizer. Beijos!

Crazy Mas Feliz, Ká... Não pensei nas filhas da Dona Alzira, porque narrativa seria diferente. Se eu parar para contar os causos... rs. Eu quis fala sobre as várias mulheres que vivem em cada uma de nós. Falei somente sobre três Marias, mas sabemos que elas são muitas, e diversas. Beijo!

Fernanda... Obrigada! Sim... Nós temos as nossas Marias, cada qual com a sua visão, sua mania de discordar da outra. Beijos!

Eduardo... Há Marias que se dependuram no céu, mas também há aquelas que desfilam pela Terra, e até na imaginação de muitos. As Marias são uma verdadeira força da natureza.
albir disse…
Carla,
também tenho um conto com esse título. Só que as Marias são: da Glória, da Penha e das Dores.
Seu texto, como sempre, imprescindível. Beijo.
Carla Dias disse…
Albir... Quero ler suas Marias... Beijo.
albir disse…
Carla, mandei por email. Beijo.
MARIA AMANDA disse…
TODOS OS DIAS EU OLHO PARA O CÈU E VEJO LINDAS ESTRELAS.MAIS AS MAIS LINDAS SÃO AS TRES MARIA. PARECE EU E MINHAS DUAS AMIGAS.MARIA AMANDA,MARIA LAURA E A MARIA ALINNY BEIJOSSSSSSSSSSSS
Carla Dias disse…
Maria Amanda... O que seria do mundo sem as Marias? As estrelas, as mulheres, as meninas? Que sejma sempre unidas a Maria Amanda, a Maria Laura e a Maria Alinny. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …