Pular para o conteúdo principal

CINCO ANOS >> Kika Coutinho

Semana passada, chegamos aos cinco anos de casados. Cinco anos. Meia década. Ridículo, né? Acho meio ridículo se gabar por cinco anos, até porque passaram em um segundo.

Um segundo. Pisquei os olhos, tomei um banho, jantamos juntos, errei uma receita, pari uma menina, engravidei de outra e pá, cinco anos.

Foi tão depressa. Foi o tempo de esquecer de levar a toalha pro banheiro. E, como toda noite, gritei por você: “Amoooooor, traz a toalha pra mim? Esqueci...”. Ainda ouvi você se levantando da cama, abrindo o armário, pegando a toalha — eu torci para que fosse a branca mas não pedi — e quando você chegou com a toalha bege no banheiro e pendurou no box, de repente, pronto. Foram cinco anos.

Cinco anos esquecendo a toalha, cinco anos deixando a louça suja pra você, cinco anos coçando as suas costas, cinco anos te vendo escovar os dentes, de manhã e à noite, no mínimo. Cinco anos e você ainda traz aquele pão com semente que eu detesto. Cinco anos e você não foi na dermatologista. Cinco anos e me acostumei a dormir com a TV ligada. Também cinco anos pedindo: “Desliga vai? Vamos dormir, desliga...” e, por cinco anos, você repetindo: “Já vou desligar”. A verdade é que me acostumei. Mas continuo pedindo, pra manter a rotina. Ah, a rotina... Aquela velha vilã, mas tão cômoda, como um sofá fundo e confortável, do qual dá uma preguiça de sair, ainda que a vida acene de longe para a gente...

Cinco anos da nossa rotina. Cinco anos de domingos com café da manhã na padaria, jornal espalhado no sofá, o silêncio da manhã enquanto você folheia a Veja e eu a Vejinha, cinco anos que a gente reclama do Faustão, assiste Fantástico, cochila no sofá, e briga pela janela que você quer manter aberta... “Tá frio, Baby. Fecha...”. E você fecha por alguns minutos quando, antes de começar a enxugar o suor, abre de novo, fingindo que esquentou. Cinco anos de absoluta incompatibilidade térmica. Eu sempre com frio e você sempre suando. Cinco anos que você liga esse maldito ar-condicionado no carro e só desliga quando eu bato novo recorde na crise de espirros. “Já dá pra chamar o Guinness?”, pergunto, irritada, enquanto você desliga e comenta do trânsito, tentando disfarçar.

Cinco anos que você arruma as minhas bagunças, traz leite nas insônias e me empurra pra fora da cama durante a noite. Cinco anos que eu te peço pra virar pro outro lado, cinco anos que eu te dou aquela cutucadinha quando você ronca.

Cinco anos que eu roubo seu cobertor. Cinco anos que eu juro que não roubo, mas, agora, admito, roubo mesmo. Há cinco anos.

E, Amor, prepare-se. Não tenho planos de me corrigir, nem de morrer, nem de sair desse velho sofá, fundo e macio, que é a nossa doce rotina. O cobertor é meu, e fim de papo.

Comentários

Kika, ao ver o título e a primeira frase, me lembrei daquele velho conto do Drummond. Mas depois você me fez esquecer, com sua prosa maravilhosa. Que você prolongue o contrato de casamento e continue nos contando sua doce rotina. :)
Ana Coutinho disse…
Eduardo, verdade, e eu que nem lembrava desse conto...
Obrigada por me trazê-lo e pelos bons desejos. Amém para eles!
beijos.
Debora Bottcher disse…
Valha-me... Cinco anos!? Parece mesmo que foi ontem... E quanta coisa já aconteceu, não? Quanta alegria e beleza... Que venham mais cinco anos vezes vinte! :)

Super beijo.
fernanda disse…
Parabéns, Kika!!! Não é ridículo, não. É raro nesses tempos doidos que vivemos. Beijos!
eduardo.kiwi disse…
nossa, parabens, muito bom, todo dia entro nesse blog, porém poucas vezes comento, só quando vale realmente apena...

gostei muito também da cronica da fernanda que falava sobre amizade...
Ana Coutinho disse…
Dé, e você faz parte de ssa história, de certa forma. Não dá nem pra acreditar né?
Fê, obrigada!
Eduardo, entre mais vezes então, os textos da Fernanda sempre valem mesmo a pena!
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …