Pular para o conteúdo principal

A TREPADEIRA >> Kika Coutinho


Se o amor fosse uma planta, ele seria uma trepadeira. Você conhece essa espécie. Digo a planta, não o amor.

Ela cresce apoiada em algo. Ela precisa de suporte para crescer e buscar a luz. E é isso que faz o amor.

Eu aprendi tendo filhos, não sabia antes, mas aprendi. O amor não cresce sozinho. Jamais seria uma samambaia, uma rosa, uma tulipa. Ele não precisa só de água e sol. Há quem tente assim. Há quem trate o danado tal qual um vaso de hortênsia. Lindo, colorido. Cuida-se, com carinho. Rega-se, põe no sol. Há quem converse com o amor. E ele cresce, desponta em rosa, azul, amarelo. Fica lindo por algum tempo. O amor tratado como um vaso tem sua data de validade impressa, pode ser longo, dar frutos, mas morre e, de algum jeito, aproveitamos o vasinho.

Já o amor construído, esse de tijolo em tijolo, esse, o prático e real, é o tal amor eterno, do tipo Tarcísio Meira e Gloria Menezes, Nicette Bruno e Paulo Goulart, o do seu vizinho, ou daquele seu tio. O amor que nos disseram ser o da Branca de Neve, esse, sinto muito, só se crescer como a trepadeira.

A trepadeira busca a luz, mas precisa estar apoiada em algo. Como o amor, ela pode crescer para sempre, se tiver uma parede que a leve em direção ao sol. E não é assim que construímos relações felizes? Ora você será a parede, ora a planta, mas terá de ter alguém para se escorar, e alguém onde possa se apoiar. É preciso ser forte juntos, é preciso encontrar a mesma luminosidade e, palmo a palmo, de mãos dadas, caminhar em direção a ela.

Os bebês fazem isso muito bem. As mães acham que os amam loucamente, que os ensinam a crescer e que os formam como pessoas. Mas é num instante, quando uma pequena criança toma um tombo e mostra todo o seu amor e veneração pela mãe, esticando os bracinhos, que nos damos conta: Ele me ama! Pobre bebê, não sabe que não faço ideia do que estou fazendo, não sabe que tenho tantos medos e inseguranças, não sabe que como chocolate escondido, que devo ao banco, que estou com gastrite, mas não se importa. Escora-se em mim e, em busca do que para ele é a luz, cresce. Apoia-se na parede firme que sou e fica mais forte, mais seguro e mais feliz. Quando nos damos conta, somos nós, frágeis e inseguras, que nos apoiamos na segurança deles: parece que levam tanto jeito para pegar a colher sozinhos, ou para dar um passo sem apoio, deixemos. E lá estão eles, nossos filhos e filhos do mundo, sendo a nossa parede firme, onde crescemos e os libertamos, ave rara e forte. Voe meu amor, voe em direção à luz, somos, aqui, parede ou planta, frieza ou natureza, não importa.

Quando nos damos conta, construímos o amor, sem muita façanha, sem adubos miraculosos ou sem truques cansativos. Quando nos damos conta, foi o tempo, a parede, a luz, que fizeram o trabalho, e lá está a planta, sem planos de parar, tornando infinito e belo o que era só banal.

Comentários

fernanda disse…
E eu sempre gostei dessa planta de graça. Mas agora eu sei que não era de graça...
Anônimo disse…
Oi,
eu não sabia como definir o amor assim como diz a musica "se perguntar o que é o amor pra mim não sei responder não sei explicar..." mas agora eu sei o amor é uma trepadeira excelente metafora parabens
Marilza disse…
Sempre gostei dessa planta que nasce, cresce arraigada, mas nunca fiz esse tipo de analogia. Gostei! Nada como enxergar o amor sob outro prisma.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …