Pular para o conteúdo principal

O SILÊNCIO TANGE O SINO:
UM LIVRO QUE SE ANTEPÕE AOS ALARDES
>> Leonardo Marona

(Ateliê Editorial, 2010, 80 p.)

Toda a infelicidade dos homens
nasce na esperança.

(Camus)


Depois do grito, vem o silêncio. Mariana Botelho é a primeira pessoa que entendeu a expressão de forma poética. Pelo menos, é ela a primeira pessoa que fez isso para mim. Porque outros, talvez, me causassem a mesma sensação: Paul Celan, Tsvetaieva, Georg Trakl. Mas destes podemos dizer: muito bem, estão no centro do mundo, passaram por guerras concretas, anunciadas pelo rádio, por bombardeios, e o silêncio deles é, na verdade, o silêncio de quem morde um pano para não gritar. Mariana gritou em volume altíssimo, depois sentou para escrever o que restou deste grito. Porque para fazer com que o silêncio diga algo – e o silêncio só poderá dizer algo que seja fundo como o fundo do oceano – é preciso antes ter havido uma rachadura, como diz Mariana, um corpo feito de aberturas / onde / silêncios entram / saem / como águas de longe, uma rachadura profunda onde chegará o silêncio, onde o silêncio por fim ecoará através da experiência prévia do barulho, e dentro de nós este será um silêncio trêmulo, não um silêncio que diga "veja quanta paz!", mas um silêncio que envergonha a paz e geme feito bateria descarregada depois da ultracarga insuportável: nosso silêncio / e enfim / o colhemos // maduro // mas não domesticado. É um silêncio mais raro que vem dos sopros leves de Mariana: “pássaro de pedra, num voo de morte”. Ela conhece o engano do mundo, o falso-apaziguado em cada um de nós. O mundo todo mente / quando faz silêncio // essa paz não existe. Ler Mariana é se deparar com nossas próprias vergonhas: vergonha de não ser verdadeiramente, de não saber pertencer à paisagem, de não seguir o ritmo das águas. Mariana, quando nasceu, causou no chão duro do Jequitinhonha uma rachadura, e nessa rachadura depositou sua lágrima original. E a poesia nada mais é do que uma lágrima original dentro de uma rachadura.


O mais estranho é imaginar que estou aqui, tentando escrever sobre o impacto de um livro de poemas, e que, ainda por cima, sei que o poeta que escreveu esses poemas também está fazendo alguma coisa, neste exato momento. Será um novo poema? Pouco provável. Mesmo sem conhecer Mariana pessoalmente, tendo falado com ela algumas vezes através da tecnologia moderna, imagino que ela agora esteja fazendo algo minucioso, algo que se exploda num espaço pequeno, algo que, achatado pelo gigantismo de pertencer, nos abala em frases proféticas. Por exemplo, ela pode estar enxugando a louça, tirando as roupas brancas do varal. E que sorte teria essa louça! Como seriam bem acolhidas as roupas do varal! Para alguém como eu, que vivo no caos, fico calmo no caos, me atiço no caos, ver um pouco do que poderíamos chamar de “relação honesta com a natureza do espaço” é quase como um homem, cuja perna se despedaçou na explosão de uma bomba, ver chegar a ambulância. E as visões mais turvas da nossa alma, aquilo que a preenche, em suma, ganha a força de uma profecia. E a profecia em Mariana Botelho é algo que se dá pela força da constância plácida, da indiferença em relação às carrancas afetadas do desespero terreno. E ela sabe que quando alguma coisa produz silêncio / ela está / pronta.


Agora, nada é calmo ali, eis a contradição saudável: o silêncio agitador. Imaginem um tsunami, desses que matam pessoas, varrem civilizações. Olhem bem para ele, a maneira como passa quase em câmera lenta, um bloco d’água quase estático, numa velocidade tão segura que não precisa de muito torque. É algo que passa, independentemente de nós, mas é tão elegante, ritualístico, sem exageros, que quase nos sorri, quase nos explica alguma coisa que, no fundo, não podemos entender, porque esperneamos, porque gritamos e somos loucos, porque para sentir amor precisamos atiçá-lo, e por milhões de outros torpes motivos que nos impede de, bem no fundo, por mais que tudo esteja perdido e seja tudo uma injustiça, poder odiar o tsunami, porque ele é um aviso antigo, a comunicação mitológica de uma linha interrompida.

Desculpe, Mariana, minha tendência aos exageros mais toscos. Mas quando leio os teus textos me parece que existe uma harmonia natural entre as palavras, algo que, sem metáforas, arrancaríamos como blocos das paredes milenares, das grutas submersas, e faríamos apenas emergir a palavra eterna. Você mesma – eu mesmo, de certo modo, agora – deve imaginar como é possível que exageremos tanto. Mas se formos mais além e pensarmos mais a fundo, veremos que o exagero da alma, causado muitas vezes por contenções latentes, é a maior dádiva que a arte pode criar. E nada nos deixa mais conscientes de estarmos vivos do que a dor.



Comentários

Lindo título do livro da poeta e perfeita homenagem de um raro e requintado escritor...
Léo, ler alguém escrevendo apaixonadamente sobre um livro me dá o mesmo prazer de ver um casal de apaixonados se beijando no meio da rua.
Anônimo disse…
nao gostei deste textro orrivel que nojo

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …