Pular para o conteúdo principal

DE ONTEM PARA HOJE >> Carla Dias >>

Olhando para trás, mas com um olhar fresco de adulta assumida – mas nem tanto -, encontro-me com quem fui com certo zelo. Aquela pessoa lá era eu? Era sim... Passeando na Feira Hippie do Paço Municipal de Santo André, aos sábados, onde comprava brincos e pulseiras, e camisetas de bandas e cantores que adorava. Ela teve uma da Janis Joplin com uma foto famosa, mas que causou um alvoroço em casa. Onde já se viu usar camiseta com estampa de mulher vestindo apenas colares?

Naquele mesmo lugar, eu às vezes passeava, durante a semana, com os amigos do trabalho, depois de encerrarmos as funções profissionais. Sentávamos nos bancos, batíamos papo durante horas, passando por banalidades e chegando às questões existenciais. E depois, íamos até a padaria, logo ali, porque precisávamos de um café para reorganizar os pensamentos.

Também ali tive meus momentos de contemplação urbana e namoro... O Paço era point dos namorados. Não sei se ainda continua... E assisti a filmes que não passavam no cinema, numa sala pequena, no mesmo prédio do Teatro Municipal, com trinta ou quarenta cadeiras, com um telão ruinzinho, mas que nos oferecia obras fantásticas, como Delicatessen, um ótimo filme que me impactou, fez-me gostar do cinema de humor negro.

Ali também morava a biblioteca que me despertou para a leitura. Eu passava horas lá dentro, fuçando em tudo, antes de escolher três ou quatro livros para levar comigo para casa. Quando me mudei de Santo André, senti uma falta enorme da biblioteca, de ver as pessoas entrando e saindo do prédio, carregando os livros escolhidos, e de conversar com as bibliotecárias, que me indicavam livros.

No Paço Municipal de Santo André, lá no estacionamento, no projeto Rock in Rua, toquei com a minha banda, e o show foi bacana, o público fantástico. A segunda banda faltou, então tivemos de tocar duas vezes, porque nosso repertório ainda era limitado, porque tínhamos acabado de nos reunir. E preciso dizer que é mesmo uma delícia tocar rock’n roll, e nosso repertório tinha Casa das Máquinas, Made in Brazil, Rolling Stones...

Lembrei-me assim do Paço Municipal de Santo André – e do que vivi por aquelas bandas -, porque foi lá na Feira Hippie que comprei uma camiseta de uma banda que eu adorava. Na época, eu ajudava um amigo de Jaú com o material de um fã-clube, colecionava discos, descabelava-me com a possibilidade de, um dia, em um futuro mega distante, assistir um show deles. E, naquela época, o futuro era bem lá no futuro mesmo.

Minha mãe me lembrou da camiseta: preta, com a cara do Bono Vox estampada, eu não tirava a tal do corpo. Ela se lembra claramente de quando eu tentava tocar Sunday Bloody Sunday na minha bateria dourada, lá em casa.

Então, quando contei a ela que iria ao show do U2, ela ficou tão feliz quanto estou agora. Porque hoje, finalmente, vou realizar um sonho que tinha deixado na gaveta, junto com lembranças que valem ser revisitadas. E me senti aquela menina passeando no Paço Municipal de Santo André, aquela que eu fui, mas tinha esquecido ter sido.

Comentários

Carla, só posso desejar que seja um show maravilhoso e que você tenha uma boa história para contar sobre ele semana que vem. :)
Carla...
Estou aqui torcendo para que você viva intensamente cada momento da menina que você foi e que, no fundo, brinca com você todos os dias, feito o menino do Milton Nascimento.
Beijos
Fernanda Arruda disse…
que legal, Carla, aproveite muito, eles são demais, também sou fã!!!

ah, e eu tbém tive uma adolescência meio hippie, assim como você, parece que ficou lá atrás, no passado distante, mas acho que fácil fácil esse jeito de ser vem a tona viu :)

beijo!
albir disse…
Carla,
fico aqui acompanhando seus passos musicais e torcendo para que você não se esqueça de registrá-los. Beijo.
fernanda disse…
Ai, Carla, acho que merecemos um relato pós-show da menina do Paço Municipal de Santo André. Beijos!
Carla Dias disse…
Eduardo... Foi um daqueles shows inesquecíveis, sabe? Tô sem fôlego até agora : )

Marisa... Vivi cada momento intensamente, e aquela menina que fui me cutucou até ontem, durante o show. Acho até que resolveu ficar por perto mais um tempinho. Beijos!

Fernanda... Aproveitei, mas tive de refazer minha lista de desejos e pedir para ter uma chance de assisti-los em uma casa de shows beeeeem pequena : )
Não se tira uma adolescente hippie de uma menina adulta... Nossas meninas ainda moram em nós, sabe? Beijos!

Albir... Tá aí um esquecimento que não chega nem perto de mim... Beijos!

Fernanda... Tive de escrever o relato! Confere lá: http://talhe.blogspot.com. E a menina parecia que estava no show no estacionamento do Paço Municipal de Santo André : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …