Pular para o conteúdo principal

INDIGNAÇÃO [Debora Böttcher]

Na semana passada, eu escrevi sobre pessimismo. E sobre o que escrevo hoje depois da tragédia de quinta-feira, no Rio de Janeiro? Nada me vem à mente... Meu coração acelera quando penso nas famílias que perderam suas crianças pelas mãos de alguém tão frio, sem qualquer compaixão - como alguém é capaz de olhar para os olhos de uma criança e atirar contra ela? E repetir isso incontáveis vezes?!

Confesso que nem li ou assisti a todas as informações dos noticiários - é tudo muito terrível e doloroso demais -, mas o que vi e ouvi foi pra lá de suficiente para estarrecer meus sentimentos.

E como especialistas justificam tal barbárie? Pelas brechas da loucura? Afinal, como explicar algo assim? Você consegue? E como é possível que alguém planeje e cometa uma atrocidade desse porte, sem que ninguém ao seu redor se dê conta?

Alguém vai dizer que a 'ocorrência' não é tão rara, quando a gente olha para os casos no mundo - os portais de notícia de hoje anunciam que um homem cometeu algo semelhante num shopping na Holanda. Em São Paulo, há alguns anos, vivenciamos um tiroteio numa sala de cinema e também numa cidade no interior do estado. Alguém pode dizer que são casos isolados no país. Então tá. E mais uma meia dúzia de 'casos isolados', a gente se acostuma com algo que é sem precedentes. É assim mesmo que acontece: o ser humano parece perder a capacidade de se indignar quando algo vira estatística. Vê tudo pela TV e passa a achar notícia banal, miragem, muito longe da sua realidade. Será mesmo?

Minha avózinha nem mencionaria o fim dos tempos ante tanta crueldade. Eu consigo vê-la sentadinha num canto qualquer da casa, impotente para dizer qualquer coisa...

Eu também me sinto impotente... E sem querer incomodar a enorme dor das famílias desses tão queridos inocentes, registro minha raiva, minha profunda indignação, meu horror. E dizer que, NÃO, EU NUNCA ME ACOSTUMO. E você?

Comentários

Bruna Okubo disse…
Realmente é muito triste e impossível se conformar com tudo isso. A sensação de impotência faz-se absurda perante tal situação.

Resumidamente falando:
http://moradadosduendes.blogspot.com/2011/04/apenas-um-minuto.html
Debora, tive que escrever uma crônica para lhe responder. :)
Anônimo disse…
Pois é, Debora, a gente vai perdendo, como já disse alguém (um poeta?) a capacidade de se indignar. E acaba se acostumando. Só quando a coisa é nosso quintal, é que se sobressalta; mas daí pode ser tarde demais. Abraço.
Pedro
rivani disse…
E muitos absurdos iram acontecer,a minha querida vovo tem razão: È fim dos tempos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …