Pular para o conteúdo principal

LIBERDADE PARA PLAYSTATION >> Clara Braga

Liberdade, para mim, é dividida em fases, assim como um jogo de videogame. E nós vamos passando das fases mais fáceis para as mais difíceis até chegarmos no chefão.

As fases mais fáceis são as que passamos quando pequenos, como aprender a falar, andar etc. Quando crescemos, os desafios crescem também. Continuamos eternamente aprendendo a falar e andar, e começamos a encarar chefões como achar empregos bem remunerados e sair de casa para morar sozinhos.

Todo mundo passa por essas fases em algum momento, alguns com mais facilidade que outros, mas no final todo mundo ama o gosto gratificante da vitória.

Quando eu tinha meus 10, 11 anos de idade, eu e minhas amigas tínhamos um jeito simples de nos sentirmos livres. Nós íamos ao shopping sem nossos pais (em uma época em que não existia celular para eles ligarem perguntando se estava tudo bem), e íamos assistir filmes para maiores de 16 anos, já que nessa época também não conferiam idade na carteirinha na porta do cinema. E lá ficávamos nós, assistindo a filmes que nos deixavam sem dormir por uma semana, mas nos sentindo grandes e livres.

Foi nessa época que filmes como Eu sei o que vocês fizeram no verão passado e Pânico 1, 2 e 3 entraram na minha vida. E exatamente por esses filmes terem marcado uma época da minha vida eu não poderia deixar de assistir a mais nova estreia do primeiro filme de uma nova trilogia de Pânico, Pânico 4.

Verdade seja dita, é difícil dizer hoje em dia que Pânico dá medo depois de tantos filmes que já o satirizaram. E uma década depois, os crimes que acontecem na vida real, no nosso dia a dia já estão piores que os crimes do filme. Sem contar que é cômico, após três filmes, todos os assassinos terem matado metade do elenco, terem morrido, mas nunca terem conseguido matar quem eles realmente queriam. Por essas e outras, o diretor não teve escolha, teve que vestir a camisa e assumir que teria que trocar o terror pela tragicomédia.

Em muitos momentos, o filme é engraçado, satiriza o próprio Pânico e todos os outros filmes de terror que têm continuações inacabadas. Mas não dá pra dizer que não assusta, já que eu e mais uma das pessoas que foram comigo preferimos dormir com o telefone desligado, pra evitar uma ligação do Ghostface. E o outro esqueceu que tinha deixado a luz da cozinha de casa acesa e achou por um momento que alguém tinha entrado na casa dele.

No mais, a única coisa que realmente surpreende é a revelação de quem são os assassinos. Mas eu achei muito curioso a hora em que um deles vai explicar o motivo das matanças e diz que fez o que fez porque queria fama, queria ter um filme sobre ele. Bem parecido com uma das coisas que o já famoso Wellington Menezes disse em uma das justificativas do massacre de Realengo. No final das contas, será que é a arte que imita a vida ou a vida imita a arte?

Comentários

por Rapha C.M. disse…
Acho que a mente absorve o que mais se parece com sua essência....
Um BÇ!
Ah, Clara, você me enganou. Pensei que ia falar de videogame e acabou falando de filme de terror. :(

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …