Pular para o conteúdo principal

PESSIMISMO COTIDIANO [Debora Bottcher]

Nos últimos tempos, as notícias dão conta apenas de tragédias: tsunamis, terremotos, enchentes, deslizamentos de terra, assaltos, assassinatos, sequestros, falências, suicídios, corrupção, guerras, doenças, destruição ambiental, separações - a lista é interminável e o mundo parece um território de desolação em seus quatro cantos.

Atualmente, morando numa pequena cidade nos arredores da capital, em dias em que tenho que ir a São Paulo (hoje, por exemplo), sinto um curioso desconforto, quase um medo.

Beira como uma constante sensação de sobressalto, como se algo estivesse à espreita, pronto pra acontecer ao menor descuido. E a ilusão maior é pensar que, estando atentos, poderemos evitar o eventual mal...

A verdade é que não estamos seguros em nenhum lugar - no máximo em casa, às vezes nem nela! - e isso incomoda um pouco. A liberdade de ir e vir anda totalmente cerceada - nem mesmo nos shoppings, em outras eras considerados intocáveis, as pessoas conseguem se sentir tranquilas atualmente. E quando você ouve no noticiário que um rapaz que estava casualmente lendo um livro numa livraria é alvo de um louco que o ataca sem razão com um taco de beisebol, fica impossível relaxar.

Minha avó diria que esses são sinais do fim dos tempos. Eu, uma pessimista nata, acho mesmo é que o mundo todo se desgovernou, perdeu o eixo, se desorientou. E que, me perdoem, isso tudo que se escancara, ainda não é o pior - assistiremos coisas ainda mais terríveis.

A nova (e bonita) propaganda da Coca Cola, que anda circulando na TV, mostra alguns exemplos de otimismo, e termina dizendo que 'os bons ainda são maioria'. Acho muito válida (e necessária) essa exaltação ao bem, e tento me convencer de que a mensagem não é só fundo de 'comercial margarina', mas meu coração continua batendo fora de compasso toda vez que me pego lendo, ouvindo ou assistindo sobre os acontecimentos cotidianos. E quando a gente ouve alguém comentar que, nos dias de hoje, é até compreensível alguém se suicidar, pensa que há mesmo algo muito errado com tudo...

Comentários

Por isso, Debora, tenho racionado meu tempo diante de emissores de notícias: para não matar minha esperança de (des)ilusão. Porque também há muita coisa boa acontecendo no mundo, coisa que não é notícia. Como cantava Léo Jaime, "os melhores momentos do mundo não são manchetes no jornal". Muito bonito o comercial. Ficaria perfeito se trocasse a coca-cola por um copo de suco. :)
Louro Neves disse…
Ando dizendo atualmente aos meus pares que não assisto mais aos programas policiais; e quanto aos telejornais, só assisto a eles do meio para o fim. Mas percebo que quando estou a dizer justamente isso, alguém logo se põe a concordar comigo dizendo que jornal só tem mesmo é violência e faz questão de citar um exemplo. É um porre!
Débora, é bom saber que você pensa assim. Esse mundo parece que está na UTI, mai ver que é mesmo o fim.
albir disse…
Verdade, Debora. E se o suicídio é compreensível, que se dirá do pessimismo?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …