Pular para o conteúdo principal

EU TE DOU... VOCÊ ME DÁ? >> Carla Dias >>

Toma lá, dá cá é uma força da natureza. A gente doa: tempo, dinheiro, amor, sonhos etc, mas espera, sim, o retorno. Mesmo na bondade, há essa espera. Faz-se o bem esperando que aquele que o recebe se torne alguém melhor: toma lá, dá cá. Mesmo que o esperado não seja para benefício próprio, ah, a espera... Esperamos, sim, pelo feedback.

Por isso os pedidos por retorno me endoidecem. O toma lá, dá cá pode ser bacana, mas perde o charme e se torna irritante quando se transforma em exigência. Antes, esse escancaramento era apenas profissional, para quando fosse necessário lutar para conquistar o resultado almejado. Enfim, a boa e velha barganha... Ou seria diplomacia? Não sei, porque, neste aspecto, as coisas se confundem.

Hoje em dia, não há a espera pelo retorno de uma doação. Há, sim, a exigência disfarçada, como quando alguém diz que colocou seu nome em um artigo publicado em um blog qualquer, então você “tem” de retribuir incluindo o link em tudo quanto é rede social da qual faça parte, clicando em “curtir”, endossando algo que você só conhece porque colocaram seu nome lá. Não foi sua a escolha de apreciar esse espaço. Não foi o seu desejo a parar nas prateleiras virtuais.

Quando se tem um interesse em comum, até existe uma conexão, uma necessidade de troca. Mas quando usam o que você já construiu para se construir, quando o “dá cá” é inexistente, bom, não seria um opcional? Aliás, endossar algo tem de ser completamente opcional, seja lá por qual motivo.

Com a disseminação dos ícones, veio também a sensação de que, se você é incluso em algo, deve clicar e participar, senão se transformará num belo de um ingrato.

Sabe qual é a delícia do toma lá, dá cá? A surpresa... Sabe quando você faz um pequeno gesto e a pessoa lhe devolve um grande sorriso? Quando você dedica a sua vida a uma realização, e alguém se sente tocado pela sua ideia e o ajuda a realizá-la? Quando a história da sua vida vale um editorial escrito com respeito, com verdadeira admiração pelo que você construiu e quem se tornou? Quando você beija a bochecha rosada de um bebê e ele gargalha baixinho? Quando você ajuda alguém que realmente precisa, e ele volta, muito tempo depois, apenas para dizer “estou bem”?

Não clico em ícones porque sim. Não curto o que não me toca. Não devolvo o que jamais recebi. Há alguns anos, dizia a mesma coisa, mas usava aquele termo, sabe? Jogar confetes... Não jogo confetes por jogar. Quando o faço, é porque a outra pessoa merece a festa, a celebração.

Eu te dou o direito de escolha... Você me dá?


carladias.com


Comentários

Fê Miceli disse…
Achei muito interessante o tema abordado por vc e nada mais é do que acontece com tds nós o temmpo td. Somos cobrados pelo que fazemos e pelo que não fazemos tb. Se a gente liga para alguém, alguém liga de volta. Agora, se não ligamos, a pessoa nunca mais liga. Tudo bem, na maioria das vezes tratamos as pessoas como elas nos tratam. Mas isso deveria ser um parâmetro. Apesar disso, deveriamos fazer aquilo que tivéssemos vontade, independente da atitude do outro. Mas pena, isso não acontece...

Adoreiiiiiiiii!!!!!!!!!!!

Bjs
Carla, essa foi mais uma da série "Quem aí não passou por isso?" :)
Carla, sempre tirando preciosidades desse seu raro talento. Mas vamos combinar? Eu comento agora e semana que vem você nos dá outro texto. :)
Bjs
Carla Dias disse…
Fê... Concordo que é tema recorrente da vida de todos, mas às vezes precisamos nos lembrar disso, para não nos acostumarmos com a rédea curta das exigências descabidas. Eu acredito em bom senso, mas me rebelo quando se trata de abuso, sabe? Quando a outra pessoa quer tudo só para te deixar com nada. Beijos!

Eduardo... Isso mesmo... A coletividade do incômodo.

Marisa... Obrigada pela gentileza. E combinado! Semana que vem eu lhes dou outro texto. Beijos!
albir disse…
Carla,
mais um texto imprescindível, que me devolve generosamente até o que não enviei. Parabéns de novo!
Carla Dias disse…
Albir... Você sempre gentil com as minhas doidices literárias. Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …