Pular para o conteúdo principal

O MOTORISTA FRANZ KAFKA
>> Leonardo Marona

Hoje o motorista do meu ônibus era Franz Kafka. Não era tão magrinho quanto o nobre inseto-literato. Era um Kafka perfeito, um Kafka com aquelas orelhas de abano e aquela hesitação peculiar, os olhos gigantescos e vidrados, mas que não poriam medo a um inseto. Eram, afinal, os próprios olhos gigantescos e vidrados de um inseto entre a parede e a sola da bota. Mas era robusto, com os cabelos de escovinha arrastados violentamente para trás da cabeça triangular, as fundas covas por trás dos olhos sobressaltados, uma exasperação a cada passageiro que entreva no veículo: "Desculpe... perdão... eu quero dizer... acabei que me...", apenas para dar o troco da passagem.

E pensei: o pobre Franz, se fosse motorista de ônibus e não escritor, seria um gênio maior, como era aquele motorista Franz. Porque nada estava tão fora do lugar para aquela personalidade quanto a força bruta de uma brusca virada em curva, com todo aquele peso controlado por seus punhos trêmulos, e ainda assim o rosto impassível, a fronte sudorenta — e os pensamentos em quantas igrejas góticas, quantas cartas mal escritas, quantas Pontes Carlos onde velhos senhores rasgam nossos corações com realejos...

No entanto, ali estava um homem simples, assustado, mas do susto que todos os que carregam nas costas um mundo que não é o seu se assustam. Franz teve mais sorte: renegou o mundo que não era o seu e aceitou o peso nas costas de seu próprio mundo. Mas aí não aguentou. A volta do pêndulo esmagou sua cabeça de encontro aos seus próprios muros erguidos. O mundo que era seu ele não podia suportar tampouco. E isso, meus amigos, chama-se deslocamento de si. Porque se suportamos o que não nos importa e não nos afeta, mesmo que seja pesadíssimo, suportaremos, enfim, sem reclamar, porque aquilo não estará, de fato, em nós. Mas conforme aceitamos um mundo ao qual nos sentíamos fadados, mesmo que nunca preparados, e reparamos que este mundo, que é nosso mundo, o mundo, digamos, de nossa alma, este mundo nos pesa mais do que qualquer peso do que não seria o nosso, e o que é nosso, contrariando a nós mesmos, se torna insuportável para nós. Então construímos portas intransponíveis de castelos, igrejas góticas nas imensidões do sentimento, tribunais invisíveis como um jogo de fantoches, e então viramos Franz Kafka, o magrinho, o anti-herói. Mas imaginem se Franz tivesse suportado seu próprio peso, quantos milhões de pessoas não teria liderado em direção à força de sua autoconfiança, quantos homens magrinhos e melancólicos não deixariam de meter o cano da arma na boca ou atrás da orelha?

Mas a certas personalidades, por algum tipo de obra sobrenatural (sempre tendo em vista que o sobrenatural está aqui, que em nós ele está), não é simplesmente permitido acumular forças. A equação é indigna, tão parecida com tudo que nos rege: aos com muita intensidade e pouco estômago, a intensidade corrói o fígado, ao passo que o peso do marasmo esmaga a cabeça. Já aos com pouca intensidade e muito estômago, feijão com arroz e algumas cabeças de porco não farão mal, e eles aguentarão o peso do mundo.



Comentários

Ah, Léo! Você trouxe um texto falando do meu escritou preferido, depois de você e de todos aqui do Crônica, claro!...:) Mas é muito lindo ver você escrevendo sobre Kafka, logo você que eu acho que estudou na mesma escola que eles. :)
Beijos
Quase divertido esse Kafka dos trópicos. :)
Adorei o blog e as crônicas! Já estou seguindo. Vou postar algumas crônicas de vocês no meu blog e indicar a fonte para divulgar.

Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …