Pular para o conteúdo principal

CELEBRAÇÃO E AGONIA COM BEETHOVEN
[Ana Gonzalez]

Oh, amigos, mudemos de tom!
Entoemos algo mais agradável
E cheio de alegria!


Com esses versos, Beethoven nos convida a ouvir o quarto movimento de sua Nona Sinfonia. Um convite a outros tons diferentes dos que eram ouvidos então. E os sons que ele nos oferece nos movem a um espaço divinamente inspirado. Essa sinfonia é uma daquelas composições geniais que mexem com minha imaginação.

Há duas ou três semanas, assisti a uma palestra sobre essa peça musical. Preparei-me para ela com ansiedade, embora naquele momento eu talvez não soubesse bem o que eu queria.

Acompanhei uma interpretação geral da obra e informações a respeito do contexto em que ela foi realizada, além de conceitos técnicos sobre a forma musical que a caracteriza.

Perceber detalhes de sua composição e do contexto em que ela apareceu, entretanto, pouco ajudou a esclarecer sua grandeza. Por que será que quando recordada pela memória, nos lembramos apenas do tema entoado pelo coro com versos de Schiller, a Ode à Alegria, como se todos os outros movimentos não merecessem senão o lugar de uma introdução meio longa a esse quarto movimento?

As informações da palestra indicavam que seus três primeiros movimentos constroem um arco de tensão que somente se resolve no último. Talvez essa explicação justifique o que sinto ao ouvi-la. Uma tensão que não se resolve. Uma montagem de significados que se elevam, deixando-me no vácuo, à espera.

Tal explicação caiu como um bálsamo para algumas das minhas questões. Fico muda perante essa obra genial. Que força da natureza humana possibilita a construção de tal obra? Nada pode me dar essa resposta.

Tinha permanecido forte a impressão do arco de tensão que se alonga sem solução. Uma sustentação à espera, ansiando por algo, que nos enlaça do alto, de um obscuro vão quase a escapar de um perigo. Uma salvação? Pode ser essa a sensação que temos ao ouvir o quarto movimento. Solar nascimento, uma luz depois de uma travessia na escuridão.

Talvez nem se justifique a tentativa de encontrar explicação para esse arranjo musical. Bastaria talvez eu me apoiar no chamado à fraternidade entre os homens que mobilizou o compositor. Esse ideal que conduziu Beethoven à inspiração seria suficiente para me fazer alcançar o repouso.

Mesmo assim, seja pela harmonia cantante de sua melodia, seja pelos versos romanticamente mobilizadores de Schiller, o milagre da composição fica incólume. Inatingível. A complexidade desse mistério ultrapassa minha capacidade de compreensão. Só me sobram inquietações que não se aplacam, a obra e sua fruição.

E talvez ainda uma frase do palestrante, quase desafio, novo redemoinho a me incomodar: “Pena não termos mais o privilégio de ouvi-la pela primeira vez”. Ai, que certamente o registro dessa audiência privilegiada está perdido na memória. Como teria sido a primeira vez em que ouvi a Nona Sinfonia?

Comentários

Anônimo disse…
vamos aguardar.
quem sabe algo novo aparece no horizonte.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …