Pular para o conteúdo principal

O PIANO >> Fernanda Pinho



E então eu estava novamente no meu quarto com piso de taco, parede rosa e cortina branca com casinhas vermelhas. A cama de cerejeira já estava danificada pelas figurinhas do álbum da Xuxa que eu decidi colecionar na cama, e não no álbum. A cama estava no meio do quarto, como esteve até minha irmã nascer. E, ao seu lado esquerdo, meu brinquedo preferido. Amei muito minhas panelinhas, minha bicicleta, minhas Barbies. Mas nada que se comparava ao que sentia por ele, meu pianinho de cauda. Era lindo, uma miniatura perfeita de um verdadeiro piano de cauda branco. Ao revê-lo, corri para perto dele com a euforia de quem vê um amigo sumido. Sentei em seu banquinho e, embora já com 1.80m de altura, fiquei perfeitamente acomodada. Pena que ao tocar numa das teclas acordei. Mas acordei feliz com o reencontro, embora tenha durado tão pouco. Sonhei com meu piano pela primeira vez, em mais de duas décadas. Provavelmente, alguma parte adormecida do meu inconsciente despertou depois que encontrei na academia uma amiga da minha mãe que frequentava muito a nossa casa, naquela época. Ela foi uma das tantas pessoas que presenciaram minha relação de afeto com o pianinho. Passava horas diante dele, batendo em suas teclas sem a menor harmonia. Minha mãe, sempre fascinada com piano, nem se irritava com o barulho. Achava lindo que, desde tão cedo, eu já tivesse descoberto uma vocação.

Quando fiquei um pouco grande demais para um piano em miniatura, minha mãe me matriculou numa escola de música, para aprender a tocar num instrumento de verdade. O professor era o Pedro, um músico virtuoso que ensinava todos os instrumentos para as crianças do bairro. Minha primeira tentativa de ser uma pianista de verdade durou exatos três meses e tudo o que aprendi foi a primeira parte de Pour Elise. Digo "aprendi" por falta de termo melhor. Aprender eu não aprendi coisíssima nenhuma. Nem mesmo a excelente didática e a paciência de monge do professor conseguiram enfiar na minha cabeça os significados de cada símbolo da partitura. Na minha cabeça só existia: tecla preta, tecla branca, mindinho, anelar, dedo médio, indicar e polegar. Tudo o que eu fazia era decorar a sequência. Mindinho branca, anelar preta, polegar e indicador brancas e assim por diante. Ficava tão concentrada no meu método que mal conseguia ouvir a melodia que eu produzia. Por fim, cansei e pedi pra sair.

Minha mãe, claro, achou que fosse só uma crise. Afinal, eu era um talento. Nasci amando piano, não poderia desperdiçar minha vocação. Algum tempo depois, lá estava eu de volta à sala do Pedro. A segunda tentativa durou menos ainda: um mês. Decorei mais umas sequências de dedos e teclas e já podia tocar Carruagens de Fogo. Mas o que me interessava mesmo na escola de música era ver os alunos das aulas de bateria. Eu chegava a invejá-los. Mais por vontade de não tocar piano do que por vontade de tocar bateria. Consegui escapar mais uma vez. Só que a vida não é assim tão simples e houve uma terceira tentativa. Dessa vez durou um único dia e então eu me rebelei. Era preciso verbalizar, já que ninguém parecia compreender: eu não gostava de tocar piano, eu não me interessava por piano, eu não tinha paciência para piano e, mais que tudo isso, eu não tinha talento para o piano. Mas onde foi parar aquele amor todo pelo pianinho de cauda? Foi aí que eu entendi a origem de todo o mal-entendido e tratei logo de esclarecer: eu amava meu piano de cauda porque imaginava que ele era uma máquina de escrever.


Foto: http://www.sxc.hu/

Comentários

Ah, Fernanda... Que peça que você me pregou. Belo final, bela reviravolta. Perfeita condução do leitor. :)
Paula - irmã disse…
Você se esqueceu de ressaltar o tamanho do banquinho do piano... Isto sim, ficou na minha memória!
(...)
Mtoo boa a crônica. Não é a toa que vc achava que o pianinho era uma máquina de escrever. Escrever sempre foi sua verdadeira vocação!
Bjos
Sá Luz disse…
Sofri exatamente o contrário quando decidi que seria uma guitarrista. Primeiro quis passar pelo violão e para isso, entrei em um curso de Teoria musical na Ordem dos Músicos. Fiquei fera na teoria, inclusive uma das únicas da turma a conseguir passar para o instrumento, mas não tenho coordenação motora suficiente para trocar de nota tão rápido. Aprendi a tocar meia dúzia de músicas e desisti do curso. Admiro todos instrumentistas, mas principalmente bateristas. Santa coordenação motora!
Não basta querer trocar de "instrumento", tem que ter vocação. Nunca te ouvi tocar piano, mas para escrever, posso garantir que você toda vocação necessária.
Você conseguiu me emocionar, quando li a última frase, me arrepiei toda. Excelente, parabéns. Para escrever não restam dúvidas de que tem muito talento.
Sua mãe não estava de todo errada. A harmonia da sua escrita é tão linda e delicada que o texto é uma música, daquelas que a alma gosta de ouvir. Eu nem tenho palavras pra dizer o quanto seu texto é lindo e tocante, tão tocante quanto o seu pianinho de cauda.
albir disse…
O que a música perdeu, ganhamos nós seus leitores.
Jujú disse…
Ahhhh, vc me pegou! rs

Amiga, o mais lindo é que vc sempre soube...vc é escritora desde sempre!

BEijooooooooos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …