Pular para o conteúdo principal

A HORA DA RECOMPENSA >> Fernanda Pinho


A gente aprende o que é recompensa desde criança. Meus pais, que nunca foram as pessoas mais pacientes do mundo, sempre foram dados a isso. Um jeito, talvez, mais simples de resolver as coisas. "Se não escovar os dentes, não vai ver desenho". "Se não fizer o dever, não vai brincar lá fora". "Se as duas não pararem de brigar, não vamos na casa da vó". "Se não comer tudo, não vai ganhar um real". Essa última, e mais absurda, aliás, era frase recorrente lá em casa. Não para mim, que nunca tive tino empreendedor e sempre comi muito bem e de graça. Mas para minha irmã que, muito mais esperta que eu, logo passou a tirar proveito da situação e a valorizar o momento da refeição.

Eu, embora não tenha me aproveitado muito do jogo de troca, acabei trazendo as recompensas para minha vida adulta e, hoje, eu jogo comigo mesma. E, acreditem, sou bem fiel às regras que eu mesma estabeleço. "Se eu conseguir escrever cinco matérias hoje, vou comer um Big Mac". "Se essa semana eu for na academia todo dia, posso comer uma caixa de bombom inteira". "Se eu conseguir ser paciente com o cliente chato, vou num rodízio de pizza".

Perdão, gente. Minhas trocas não têm a ver apenas com comida, mas agora eu estou com fome e não estou conseguindo focar em outra coisa. Mas vocês sabem, o que a gente quer na vida é muito mais que Big Mac, caixa de bombom e pizza. No fundo, o que a gente quer mesmo é a recompensa derradeira. Amor. Aliás, no meu caso, nem é no fundo, é no raso mesmo. Que a querência já tá é transbordando. Tem uma frase que diz que "as pessoas ficam procurando o amor como solução para todos os seus problemas quando, na realidade, o amor é a recompensa por você ter resolvido os seus problemas". Concordo. Concordo tanto que as linhas acima foram só um despiste para entrar no assunto de um jeito não muito descarado.  Eu só queria, a respeito de tudo o que escrevi até aqui, mandar um recado:

Oi, amor, beleza? Lembra de mim? Então. Gostaria de te contar que, desde que me formei, nunca estive tão em paz com o jornalismo como estou agora. Estou escrevendo muito, sobre um tema que me agrada e ainda posso fazer meu próprio horário. Só não estou ficando rica, mas isso é uma coisa que eu nunca esperei do jornalismo. Tenho me comportado bem. Parei de beber destilados - agora é só uma cervejinha de vez em quando, porque ninguém é de ferro. Não fiz nenhum desafeto recentemente e meu relacionamento com minha família vai muito bem, obrigada. Com os amigos, nem se fala. Cada dia que passa estou mais certa de que escolhi as pessoas perfeitas para estarem comigo. Minha saúde está ótima e nem ataques de hipocondria eu tenho tido. Estou malhando todos os dias e ando bem satisfeita com meu peso. Aliás, pasme, estou satisfeita até com meu cabelo. Meus amores do passado estão lá, no passado, e, pra ser bem sincera, nem são dignos da alcunha de "amores". Entendeu o que eu estou querendo dizer ou, além de cego, você é burro também? Ai, não se ofenda. Mas é que lerdo eu tenho certeza de que você é. Então, pra facilitar, vou ser bem direta: estou feliz e com tudo bem resolvidinho. Quer dizer, se não estiver fazendo nada, pode chegar (de preferência trazendo uma caixa de bombom).


Foto: www.sxc.hu


Comentários

Fernanda, adorei esse recadinho pro amor e a enrolada toda que você fez pra chegar até ele. :)
Carla Dias disse…
Fernanda! Vou te contratar como autora de correio-elegante virtual : )
Adorei!
Sá Luz disse…
Muito bom. Posso fazer uma cópia e enviar pro meu amor também? Só preciso descobrir o endereço!
O melhor sentimento em relacionamentos é esse,o de liberdade, sentir-se bem por estar livre !
Paula disse…
Realmente... o amor é a melhor recompensa!! ♥
albir disse…
Fernanda,
use sempre o Crônica do Dia pra mandar os seus recados.
Loreyne disse…
Amiga Ferdi, meu amor tbm esta precisando ler esta crônica do dia, quem sabe ele acorda?!!!
kkkkkkkk adorei, como sempre ne!
Bjuuussss
Dizem que a propaganada é a lama do negócio e se for também a alma do amor, prepare-se pra ficar rics!
Rssssss... desculpe pelos erros de português no comentário, mas a culpa é do vinho, amiga!
Jujú disse…
Amiga, depois desse recadinho, só se ele for muito idiota para não vir correndo...né não?

E além de bombom, que tal rosas???rs

Amei o texto, pra variar!

BESOS
fernanda disse…
Babies, muito obrigada pelos comentários e pela torcida...rs. Bom, o recado tá dado. Se surtir efeito eu conto aqui. Espero que a propaganda não seja a "lama" do negócio, como a Thatha disse, inconscientemente....rs
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …