Pular para o conteúdo principal

NÃO HÁ LUGAR >> Carla Dias >>


Novamente em suspenso...

Então que, quando me pego desse jeito, dou de fazer bobagens, coisinhas como aguar delícias interiores: ler poemas inventados no momento, beber café com a xícara quase transbordando, e às vezes até queimar a língua nesse feito, passando o dia como se a palavra tivesse sido arrancada de mim e por isso doesse tanto.

Quer passar ou transpassar?

Habitar?

Despertencer?

Agora quase eu dei de cara com o silêncio de uma pessoa que acabou de receber a notícia: não há lugar para você em mim. Fui testemunha desse desacato emocional, mas sem querer, por estar sentada ao lado, ser vizinha de tempo e de espaço.

Baixo a cabeça, respeitosamente. Quando não há lugar para nós naquele que amamos, a vida amarga uma solidão sem fim, das que nos faz perder rumo, cabeça, hora de chegar em casa, de sair da cama.

Ela ainda não sabe dos privilégios dos que não têm espaço em outro. Eles vergam mais facilmente para aguentar tempestades sem serem partidos ao meio. Esperam menos e ganham mais do que o esperado, às vezes. Então sorriem e seus sorrisos são sinceros.

Saio para um passeio psicodélico: olhar retro, passo ao ritmo do que toca no mp3 player, refrigerante nada zero, gole a gole a gole eu o zero. Não mata a sede, nem tampouco a define.

Não há como eu ser como você deseja me construir.

Não há como eu ser como desejo construir a mim.

Acabo sendo quem posso, na hora possível. Descabendo nas alianças afetivas, nos propósitos da intolerância, na benquerença arquitetada, nos padrões e no gosto de certos patrões. Não há lugar para mim em você, porque tudo em mim difere, se contorce, resmunga, exige mais versões. Às vezes emburra, se esbalda em assimetria, conta histórias para boi dormir, sente-se grata pelo falsificado: bolsa e desejo. Pinta as unhas de alienação e interpreta uma canção do Led Zeppelin, versão technotrance, mesmo preferindo a original, a escolhida para aquele dia.

Sabe qual?

Às vezes me dispo de mim, torno-me irreconhecível até para os que realmente me conhecem, para mim mesma. Essa estranha caminha ao meu lado, segurando meu braço, desprotegendo-me da boa sorte. Olha-me nos olhos, narizes se tocando, que é para que eu saiba que ela pertence a quem sou. Não somos uma e outra, mas a mistura de ambas. A terceira versão.

O mesmo acontece com você, não? Seu avesso o visita vez e outra, lembrando-lhe que haverá dias em que caberá em alguém, e outros em que alguém jamais caberá em você. Haverá dias em que escutará alguém lhe dizendo “não há lugar em mim para você” e aquele em que você dirá “entre, fique à vontade”.

Tivesse dito à moça a verdade que alimento, essa filha com a rebeldia dos temporais, quem sabe ela não tivesse entrado por aquela porta, a que dá na sensação de vazio intraduzível, de que jamais pertencerá a lugar algum, à pessoa nenhuma.

Se eu tivesse apenas sussurrado em seu ouvido, no momento em que as palavras do outro a alcançaram... Tivesse cantarolado... “These are the seasons of emotion and like the winds they rise and fall”.




Comentários

Debora Bottcher disse…
Valha-me, Carla... Que beleza de texto... Fiquei em graça depois de te ler, tão bem traduziu o que se sente... Super beijo.
Eita moças pra escrever bem: você e a Outra. :)
Marilza disse…
Eu me vi sentada sozinha naquele banco....
Amei! Expressou bem tanto sentimento, tanta coisa....
Petrah disse…
Me agasalha...essa mania inexplicável que você tem de escrever aquilo q eu sinto. ;o))
Carla Dias disse…
Debora... Fiquei sem palavras ao ler seu comentário, mas por certo você não deve ficar sem graça. Beijos!

Eduardo... às vezes eu e a outra nos desentendemos, mas no final, acabamos juntas.

Marilza... às vezes precisamos nos sentar naquele banco, sozinhas. Mas é só para compreender o próximo passo.

Petrah... Acredito que a maioria dos nossos sentimentos, aqueles que achamos tão pessoais, sejam coletivos. Há muitos que sentem muito do que sentimos.
albir disse…
Aqui, Carla, gostamos que você seja, intransitivamente.
Carla Dias disse…
Albir... Sendo, então...
Prima que linda...que orgulho...de você e de tudo que escreve!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …