Pular para o conteúdo principal

ONDE ENCONTRAR A POESIA >> Carla Dias >>

Às vezes eu me perco na poesia alheia... Modéstia minha: eu o faço com frequência, uma frequência atinada pela curiosidade sobre como bate o coração do outro.

Como bate o seu?

Em qual desfecho, compasso, taquicardia?

Na poesia, os opostos não se atraem, se completam, e quase sempre, não se dão conta disso. Talvez aí more a beleza dela.

E a poesia que se esconde no cotidiano? Como a da cena do menino atravessando a rua, agarrado de um jeito no braço da mãe, engolindo um medo virado, desespero cravado no olhar. Não sei se ele teme perder a mãe ou se ser atingido por um carro... Seja como for, essa poesia é dolente, mas só até chegar ao outro lado, pés na calçada, o moleque respira tão aliviado, abraçando as pernas da mãe que lhe beija a cabeça.

A poesia que nos faz manter os olhos no outro, observando seus gestos, ouvindo atentamente as palavras que saem de sua boca, aprendendo com a experiência dele, transformando-o em guia, dando-lhe permissão para cortejar a nossa alma.

Mas há quem encontre poesia onde a maioria jamais encontraria sequer interesse, nos desmandos, no descaso. E desse cenário caótico, como diria o poeta-músico-poeta, “flores crescem no asfalto, debaixo dos meus pés”.

A poesia do SMS extraviado pela falta de saldo no pré-pago, que chega ao destinatário dias depois do envio, e cai tão melhor no momento do que caberia antes. É como se uma divindade tecnológica tivesse mexido os pauzinhos, melhor, os fiozinhos e chips e conexões, e esse monte de coisinhas que nem todos entendem muito bem, mas das quais abusam até.

A poesia da ausência é a tecelã dos mistérios. Sobre a densidade do sentimento ela se deita de tão farta das banalidades, ansiosa pelos lamentos e pelo frenesi da felicidade. É uma poesia extravagantemente bipolar, das que se apaixonam pelas imperfeições.

Perco-me na poesia da canção: “Would like to dance around the world with me?”, sim, eu quero! Vamos? Um, dois, três e quatro, dois pra lá, dois pra cá, dois sorrisos miúdos encontrando duas gargalhadas histéricas. “I remember thinking/Sometimes we walk/Sometimes we run away”, e estaco os pés nesse solo de contradições, embaraçando-me nos cabelos da fuga. Ainda assim, “I’ll back you up”.


I'll back you up - Dave Matthews Band



Comentários

fernanda disse…
Meu coração hoje bate em várias frequencias. Cada pedaço dele anda num ritmo. Meu dia hoje tá com cara de poesia de Florbela Espanca.
Bjos!
Carla Dias disse…
Fernanda... Corações assim, ocupados com a miscelânea de ritmos, sempre acabam em poemas de Florbela Espanca :)
Carla, o cotidiano é um mar de poesia. E suas crônicas de quarta-feira são as ondas desse mar. :)
albir disse…
E eu me perco e me acho na poesia de suas crônicas, Carla.
Carla Dias disse…
Eduardo... Sabe que adorei crônicas como ondas de um mar de poesia? Obrigada : )

Albir... Sinta-se bem-vindo para se perder e se achar nas minhas crônicas sempre que quiser.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …