Pular para o conteúdo principal

CARTA PARA A FILHA
QUE EU VOU TER UM DIA
>> Fernanda Pinho


Querida filha,

Não sei como você é, embora te imagine, secretamente. Não faço a menor ideia de quando virá, embora já te queira desde sempre. Nem sei seu nome, embora já tenha alguns palpites. Ainda assim, decidi me adiantar e te escrever uma carta. Você, que a essa altura já me conhece, deve estar pensando "típico de você se adiantar". Pois é. É bem típico de mim mesmo. Mas, nesse caso, tem uma razão que vai além da minha ansiedade e da minha mania incorrigível de passar o carro na frente dos bois. Escrevo agora porque, dizem, o amor de mãe é o maior amor que existe no mundo. Tenho medo, então, de ficar tão boba por causa desse amor e dessa vontade de proteção, a ponto de não conseguir abrir seus olhinhos para certas verdades desse mundo. Escrever agora, que você ainda está num lugar muito mais legal que aqui, vai me doer menos.

Não sei se ser sonhadora é uma característica genética ou hereditária mas, por via das dúvidas, acho melhor te alertar, de cara, sobre esse assunto: os sonhos. Não, meu bem, não estou falando dessas historinhas bonitas com anjinhos e nuvens que você vê quando está dormindo. Falo de todas as suas vontades, de todos os seus desejos e de tudo aquilo em que você acredita. A primeira coisa que você precisa saber é que os seus sonhos são só seus. Eu mesma, que te amo mais que tudo, posso até acreditar neles também. Mas eles são seus. Isso significa duas coisas. Você pode ser ridicularizada e desencorajada por pessoas insensíveis e descrentes com os sonhos alheios. Mas isso não importa. Exatamente porque o sonho é seu, só você é quem pode mover mundos e fundos para que ele se realize. Ou seja, a descrença alheia não faz diferença. Eu não queria ter que dizer isso também, mas me vejo obrigada: luta, dedicação, insistência não são garantias de que seu sonho vai se realizar. Mas calma! Isso não significa que você não vá lutar, se dedicar e insistir. Sabe por quê? Porque o mais legal do sonho, na verdade, é o caminho que você percorre indo atrás dele. Você pode acabar descobrindo coisas, nesse caminho, muito mais interessantes que o programado destino final.

Você pode, por exemplo, não conseguir o trabalho que tanto sonhou. Mas pode, muito bem, se apaixonar por uma pessoa incrível na entrevista de emprego. Ok, ok. Sei que ainda não está familiarizada com esse negócio de se apaixonar, mas vou tentar te explicar (e, com meu coração de mãe, torcer muito para que demore o máximo possível até que você se familiarize). Quando você se apaixona, tudo parece menor. Você vai mal na escola e você nem liga. Seu time perde e você nem liga. Sua mãe (eu, no caso) te dá uma bronca e você nem liga. Sua amiga está um saco e você nem liga. Você engordou dois quilos e você liga muito. Pois quer estar perfeita para ele. Você quer ser a mais linda, a mais legal, a mais inteligente, a mais bem vestida porque ele é tudo isso e merece a garota perfeita. Você se arruma toda, você ensaia suas falas, você vê filmes e ouve músicas românticas para se inspirar, você espalha para as amigas a notícia de que está amando e quando ele aparece...ah, quando ele aparece, tudo ao redor desaparece. Sua perna fica bamba, suas mãos começam a suar, seu coração bate freneticamente, sua barriga dói e, acredite, é bom! É bom só não. É ótimo, é maravilhoso. Até o dia em que ele vai chegar para você e dizer que te acha uma fofa, mas que ele gosta mesmo é da Carol. Se você tiver sorte, pode ser que esse dia não chegue. Mas pode ser que não apenas chegue, como se repita várias vezes ao longo de sua vida. E o contrário, também. Provavelmente, linda como você é, vai provocar as mesmas sensações em garotos que não te interessam em nada.
Não, filha, não posso te explicar por que as coisas têm que ser assim. Porque eu também não sei. O que eu sei é que nós, humanos, somos assim. Estranhos. Um dia você vai magoar alguém. Um dia alguém vai te magoar. E já não falo mais só de namorados. Falo dos amigos e até de mim. Um dia sua melhor amiga, que passou a vida inteira chorando no seu ombro, pode conhecer um cara legal e sumir da sua vida. Um dia eu posso soltar, sem querer, que "eu esperava mais de você". E você vai se magoar profundamente. Com sua melhor amiga. Comigo. Sem que, ao menos, a gente se dê conta disso, pois não fizemos por mal. E você vai se perguntar: "Por que logo elas, que amo tanto?". Então, já te adianto. É assim mesmo. Só as pessoas a quem amamos podem nos machucar, porque as outras realmente não nos importam. Mas, ainda assim, vale a pena amá-las, sabia? Vou te contar um segredo que nunca contei para ninguém. Coisa entre mãe e filha, tá? Quando eu descobri tudo isso que acabei de te contar, bolei um plano: eu iria me envolver com o menor número de pessoas possível. Assim me magoaria menos. Parecia o plano perfeito até eu notar que, quanto menos gente, menos chateação, é verdade. Mas também era menos amor, menos alegria, menos risos, menos histórias pra contar, menos horinhas de descuido. E viver abrindo mão de tudo isso não é viver. Viver é se arriscar pelas pessoas e pelos sonhos. Porque as compensações valem toda mágoa e frustração.

E se alguém tentar te provar o contrário, lembre-se de que o que importa é que você acredita (e o que sua mãe diz, claro).

Foto: www.sxc.hu

www.blogdaferdi.blogspot.com

Comentários

Fernanda, li como se eu fosse sua filha. :)
Fabiana Yoko disse…
É por essas e outras crônicas que você destaca entre as minhas jornalistas prediletas.
Samara disse…
Lindo, lindo. Dando lições de vida pra sua futura filha, acabou ensinando um monte de gente, tenho certeza. Atenção, guardem e sigam essas palavras, elas são preciosas.
Ge disse…
Sou sua fã Ferdi!!!Como sempre PERFEITA!!!!
Loreyne disse…
Amigaaa, linda demais sua crônica de hoje, Amei!
Sí não sabia q tinha desistido do Davi, kkkkkkkkkk
Bjuusss
Theresa Diniz disse…
Fernanda, adorei.
Vc é d+
Bjs
Perfeito Ferdi. Fui abandonada por uma amiga pr causa de namorado, mas ele não é legal, pelo contrário, chato e maquiavélico. Ah, vc empresta a carta para a minha filha? Estou planejando uma para o próximo ano, loucura né? pois é, o Daiton também acha...rs Mas sobre isso conversamos em outro lugar.
guarde a carta, muito boa e útil para filha, amigas e principalmente vc!
beijo
fernanda disse…
Ai, gente você me deixam tão emocionada. Eu empresto, sim, a carta para as filhas de vocês. No fundo, o que eu escrevo pra minha "filha" é o que eu mesma preciso aprender de uma vez por todas...rs.

Ah, Lo, não desisti do Davi não. Eu quero uma prole (super te apóio de ter uma filha ano que vem, Lah!).

Bjos!!!
Anônimo disse…
Oi Fernanda, por acaso cheguei à carta para sua futura filha. É belíssima. Sinto exatamente assim mas não sou capaz de traduzir em palavras tanto sentimento. Espero que a sua futura filha chegue logo pois não existe NADA melhor no mundo do que ter filhos.
Parabéns.
Beijo,
Gislane
Marilza disse…
Fernanda, sua carta é tão linda!
Serve não só pra "sua filha" mas, pros pais, amigos, conhecidos, desconhecidos..Serviu pra mim.
Parabéns por essa crônica tão maravilhosa.
Você se supera a cada dia e nem me surpreendo mais... rssssssss!!! Lindo, tocante... cutucou as lagriminhas escondidas aqui.
Anônimo disse…
Lindo, sensível e revelador!

Parábens Fernanda!

bjo do,

Cláudio Vilaça.
VILACA228@HOTMAIL.COM
fernanda disse…
Gislane e Marilza, muito obrigada. Vocês são fofas demais.

Thatha, você que nem me surpreende mais com seu olhar, sempre de boa vontade, sobre meus escritos. ;)

Cláudio, você é o Cláudio Vilaça, jornalista de BH? Obrigada pelo comentário.

Beijos!!!!
Jujú disse…
Ok, amiga, eu tb te peço permissão pra dar essa carta à minha futura Maluzinha, afinal, ela será um pouco sua também, já que madrinha é a segunda mãe! E isso é muito do que ela (e a gente) precisa saber da vida!

Sem mais o que dizer (afinal, vc já disse tudo), encerro por aqui!
albir disse…
Fernanda,
já estamos aguardando a sua filha, assim como aconteceu com Kika e Sofia
Claudio Oliveira disse…
mas.. e se for menino?
Anônimo disse…
É muuio linda *-* Eu amei, de verdade. Parabéns !

Laurene.
mjv disse…
Li sua crónica! belissima!!
fala com com coração de mãe, como só uma mãe sabe escrever.. Eu que sou mão me revi em muitas das uas preocupações... mas posso lhe garantir, que tudo não passa de preocupaçao de mãe. os filhos não nos pertencem, por isso temos que os deixar partir.. mas adorei sua crónica... vou seguir seu blog... Sua inteligencia é muito profunda...
abraço joaquina

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …