Pular para o conteúdo principal

TERÇA-FEIRA = DIA ÚTIL! >> Clara Braga

... e foi assim que Zangado e sua trupe voltaram para casa. Na bagagem o peso de todos os brasileiros dizendo: "Eu avisei!". De quem foi a culpa? Dunga? Luis Fabiano? A ave Galvão que não se calou? Mick Jagger? Eu não sei, confesso que enquanto tudo isso acontecia eu estava prestando atenção em outra coisa.

Todo dia de jogo do Brasil, a Globo fazia a cobertura do jogo em diversos lugares do Brasil, sempre mostrando a festa que estava sendo preparada para logo depois do jogo, sempre com bandas tipo Oludom e Monobloco, que era para colocar todo mundo para sambar, e assim a festa rolava realmente como se fosse feriado e o amanhã não existisse.

E foi no meio de toda essa festa que o Brasil resolveu perder de virada e com direito a gol contra. Motivo para ficar com raiva e triste era o que não faltava.

Então, logo após a perda, a Globo foi fazer a volta pelo Brasil mostrando o quanto o Brasileiro tinha ficado triste com a derrota. Em todas as cidades a cena era a mesma, o repórter na frente, com uma cara de acabado, falando o quão triste estava, enquanto isso, atrás dele... A FESTA ROLAVA SOLTA! Isso mesmo, todo mundo bebendo e sambando exatamente como o brasileiro faz! Ganhou? Ótimo, vamos beber para comemorar! Perdeu? Perfeito, vamos beber para esquecer! E é assim que funciona, podemos não ser hexa, mas ninguém sabe decretar um ponto facultativo como a gente

Quando mostraram o repórter enviado que estava na Holanda é que foi mais engraçado ainda! Ele falava o quanto o Holandês tinha ficado contente com a vitória e o quanto o mar laranja que estava assistindo ao jogo ali na praça estava vibrando, enquanto atrás dele você só via pessoas normais indo embora para suas casas ou trabalhos. Se nós pegassemos só as reações poderiamos jurar que o Brasil tinha vencido.

E não pensem que isso acontece só quando se trata de futebol não, outro exemplo é o Ano Novo! Você acha mesmo que em todo lugar do mundo existe uma Ivete Sangalo para subir no Trio e colocar todo mundo para dançar? Engano seu! No exterior, depois da contagem, as pessoas se abraçam, desejam feliz ano novo e... e... e... vão para a cama dormir, afinal, já é mais de meia noite!

Ainda existem vários outros exemplos que eu poderia citar aqui, como carnaval, mas humilhar é sacanagem. O que eu quero mesmo é que descubram logo quem foi o culpado pela derrota, pois essa pessoa nos deve um feriado na terça! Enquanto isso, vamos ver se agora o ano inicia de verdade e a gente começa a pensar pelo menos um pouquinho nas eleições!

E deixa eu ir trabalhar que o "feriado" acabou!

Comentários

Anônimo disse…
Parabens Clara!
alem de uma otima crônica, me ajudou muito com um trabalho da escola sobre o brasil na copa.
Rinaldo Morelli disse…
Sei lá quem é o culpado!
Será que precisamos eleger um culpado?
Em um esporte coletivo acho que não dá para crucificar um. O grupo perdeu. Perdeu o controle emocional. Perdeu a humildade. Perdeu as oportunidades.
E não perdemos todos porque no Brasil temos mais com que nos preocuparmos além de futebol. Vamos ajudar os desabrigados do nordeste ou vamos esperar sermos nós os desabrigados para pedir ajuda?
albir disse…
Valeu, Clara,
mais uma beleza de crônica sobre a copa. Goleada do Crônica do Dia.
Carla Dias disse…
Muito bom, Clara. Quem acabou fazendo um belo gol com essa crônica foi você!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …