Pular para o conteúdo principal

UM PROBLEMA DE TODOS [Debora Bottcher]

Nos últimos dias, as páginas dos noticiários dão conta da história que envolve o ex-goleiro do Flamengo e uma de suas namoradas - sim, porque a todo momento aparece uma nova mulher ligada a ele, o que a mim soa incrível. E a mídia aproveita a audiência que tais ocorrências provocam no público, pintando o quadro com requintes mais para segurar a audiência do que para expor o real problema que está no fundo de todo esse sensacionalismo.

E, no meu entender, independente dos envolvidos (e do caráter deles), o foco principal do 'evento' em questão, que daqui a alguns dias será novamente esquecido, é a violência contra a mulher.

Você sabia que a cada QUINZE SEGUNDOS uma mulher é atacada no Brasil, e que uma em cada quatro brasileiras sofre com a violência doméstica? E que, apesar da Lei Maria da Penha, existem somente 274 juizados especiais de violência contra a mulher - para 5.600 municípios? Você sabia que, segundo estimativa da Anistia Internacional, pelo menos uma em cada três mulheres ao redor do mundo sofre algum tipo de violência durante sua vida?

Sim, o tema é complexo e denso. E você deve estar pensando, ao ler essas considerações, que isso não é com você, pois passa longe da sua família, amigos, dos seus conhecidos. Ledo engano. A maioria das vítimas, também segundo pesquisas de órgãos internacionais, não reporta a violência - por vergonha ou medo. Portanto, é possível que alguém na sua família, ou no seu círculo de amizades, passe por isso sem que você imagine.

Passa da hora de acharmos que isso só ocorre na novela, na favela, na mídia, na casa do outro, num nível que não nos atinge. Precisamos parar de pensar que são casos isolados e incomuns. Todos os dias há MUITOS casos - com mais, menos ou nenhuma projeção da mídia. Mas todos os dias MUITAS mulheres são espancadas, violentadas, assassinadas - ricas, pobres, analfabetas, superprofissionais, mães, filhas, mulheres como eu e você, sua filha, irmã, amiga, prima, neta, sua mãe - dentro de seus próprios lares ou por alguém que conhecem e convivem.

É imprescindível que a sociedade discuta o problema com mais seriedade para corrigir pontos obscuros da Lei Maria da Penha - que, sim, ajuda, mas não resolve, pois é falha e urge uma lei mais rigorosa com punições mais rígidas e programas de prevenção - e aí eu falo de alguém que diga a uma mulher que sofre qualquer tipo de ameaça, que ela corre risco, precisa se proteger; falo de alguém que a apoie, esclareça e oriente. Que lhe diga que "NÃO, NÃO É CULPA DELA", e que se ela for espancada, ela tem que denunciar - ao invés de temer e se esconder. Aqui em São Paulo, recentemente, uma advogada também foi morta, possivelmente pelo ex-namorado, que não a agrediu fisicamente, 'apenas' a ameaçou verbalmente - fato que ela ignorou. Alguém precisava ter dito para ela estar mais atenta, e em nenhuma hipótese ficar sozinha com o agressor.

Precisamos tomar consciência de que esse é um problema de todos - mas não quando a mídia nos empanturra do tema porque acontece com gente famosa. É imprescindível uma mobilização social que reconheça a dimensão e a gravidade de tal situação, porque esse drama vivido por muitas mulheres, longe de folhetins e holofotes, é um assunto que não pode mais esperar...

Comentários

Iara disse…
É mesmo impressionante a quantidade absusrda de mulheres que são violentadas diariamente...
E sem dúvida esse é mais um assunto que não pode mais esperar.
Parabéns pela crônica Déboar, ficou ótima!
Bem lembrado, Débora!
E temos que cuidar também de evitar perigosos detonadores de violência, como o álcool, que mereceria uma campanha tão forte quanto a que sofre o cigarro.
fernanda disse…
Ótima reflexão, Débora. Acho que o assunto tem que ser exaustivamente debatido para conscientizar nem tanto os homens que cometem esse tipo de agressão (acho que esses não têm muito jeito) mas, principalmente, as mulheres que sofrem com isso e se calam. Esse é um assunto que me deixa muito, muito indignada...rs

Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …