Pular para o conteúdo principal

O EGOÍSTA E O INDIVIDUALISTA
>> Eduardo Loureiro Jr.

É fácil reconhecer o egoísta. Ele é aquele que, indignado, corado, colérico, chama outra pessoa de — adivinhem — egoísta. A pessoa que é chamada de egoísta não tem nada de egoísta, normalmente é individualista.

Se você não entendeu, provavelmente você é um egoísta. Se deu um risadinha irônica, provavelmente é um individualista. Se apenas compreendeu, impassível, você é um santo. Não trataremos de santidade nesta crônica. O único propósito das palavras que seguem é esclarecer o egoísta que ignora sua própria condição...

O egoísta é aquele em torno do qual o mundo gira ou deveria girar — na visão do próprio, é claro. Ou, nas palavras do Houaiss, alguém que "subordina o interesse dos outros a seus próprios interesses". O egoísta é sutil, pois parece interessado nos outros. Porém é um interesse interessado mesmo, de quem quer que os outros se submetam a si. O egoísta é um grande controlador que tenta mover os outros como se esses fossem um conjunto de peças de um jogo. Como jogador, o egoísta acredita que sabe, melhor que ninguém, o rumo que deve dar às peças. O egoísta se acha generoso. E é mesmo benevolente, sempre disposto a transmitir sua energia às pobres peças letárgicas, que ficariam paradas a vida inteira se não fosse a generosidade do egoísta. Mas basta que uma das peças resolva se movimentar por conta própria, e em sentido diferente daquele que o egoísta pretendia, para que o egoísta tente forçá-lo a se corrigir.

Aqui entra o individualista. Aquele que, ainda segundo o Houaiss, "afirma sua individualidade pela independência de ações e pensamento". O individualista é aquele para quem cada um é um mundo girando à parte, conectado aos demais mundos por um equilíbrio delicado de repulsão, atração e gravidade. O individualista é adepto do "cada um na sua", é um macaco perfeitamente adaptado ao seu galho. O individualista é Fernando Pessoa, sob o heterônimo de Álvaro de Campos: "Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade./ Assim, como sou, tenham paciência! / Vão para o diabo sem mim, / Ou deixem-me ir sozinho para o diabo! / Para que havemos de ir juntos? // Não me peguem no braço! / Não gosto que me peguem no braço.  Quero ser sozinho. / Já disse que sou sozinho! / Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!  " O individualista é aquele que aprendeu a conviver consigo mesmo, que pensa que não precisa de ninguém e, por consequência, deduz que ninguém precisa dele.

Então se encontram o egoísta e o individualista. O individualista, que pensa bastar-se a si mesmo, não entra no jogo de mover peças do egoísta. O egoísta, ao encontrar alguém que não consegue submeter sutil ou abertamente, vocifera a sentença: "Seu egoísta, você só pensa em si mesmo". Não, não é verdade que o individualista só pense em si mesmo. O individualista pensa em muita gente, todo mundo separado, com encontros eventuais. A fala do egoísta é que está pela metade. O egoísta, se tivesse noção de seu próprio egoísmo, diria assim: "Você só pensa em si mesmo quando deveria pensar em mim." Mas isso pareceria ridículo até para quem não tem consciência de si. O individualista, se tem alguma disposição para a briga, assume aquilo que não é e responde seco: "Só um egoísta poderia reconhecer outro." Mas o individualista-padrão normalmente deixa passar, dando apenas dois passinhos para trás para se livrar da saliva fumegante do egoísta.

Do que foi dito acima, não se pense que é impossível o convívio entre o egoísta e o individualista. Podem conviver bem, muito bem até, desde que respeitando-se o seguinte. O egoísta reconhece o direito do individualista pensar e agir por si mesmo, desde que não fique espalhando essa doutrina por aí, o que levaria a uma diminuição do número de pessoas dispostas a se submeter ao egoísta. O individualista faz vistas grossas e deixa o egoísta continuar brincando o seu joguinho com as pessoas dispostas a isso.

E assim estão os dois combinados.

Comentários

Marilza disse…
Eduardo, ainda estou em dúvida: não sei se sou egoísta ou individualista ou os dois....rsrs
Muito bom!
anna disse…
Rs, muito legal...Sou egoísta, confesso.
Um abraço!
albir disse…
Que interessante, Edu!
Particularmente, costumo me encaixar em quase todas as classificações, para o bem ou para o mal.
Anônimo disse…
e quando a pessoa é os dois juntos?
I N S U P O R T Á V E L de conviver
Anônimo disse…
Que interessante! Sempre achei que no egoísmo já estava subentendido o individualismo. Depois dessa, percebo que sou um poço de egoísmo e agora só me resta me policiar mais e tentar praticar o individualismo.
Apesar de as vezes tu me deixar bem "p" com suas individualidades, adoro te ler... e talvez por isso que mesmo que eu adoro te ler sempre! bjodakris
fernanda disse…
Muito bom, Eduardo! Tenho quase certeza de que sou uma "individualista com alguma disposição para briga"...rs
Beijos!
Brigadim, Marilza. E olhe que eu nem falei do Submisso. :)

Prazer, Anna. Sou individualista confesso. :)

Mas claro, Albir. Esses deuses e monstros estão todos dentro da gente. :)

É, Anônimo 1... E quando a pessoa que é os dois é a gente mesmo? :)

Kris, adoro deixar o leitor p*, ainda mais o leitor egoísta. :) E adoro ser lido por você.

Então você é das minhas, Fernanda. :)
La Lunna... disse…
Kkkk!
Adorei!!
Estou recomendando no meu blog seu excelente texto (conheço muitos individualistas e egoístas...rss. Eu mesma sou muito dos dois, dependendo do momento...rs)
Gde abraço e parabéns!
Carla Dias disse…
Ok. Agora estou nessa dúvida danada sobre meu ser egoísta, meu ser individualista, meu ser tudo misturado...
Brigadim, La Lunna. Somos todos assim. :)

Keep on doubting, Carla. :) (Será que o Blogger vai encrencar com esse?) :(
Madalena disse…
Adorei o seu blog e especialmente essa crônica. Sou absolutamente individualista e quase sempre etendida como egoísta por aqueles a quem não me submeto.
Bem-vinda ao time, Madalena. :)
Anônimo disse…
MEU DEUS,
MEU MARIDO EGOISTA E EU INDIVIDUALISTA :(
Anônimo disse…
Confesso sou Individualista *_*
Pedro Fernandes disse…
Eu estava tentando encontrar pela internet, se alguém tinha discernimento entre os dois e explicasse claramente. Obrigado pela crônica, não tiraria nem colocaria nada. Sou um individualista há uns anos também. Abraços!
Grato, Pedro Fernandes.
Bom saber que tem mais gente no time. :)
Anônimo disse…
Sou individualista e agora entendo que os que tem raiva de mim são os egoístas, pois tenho vontade própria e esses não conseguem me comandar. Hehe
GELZA LIMA disse…
Sou uma verdadeira individualista correndo desesperadamente de um egoísta metido a generoso !
Sebo nas canelas, Gelza. :)
Anônimo disse…
Muito bom o texto, Eduardo,
mas fiquei com uma dúvida. Todo chefe é egoísta? Sou diretora de empresa, por isso estou com essa dúvida. Buscamos envolver as pessoas para fazerem o que precisamos que seja feito; quando alguém discorda de nós abertamente, isso é um problema a resolver - o conflito é saudável mas não se for aberto e constante; enfim, temos um comportamento que se encaixa na definição de egoísmo.
Como fazer diferente?
Abraço
Oi, Anônima. :)
Penso que nem todo chefe é egoísta ("parece interessado nos outros, porém é um interesse interessado mesmo, de quem quer que os outros se submetam a si").
Talvez os chefes que pensam que sabem exatamente o que é melhor para a empresa/instituição, sejam egoístas.
Mas também podem haver chefes individualistas ("aquele para quem cada um é um mundo girando à parte, conectado aos demais mundos por um equilíbrio delicado de repulsão, atração e gravidade"), que pensam que cada trabalhador também pode ter uma boa ideia do que é bom para a empresa.
Me parece que ser egoísta ou individualista, é menos da função e mais da pessoa.
Karol disse…
Eu sou os dois, puta merda!
Anônimo disse…
Sou individualista.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …