Pular para o conteúdo principal

AGONIA DA PO**A >> Clara Braga

Um dia desses estava conversando com um colega meu e ele disse que minha próxima crônica deveria se chamar "agonia da porra". Bom, até ai tudo bem, o problema foi que ele não me disse nada mais que isso, não me contou por que estava agoniado nem o que ele esperava de uma crônica com esse título.

Eu poderia chegar aqui e escrever sobre qualquer coisa, afinal, o tema é livre, mas eu fiquei com esse título na cabeça e comecei a pensar o que faz as pessoas ficarem agoniadas hoje em dia, ou pelo menos o que me deixa agoniada. Esperar telefonemas importantes, esperar resposta de emprego, ficar presa no trânsito tendo hora pra chegar em algum lugar, tentar escrever e nada interessante vir à mente, precisar muito usar o banheiro e não ter um perto, não ter roupa para usar em uma ocasião especial, ficar curiosa, ligar para alguém e cair na caixa postal, talher arrastando no prato, giz fazendo barulho no quadro, esperar chegar a hora de encontrar alguém com quem você quer muito estar, internet fora do ar, celular sem bateria... enfim, eu poderia listar muitas outras coisas, mas o que me chama a atenção é que hoje em dia jogar filha pela janela, assassinar os próprios pais, matar a amante e outros tantos crimes absurdos que acontecem diariamente já não deixam ninguém mais agoniado. Todo mundo já está tão acostumado a ligar a TV e ser bombardeado com esse tipo de notícia que já nem se abala mais, pelo contrário, 5 minutos depois da notícia a internet já está bombando de piadas sobre o caso.

Não estou aqui pra dizer se isso é certo ou errado, nem criticar ninguém, até mesmo porque eu também conto por ai as piadas que escuto e repasso os e-mails que recebo. Eu estou aqui pra dizer que eu tenho minha própria teoria para explicar o porquê dessas notícias terríveis não afetarem mais as pessoas. Talvez eu não consiga explicar o porquê de não afetar todas as pessoas, mas com certeza eu tenho uma teoria para explicar a minha geração.

Bom, vamos lá, eu tenho vinte e um anos. Se você for direto ao túnel do tempo e checar quais eram as celebridades que estavam bombando entre as crianças da minha época, você vai acabar esbarrando na tão famosa dupla Sandy e Junior. Tudo bem, eles não têm culpa das músicas que cantavam, até mesmo porque muito antes de serem capazes de entender o significado das músicas eles já eram famosos. Agora, crescer ao som de Maria Chiquinha não pode ser bom para nenhuma criança.

A música é sobre a Maria Chiquinha que andou indo pro meio do mato com outro e o Genaro viu, agora a Maria Chiquinha está enrolada e fica arrumando um monte de desculpas pra se explicar. Lá pelas tantas, o tal do Genaro perde a paciência e diz o quê? "Então eu vou lhe cortar a cabeça Maria Chiquinha, então eu vou lhe cortar a cabeça" Bom, só daí a gente já pode tirar a primeira lição que estava sendo passada e absorvida pelas crianças, se sua namorada, ficante, esposa ou afim começar a te enrolar, não perca tempo, corte logo a cabeça e resolva todos os seus problemas! E se você acha que a música não piora, espere pelo resto. Assustada com o que Genaro falou, Maria Chiquinha pergunta: "Que cocê vai fazer com o resto, Genaro, meu bem, que cocê vai fazer com o resto?" E então Genaro responde: " O resto? Pode deixar que eu aproveito!" Ou seja, não contente em ser um serial killer, o Genaro é uma pessoa extremamente perturbada, aliás, se aproveitar de corpos decaptados é um tipo de perturbação que tem nome, chama-se necrofilia! Agora me diz, depois de crescer ouvindo isso, tem como ainda se espantar com o noticiário?

Comentários

Brunno Leal disse…
Nunca reparei que Sandy e Júnior, do alto de seus 6 anos, ensaiariam algo tão corriqueiro anos depois, rsrsrs

Me diverti com o texto!

Beijos!
Muito boa essa sua crônica de uma geração desagoniada, Clara.
fernanda disse…
Assassinato, necrofilia e incesto! Afinal, todo mundo sabe que eles são irmãos...hahahahaha
Será que essa música foi escrita por Nelson Rodrigues? rs
Bjos!
Clara Braga disse…
Olha, se não foi o Nelson Rodrigues eu imagino que tenha sido alguém da família dele! hahahaha!
Alexandra disse…
Eu preferia continuar na minha inocência! auihauahuahuiauah Desde que você me contou isso tenho pesadelos com o júnior todos os dias! Droga! aiuhahiauhaihaihaiuha =D
Anônimo disse…
Perfeito. Dentre as coisas que você escreveu, estão algumas das minhas agonias da porra! Valeu, Clarinha. Beijos!
Alexandre disse…
Parabéns Clarinha.... muito boa crônica... Bjão

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …