Pular para o conteúdo principal

ANTEONTEM >> Carla Dias >>

Anteontem, eu sonhei que havia partido, mas não para todo o sempre, pela eternidade afora. Eu havia partido com um sorriso estranho nos olhos e o tempo a tiracolo, pronto para me mostrar o caminho de volta, quando ele tivesse vontade.

Ao meu lado ninguém e nada, a imensidão das coisas, a amplidão dos sentimentos. Pisando em horas envaidecidas de tanta fascinação pelo silêncio. Horas adoram o silêncio. E o silêncio é o amante secreto da hora inexata na qual o certo desacontece.

Nenhuma palavra saindo da minha boca. Cada sentido no seu canto, feito espectador do som em forma de fado. Jamais atravessavam meu caminho as solidões cultivadas no diariamente. Jamais antes de anteontem.

No meu sonho eu era - além de temente aos acalantos dos trovões - uma fazedora de sei lá o quê. Assumida tal função, eu vivia trançando verdades, alimentando segredos inexistentes. Tudo era uma questão de cenário, ainda que a minha volta: nada. Ninguém.

E houve essa noite em que me senti tão cansada que pensei que se parasse jamais me levantaria novamente. Arrastei-me por quilômetros de inseguranças. Alavanquei vicissitudes desmedidas e acompanhei uma orquestra de saudades, mas aos prantos.

Enchi o mar de dolência cultivada. Brotaram espelhos d’água, e eu me vi ao avesso, reflexo surrealista.

Que o desejo soprou meus cabelos, e embora caminhando tão lentamente, como em cena de filme em preto e branco, slow motion, a língua desandou a dizer palavras inventadas, louca por criar um dialeto para lhe fazer companhia, depois de séculos de autodesentendimento. E muros se tornaram pontes. Casas vazias se transformaram em varandas amparadas por paisagens que, anteontem, encontravam-se escondidas por deuses. O impossível se transformou em mãos dadas ao toque da tolerância, da justiça. Apelidou-se possibilidade, fez-se avatar se dobrando ao afago do vento.

Deuses gostam de brincar de gente, por isso jogam nossos corações para lá e para cá, pinguepongueando nossos sentimentos. Sentam-se à beira dos seus paraísos e parafraseiam personagens de reality shows. Deuses querem brincar de gente, contanto que possam voltar para casa, como um milhão e sei lá quantos milhares de homens e mulheres jamais voltarão, após empunharem armas em guerras das quais não compreendem a biografia. Das quais o sentido faz sentido nenhum.

Anteontem eu sonhava em juntar dinheiro para comprar uma casa. Nessa casa moraríamos eu e meus absolutismos frágeis. Não tenho amante, marido ou filhos, tampouco herança para deixar a quem. Mas um lar de minha propriedade marcaria minha história nos formulários do imposto de renda. A prova cabal de que existi. E permitiria aos que me procurassem, quando fosse tarde demais para haver presença minha neste planeta, que encontrassem ao menos o resquício da minha existência burocrática.

Porém eu não existia até anteontem. Passos leves demais, voz contida de um tanto, engolindo desejos e celebrações e ganhos e despedidas e toda aquela timidez em gritar necessito de!

Anteontem me colocou para caminhar nessa trilha, alardeando que, se alguém quisesse me seguir, alcançar-me, segurar minha mão da vida à morte à vida ao rumo de todas aquelas perguntas sem respostas, agora é a hora.

Aceita um pouco de mim?

Anteontem eu sonhei que me partiram ao meio e me transformei em dois distintos continentes. Às vezes, dormia em um deles e, noutras vezes, acampava em outro. Em um me chamavam mãe, no outro, pai. Havia também os que teimavam em tentar me emendar, mas confesso que apreciava o oceano que me dividia, e os dias em que não fazia diferença de que lado estava, pois era um dia inteiro sem sentir falta de.

Anteontem me lançou ao agora. E me sinto tão fria, a pele arrepiada, batendo os dentes. O bafo do sol em quarenta graus de destempero, mas meu sangue congela. Fria como aqueles que tomam as decisões mais importantes sem se aterem ao que se perde nessa escolha. Quantos ideais e verdades, quantas vidas.

Volto para casa, desabitada de sinfonias ou do alvoroço dos shows de rock’n roll. Desamparada pelos significados conhecidos. A alma co-habitada pela ignorância sobre rotas de fuga. De certa forma vazia, feito folha em branco esperando palavras. Pronta para sabe-se lá o quê.

Imagem: Michaael Anthony > www.unprofound.com/anthonym

www.carladias.com


Comentários

Fernanda disse…
poxa, tudo tão belo e lindo... seria mesmo 'apenas' um sonho?
Marilza disse…
Ainda bem que tudo aconteceu anteontem...Ainda há tempo no hoje...
Lindo!
Carla Dias disse…
Fernandas... Sabe que sempre me apego ao apenas? Ele me parece sempre muito mais do que realmente é... de um jeito interessante, bom.

Marilza... Concordo, ainda bem que há o hoje que, daqui a pouco, será anteontem.
Eita, essa foi de tirar o fôlego. Acho que, anteontem, você sonhou com a vida, Carla. :)
Carla Dias disse…
Pois é, Eduardo... Sonhei mesmo. Quero sonhar mais.
albir disse…
sonhe, Carla, sonhe
sonhe todo dia
só não esqueça de contar
conte
para acordar poesia
Carla Dias disse…
Albir... Pode deixar :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …