segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

REDAÇÃO >> Albir José da Silva

Passeio No Zoológico

No sábado eu fui no zoológico com meu pai minha mãe e meu irmão. O Nero não foi porque ele tem medo de bicho grande e come bicho pequeno. Come não que ele só come ração. Mas ele corre atrás e grita muito. Grita não, late, que ele não é gente. Tem gente que late, mas não é que late, é que está imitando cachorro. Tinha uns cachorros lá mas não foi gente que levou porque lá não pode levar cachorro. Era cachorro da rua. Mas não quero falar de cachorro porque já falo muito de cachorro porque é o único bicho que eu tenho.

Aqui em casa tem cinco pessoas mas só uma é cachorro. Ele fica sempre junto com a gente. Menos na mesa, que ele não senta, porque não pode comer com a gente porque é bicho. Só se a gente se distrair – aí ele come o que está na mesa e sai correndo e fica escondido até acabar de mastigar. Ele é um cachorro bonzinho mas nessa hora ele fica meio safado. Mas eu não quero falar de cachorro porque lá tinha muitos bichos diferentes.

O leão por exemplo é muito diferente do cachorro porque o leão come cachorro e o cachorro não come leão. O cachorro come ração e coisas que ele consegue roubar da mesa. Mas eu quero é falar do zoológico. O macaco só come fruta. Cachorro não come fruta, só come picolé de fruta na mão da gente. A cobra é um bicho muito ruim porque ela come bicho vivo. Comer bicho todo mundo come, mas vivo é muita maldade. Queria ver se ela ia gostar se alguém comesse ela viva. Ainda bem que o Nero não come ninguém vivo. Pelo menos eu acho.

Lá tem passarinho. Eu achava que o passarinho era bonzinho e não fazia mal a ninguém. Mas o meu pai estava com uma camisa novinha e o passarinho fez umas coisas lá nela. O meu pai ficou muito nervoso olhando pra cima e falando umas palavras que a minha mãe disse que eu não posso escrever. O Nero faz isso também mas faz no chão e o meu pai pisa e suja o sapato e também fala aquelas coisas. Mas eu acho que ele ficou mais nervoso com a camisa.

O tigre assustou a minha mãe porque deu um grito quando ela estava distraída e ela ficou tremendo. Então não sei porque ela grita com o Nero se ele também fica assustado. Meu irmão não queria chegar perto dos bichos porque achava que eles iam comer o biscoito que tava na mão dele. O Nero sempre come o biscoito dele.

Tem outros bichos que eu podia falar mas vou parar porque já tem três páginas de caderno e a redação podia ter uma só. O meu pai vai ficar orgulhoso porque ele diz que eu escrevo muito bem. E olha que ele nunca tinha visto eu escrever tanta página. É que eu gosto desse assunto de cachorro, quer dizer, de zoológico.

Um beijo, tia Vera. A senhora conhece o Nero? Ele às vezes vai até a porta da escola comigo. Bem, tichau.

Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Albir, adorei por três motivos: você escrevendo duas semanas seguidas; eu não precisando me preocupar em corrigir o texto de uma "criança"; e, mais importante, a belezura de crônica de sempre. :)

Ana Lucia disse...

muito bom! hahaha "Aqui em casa tem cinco pessoas mas só uma é cachorro." Ri muito disso! Essa crônica alegrou minha tarde!

albir disse...

Obrigado, Edu. Sempre incentivando.

Ana Lúcia,
Que bom! Isso é o que de melhor uma crônica pode fazer pelo seu autor: alegrar a tarde de alguém.