Pular para o conteúdo principal

AMOR EM CORES >> Eduardo Loureiro Jr.

m vitor / Flickr.comEstou preparando uma série de crônicas sobre o tema casamento. Mas — para não assustar meus leitores do sexo masculino — vou começar falando de amor, que, como todo homem sabe, nem sempre tem muito a ver com casamento. Enfim...

Dizem que os esquimós têm mais de cem palavras para se referir àquilo que para nós é apenas branco. O que me levou a pensar que mereceríamos ter pelo menos duzentas palavras para falar daquilo que chamamos apenas de amor.

Porque o amor está na boca de todo mundo e, muitas vezes, ninguém sabe aquilo que a palavra realmente quer dizer. Ou alguém aí é capaz de me dizer o ponto em comum entre "eu amo você", "eu amo acessórios", "eu amo Frank Sinatra", "eu amo pimenta"? Ou então entre "amar o amor" e "amar os bichos"? Ou ainda entre "morrer de amor" e "matar por amor"? Convenhamos que a palavra amor está se tornando muito parecida com a palavra coisa, que serve para qualquer coisa. Mas serve mesmo? A palavra amor serve para qualquer amor?

Tudo bem, o leitor — principalmente a leitora — que gosta de discordar do cronista e não aceita ser facilmente conduzido pela prosa alheia, vai argumentar que já existem outras palavras: paixão e caridade, por exemplo. Caridade, vá lá, é uma boa palavra. Mas paixão... ah, paixão... essa palavra só não está na mesma situação da palavra amor porque não é tão fácil de ser dita em verbo. É muito mais prático dizer "eu amo pimenta" do que "eu sou apaixonado por pimenta". Então paixão não nos serve aqui — enquanto palavra, que fique claro, porque paixão, em um de seus muitos significados, é muito útil para algumas coisas como, por exemplo, virar a vida de uma pessoa de cabeça para baixo. Mas voltemos ao amor, melhor dizendo, à palavra amor.

Como inventar duzentas palavras para reduzir o fardo simbólico da palavra amor é coisa para um povo inteiro, e não para um cronista isolado, apresento um esboço, uma pequena tentativa de criação de novas palavras que aliviem a tão sobrecarregada palavra amor.

Já que comecei a crônica falando na cor branca, por questão de coerência interna da crônica, apresento-lhes o amor em palavras de cor.

Amorelho seria o amor-vermelho. Aquele tipo de amor que envolve sangue, rosas, maçãs, néon, cortinas de teatro. Então o homem que vai pegar sua namorada em casa levando um buquê de rosas, que a leva para assistir a uma peça, que na saída lhe compra uma maçã do amor e que depois a leva a um motel onde transam mesmo ela estando menstruada, poderia dizer "eu te amorelho".

Caso bem diferente é o amorelo, o amor-amarelo. Aqui estamos falando de sol, de canário, de banana. O casal que passa a tarde num bucólico piquenique, à sombra de uma árvore, ouvindo o canto dos pássaros e que até faz, de pedrinhas na grama, uma amarelinha, há de se olhar nos olhos e dizer "eu te amorelo".

Mas há quem não se amorelhe nem se amorele. Gente que vive o amorzul, o amor-azul. Gente para quem importa mais a noite, o jeans, o anis. Gente da balada, que não se ama apenas a dois, mas a dez — tudo azul naturalmente. Gente que diz, várias vezes por noite, a múltiplos parceiros: "eu te amorzulo".

E eu fico por aqui, com as três cores básicas, porque, como já falei, criar palavras — duzentas delas — não é tarefa para um homem só, ainda mais para um homem preguiçoso como eu. Deixo ao leitor a incumbência de deduzir por si mesmo mais uma dezena de amores: o amorerde, o amoraranja, o amorinza, o amoreto, o amoranco... E às leitoras, para quem um verde não é só um verde — é musgo, esmeralda, oliva, floresta, menta —, deixo o mais delicado encargo de completar as duzentas palavras que nos permitirão falar com mais propriedade daquilo que a simples e humilde palavra amor já não consegue mais dar conta.

E — se é que vocês me entendem — eu amoxo vocês.

Comentários

Marta Lago disse…
Olá, gostamos muito do seu texto. Se quiser visitar o nosso blog e deixar um comentário : http://doencas-cronica.blogspot.com
Obrigado
Anônimo disse…
Enquanto o amor for só uma palavra na boca não se sabe mesmo o que quer dizer.O amor, para ser entendido, tem que ser sentido no coração.
Juliêta Barbosa disse…
"Considerando as cores como luz, a cor branca resulta da sobreposição de todas as cores." Portanto, temos aí o arco-íris do amor. E tanto nas cores quanto no sentido da palavra, temos um amor para todos os gostos.
Kika disse…
e o amor que vai pro piquinique, depois pra balada e encerra a noite no motel?
:)
beijos
Grato, Marta. O Crônica do Dia deve sua existência a crônicos leitores. :)

Perfeito, Anônimo. O sentido é sentido.

Bela imagem, Juliêta. O amor é arco-íris.

You tell me, Kika. :)
C. S. Muhammad disse…
Agora vou ficar esperando a crônica sobre a paixão e as coisas de cabeça para baixo. Serão coloridas também?
Amoranjei o seu texto!
Grato, Carla. E paixão é um assunto bom. :) Quem sabe qualquer dias desses...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …