Pular para o conteúdo principal

MILIONÁRIO >> Eduardo Loureiro Jr.


Aconteceu. Ganhei a Mega-sena da Virada. Sou um milionário por ter comprado um bilhete de dois reais, na lotérica da rodoviária, simplesmente porque estava impaciente com a espera do ônibus e queria fazer alguma coisa para passar o tempo.

A sensação é de alívio. Porque, há uns três anos, minha irmã caçula havia sonhado que eu ganhava na mega-sena. Mesmo as mulheres da minha família tendo um longo histórico de sonhos premonitórios (alguns deles envolvendo loterias), eu esqueceria aquele episódio se minha irmã, num acesso de boa memória e de detalhismo, não tivesse se lembrado dos números com que eu ganharia na mega-sena: 10, 27, 40, 46, 49, 58. Esses números começaram a me perseguir e eu até deixei de ler jornal ou de assistir a telejornal com medo de ver estampada no papel ou na tela aquela sequência de números. Já imaginaram o que é deixar de ser milionário porque não se acreditou num sonho da irmã? Deve ser qualquer coisa parecida com o inferno. Minha irmã com certeza diria: "Aff, meu irmão, pelamordi..."

Então, de vez em quando, ao passar em frente a uma lotérica e sentir a onda do sentimento de culpa se aproximando, preencho os mesmos sonhados números no cartão e engordo o caixa dos donos de lotérica. Às vezes nem confiro o resultado. Dou-me por satisfeito só em ter jogado. Se eu ganhasse e não soubesse, a culpa não seria mais de não ter acreditado na irmã, seria só leseira minha mesmo.

Então um amigo me liga, faltando pouco para a virada de ano e pergunta se ganhei na mega-sena. Ele não sabia de nada dessa história de sonhos de fortuna, perguntou por perguntar, por fastio de dizer apenas boa-noite ou feliz-ano-novo. E eu entrei na brincadeira e pedi a ele que me dissesse os números.

— 10.

— Começamos bem.

— 27.

— Opa, mais um.

— 40.

— Já estou sentindo cheirinho de quadra.

— 46.

— O investimento já deu retorno.

— 49.

— Rapaz, mas tu é muito adivinhão.

— 58.

— Pronto, estou milionário.

Meu amigo riu. E eu ri também. Ele achava que eu estava brincando. Eu achava que ele estava brincando. Nos despedimos e eu liguei o computador para ver quais foram os números "realmente" sorteados, porque aquilo só podia ser brincadeira. Mas lá estavam os números em todos os portais que acessei: 10, 27, 40, 46, 49, 58. Eu estava mesmo milionário.

Sei que deveria ficar calado para não atrair cobradores, organizações de caridade, parentes distantes com pendências urgentes, sequestradores e repórteres, mas o vício de escritor fala mais alto: perde-se o sossego, mas não uma boa história.

Agora não é mais uma questão do que eu "faria" se ganhasse na mega-sena. Trata-se do que farei. A resposta, entretanto, é a mesma: NADA. Antigamente, eu respondia isso num tom jocoso. "Não farei nada, pararei de fazer qualquer coisa, passarei os dias deitado numa rede lendo e dormindo. Vou virar baiano, serei a reencarnação do Dorival Caymmi." A resposta atual, meu nada atual, é simplesmente continuar fazendo o que estou fazendo. Nada de dar a volta ao mundo, nada de ajudar os necessitados, nada de fundar uma editora. Apenas continuar acordando cedo, fazer minha caminhada, comer minha granola e fazer o que me der vontade durante o dia: escrever, ler, ouvir música, compor, ver filmes, conversar com amigos, inventar qualquer novo projeto que será imediatamente engavetado, deitar na rede. Vocês nunca desconfiaram que sou um preguiçarrólique?

E quando precisar da grana, para trocar os punhos da rede, para comprar livros, alugar filmes ou aumentar a banda da internet, saberei que o dinheiro estará lá na Caixa, rendendo juros. Não que a grana seja muita. Uma outra pessoa dividirá o prêmio comigo, já que também deve ter uma irmã sonhadora, ou uma cartomante de respeito, ou abriu o biscoitinho da sorte certo. Disponho de pouco mais de 72 milhões de reais, e penso que é justo dar metade disso para a minha irmã. Então me sobram "apenas" 36 milhões. Melhor que nada, admito. Mas não posso vacilar. Nada de ficar investindo em coisas sem futuro: melhor é deixar que o dinheiro cuide de si mesmo e ficar deitado na rede.

Por falar nisso, a crônica está ficando longa e minhas costas estão começando a doer. Vou ali repousar um pouquinho o esqueleto. Amanhã terei um dia difícil. Tenho que receber meu prêmio. Um verdadeiro suplício. Eu, que nunca ando com mais de 40 reais na carteira, irei até o banco com um papelzinho que vale 72 milhões de reais. Não vou botar na carteira. No bolso da calca, pode cair inadvertidamente. A meia ou a cueca seriam uma boa opção, mas, com tanta ansiedade e medo de ser roubado, corre o risco de eu suar demais nos pés ou de me mijar nas calças. Será que, só escaneando o bilhete e mandando para o gerente, ele abre a conta milionária para mim? Minha vida de rico já começou muito estressante. Vou pedir a minha irmã que, da próxima vez que tiver um sonho desses, nem me conte. Não é possível ser feliz com a expectativa de se tornar um milionário, nem com a indiferença em relação a se tornar um milionário, nem mesmo sendo um milionário de fato. É uma armadilha, uma maldição. Valha-me, São Francisco das roupas rotas. Meu prêmio por um bom trapo. Eu quero é minha rede velha.

Quanto a vocês, caros leitores, se estiverem precisando de grana, já sabem: alguns bancos estão com umas taxas bem atraentes. Tenho certeza de que vocês conseguirão um empréstimo razoável em algum lugar.

Feliz 2010 milhões para vocês também.

Comentários

Tia Monca disse…
Só lembrando da sua promessa: continuar fazendo nosso Mapa Astral,com prazer, mesmo depois do grande prêmio :o)
Tia Monca
Ana Lucia disse…
hahaha.. mas só uns 50 mil já tava bão demais pra mim! Rola um empréstimo???
Fábio Barros disse…
Pô Eduardo, acho que você deveria dar pelo menos 1 milhão ao cara que te deu a notícia! :)
Tia, promessa é promessa. Os mapas estão garantidos. :)

Só cinquentinha, Ana? Já deixei autorização com meu novo gerente. É só você passar na Caixa. ;)

Fábio, um milhão é mais do que justo. Vou perguntar ao meu arauto se ele prefere um milhão cozido ou um milhão assado. :)
albir disse…
Poucos têm, como nós, um editor milionário. Feliz ano novo, Edu! - agora em tom de bajulação.
Cláudia disse…
Eduardo, todos os meus planos de milionária foram por água abaixo por causa de um bendito número 2 que um colega insistiu colocar no jogo do bolão que fizemos. Só por isso não ganhamos, deixa prá lá. Que bom que você, mesmo alguns milhões mais criativo, continuará a nos brindar com tanto talento. Feliz 2010!
Carla Dias disse…
Olha... O que me dá medo em novo -milionário-amigo é que o amigo suma. Mas ainda bem que você já deixou todas as pistas aí na crônica. Se sumir, eu encontro!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …