Pular para o conteúdo principal

EU ATÉ DIRIA MAIS SE VOCÊS NÃO ESTIVESSEM OLHANDO
Felipe Peixoto Braga Netto

Um dia serei feliz?
Sim, mas não há de ser já:
A Eternidade está longe,
Brinca de tempo-será.
(Manoel Bandeira)

Andei uns meses, talvez quase um ano, longe do mar. Agora estou aqui, de volta a esse cenário familiar — essa estradinha rústica, essas barraquinhas na praia, esse inconfundível mar. Venho com meu irmão, o que aumenta o prazer do retorno. Sentamos à sombra, num ponto mais alto da praia, pedimos uma cerveja e ficamos conversando vagamente bobagens e fiscalizando a cor do mar.

Estou feliz com esse ritual. É simples e banal, mas cheio de emoções boas, de prosaicos prazeres relembrados. Logo chegam uns violeiros, e são gentilmente repelidos por nós, que não estamos para ouvir loas. Penso em lhes dar uns trocados, mas vejo que não tenho. Fica pra próxima!

Observo-lhes (são dois), vejo-lhes os rostos sofridos queimados de sol, as roupas simples e gastas, o olhar de cansaço e desânimo. Cantam, próximos, para uma mesa cheia. Ninguém lhes dá olhos ou ouvidos. A mesa é insensível e grosseira. Não lhes fazem, sequer, um sinal para que parem; eles cantam, cantam e a mesa continua a conversar entre si, alheia à abordagem. Cantam, em vão, para rostos indiferentes. Depois de uns minutos do grotesco espetáculo, um dos violeiros para – ainda junto à mesa – olha para os lados e não tem coragem de ir embora. Esse sol absurdo, essa miséria aguda, essas pequenas humilhações diárias... Sinto nele o cansaço dos séculos. Fico com vergonha. Não sei bem de quê. Olho pro outro lado. Sempre faço isso.

Uma moça, muito bronzeada, com contornos de montanha gentil, não deixa muito espaço para essas dores. Passa, próxima, rumo ao chuveiro. Terá o que, dezenove anos? É linda, está visivelmente satisfeita com seu bronzeado e com a vida, traz a graça leve de uma existência feliz. Já tinha quase esquecido esses pequenos prazeres ingênuos de mar e de sol — como é bom ver mulher bonita de biquíni! É uma mistura de prazer com leve aflição.

Ver mulher bonita de biquíni dá trabalho; trabalho dá fome; eis que ficamos com vontade de comer. E comemos uns honrados acarajés, uns preclaros peixinhos fritos — com tomates e cebolas devidamente presentes — até, depois, meu irmão se aventurar nuns siris cheios de patas, mas preferi repetir o preclaro peixinho — que estava muito bom!

E o bom mar nos convidava para um banho — achei deselegante recusar. Mergulhei, muitas e tantas vezes, querendo compensar meus dias de distância. O mar agradeceu a consideração e combinou com o sol, no fim de tarde, um suave espetáculo de beleza esplêndida, acho que só para mim.

Eu, em confortável cadeirinha que me deixa quase deitado, exercendo a nobre função de vigiar o pôr-do-sol, acho a experiência humana na Terra algo muito bonito e certo, acho que os planetas, nessa sublime confusão celeste, vão muito bem, os pingüins do Alasca não podem estar mal, o Brasil não faz feio e até minha vidinha, essa coisa freqüentemente estúpida, é, pensando bem, bem simpática. E diria mais, se vocês, mal-humorados, não estivessem por perto olhando.


Comentários

Debora Bottcher disse…
Valha-me... Uma tarde assim, com peixinho, mar aberto e azul, por do sol no horizonte, uma música, ainda que triste, e meu dia não seria tão mal-humorado. :))
Beijo, moço. Adorei esse cenário.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …