Pular para o conteúdo principal

FALANDO DE VOCÊ
>> Felipe Peixoto Braga Netto

“Belo Horizonte foi a maior surpresa da minha vida. Permitiu-me ver no Brasil coisa que jamais esperei: uma cidade à qual coubesse, com absoluto rigor, a classificação de bela”. 
(Monteiro Lobato)


Um dia escreverei um guia de Belo Horizonte. Um roteiro lírico. Um convite ao leitor para descobrir comigo ruas, praças, bares e bairros. Enquanto não faço isso, vou me distraindo pensando no que me faz gostar de você, Belo Horizonte.

Porque gostar é engraçado. O que nos faz gostar de alguém? Você pode sempre racionalizar a resposta, mas verá, no fundo, que não é tão simples assim. Há sempre algo que não se explica, mas se sente. Ou que se sente mais do que se entende. O que define o amor é algo indefinível, com o perdão da péssima frase.

Seria bom (seria?) se pudéssemos pôr uma certa ordem no amor. Gostar de alguém que tenha essa e aquela característica. Mas as coisas não são assim. O que nos faz gostar de alguém é um conjunto de fatores até certo ponto incontroláveis.

Mas estou fugindo do tema. Quero falar de você, Belo Horizonte. Quero saber o que me faz gostar assim. Será o fim de tarde tão azul? Serão aquelas árvores, tão gentis, que parecem mães imensas oferecendo compreensão?

Há momentos, convenhamos, que Belo Horizonte exagera. Não precisava tanto. Me diga, precisava essa manhã tão luminosa desperdiçando beleza? Precisava essa gentileza comovente que os trabalhadores, especialmente os mais humildes, carregam com alegria? Precisava lembrar, a todo instante, que Deus existe e que aquele pássaro amarelo e preto é um de seus irreverentes embaixadores anônimos?

O pessoal fala tanto em paraíso... Não quero contar vantagem, mas isso aqui para mim está bom. Mais eu não mereço. Desconfio até que mereço menos. Enfim, sou suspeito, não nego. Se Belo Horizonte fosse processada, eu não poderia depor a seu favor. Seria daqueles que os juízes chamam de suspeitos. Um ser desprovido de isenção. "Se somos íntimos? Sim, excelência, confesso que sim. Belo Horizonte me conhece melhor do que eu. Ela sempre me perdoou. Mesmo quando eu não merecia perdão."

Minha tese é que Belo Horizonte é o Rio dos anos cinqüenta. Tem charme, delicadeza e uma certa ingenuidade. Tem aquilo que encantou o mundo no passado. Claro, falta o mar. Mas o mar aqui é interior. Há tantas formas de mar, meu Deus, aquele molhado é só o mais óbvio.

Choverão críticas raivosas. Não mereço tanto... É só uma opinião vagabunda. Se eu fosse vocês, não me incomodaria com ela. Mesmo porque daqui a pouco mudo de opinião, aí vocês vão ficar com raiva de uma coisa morta, vê se vale a pena...

Eu só quero dizer, Belo Horizonte, que gosto de você. Gosto demais. Quem mais traz esse discreto charme sutil nas pequenas, nas grandes coisas? Nem todo mundo vê, é verdade, mas aí o problema é deles, não seu. Eu diria até que te amo, mas já gastaram tanto esse verbo que ele não traduz a coisa bonita que acontece aqui dentro quando a gente se encontra e eu, um ser tão sem graça, fico imenso, quase feliz.


Comentários

Felipe, eu que só conheci BH de passagem, numa noite fugidia a caminho de Ouro Preto, devo confessar que fiquei tentado. :)
Ana Lucia disse…
ahhh, que linda declaração de amor! Se fosse pra mim eu já dizia: sim, eu caso!
hehe!
Lucas Conrado disse…
Acabei de chegar de Belo Horizonte. Estou com o coração dolorido, morrendo de saudade da cidade. Sou muito fã do Felipe e esse texto só reforça o quanto sou fã dele.

Ele consegue descrever, como poucos, o que a gente sente pela cidade. Quem dera eu conseguisse declarar meu amor por Belo Horizonte como ele faz.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …