quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

É TARDE >> Kika Coutinho

Sei que está um pouco tarde, mas como já descumpri as minhas primeiras promessas para 2010, resolvi refazê-las, de forma mais realista.

Quanta pretensão desejar coisas grandes em um mundo já tão farto de grandiosidades. Quanta tolice desejar a mega-sena da virada quando se tem um bebê saudável e perfeito... Como eu ganhei na loteria quando minha pequena filhota nasceu, há pouco mais de um mês, resolvi pensar melhor e desejar aquilo que realmente importa.

Desejo que o elevador não demore tanto, por exemplo. Que eu não enfrente congestionamentos monstros. Que eu não pegue nem gripe nem resfriado, mas que pegue boas energias, boas liquidações, bons projetos.

Que o cabelo fique bom, esteja sempre repartido do lado certo e que sempre dê tempo de lavá-lo. Tempo. Ah, o tempo... Pode haver melhor coisa para ganhar-se em 2010? Tempo! Tô preferindo tempo à mega-sena da virada. Aliás, quem busca grana, busca, no fundo, comprar tempo. Quem quer ganhar na mega-sena quer deixar de trabalhar, deixar de ter obrigações, deixar de ir ao banco, ao Detran, ao cartório autenticar uma via de qualquer coisa. Quem quer ganhar dinheiro, quer mesmo é tempo. Tempo para tomar um banho longo, tempo para preparar um bolo, tempo para fugir da cidade, tempo para dormir até mais tarde, tempo para ver os filmes e ler os livros atrasados. Tempo para ver o sol e a lua lá fora. Tempo para viver, entender o que parece incompreensível, para aceitar o que nos é inaceitável e tempo, até, para errar e corrigir o que ainda tiver conserto.

Eu desejo tempo para estar próxima aos que amo, quando estarei longe dos que sequer gosto. Que absurdo gastarmos essa preciosidade que é o tempo com aqueles por quem não temos afeto...

Eu desejo, portanto, que meu tempo seja bem gasto com boa comida, boas pessoas, grandes amigos e maiores amores. Desejo rir até doer a barriga, pelo menos uma vez por mês, o que é bem pouco, na verdade.

Desejo dias de sol, alguns de frio — bem poucos se possível — só pra dar um charme. Desejo mesmo é vestir blusa de alcinha, vestidinhos rodados e havaianas nos pés. Desejo a pele meio bronzeada e desejo fazer as unhas toda semana, sem falta.

Desejo um beijo de boa noite a cada adormecer, um abraço apertado a cada partida e a cada volta, um longo silêncio de amor, um aconchego quente quando estiver frio, um picolé geladinho no calor.

Desejo tantas coisas importantes que, de repente, num instante, a mega-sena da virada parece uma enorme pechincha, um prêmio de consolação, uma bobagem, quando se pede toda essas preciosidades que ando querendo...

Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Ana, antes de mais nada tenho que agradecer a Sofia por ter liberado você pra voltar a escrever. :) É um prazer aposentar as justificativas e retomar os comentários. Eu me senti um milionário lendo sua crônica: tempo não tem me faltado nos últimos meses, e espero continuar dispondo dessa riqueza.

Ana Lucia disse...

que lindo! Eu quero tempo também! Tempo pra ser mais feliz.

___thiléo disse...

Todos somos felizes, só não temos tempo de perceber!