Pular para o conteúdo principal

É TARDE >> Kika Coutinho

Sei que está um pouco tarde, mas como já descumpri as minhas primeiras promessas para 2010, resolvi refazê-las, de forma mais realista.

Quanta pretensão desejar coisas grandes em um mundo já tão farto de grandiosidades. Quanta tolice desejar a mega-sena da virada quando se tem um bebê saudável e perfeito... Como eu ganhei na loteria quando minha pequena filhota nasceu, há pouco mais de um mês, resolvi pensar melhor e desejar aquilo que realmente importa.

Desejo que o elevador não demore tanto, por exemplo. Que eu não enfrente congestionamentos monstros. Que eu não pegue nem gripe nem resfriado, mas que pegue boas energias, boas liquidações, bons projetos.

Que o cabelo fique bom, esteja sempre repartido do lado certo e que sempre dê tempo de lavá-lo. Tempo. Ah, o tempo... Pode haver melhor coisa para ganhar-se em 2010? Tempo! Tô preferindo tempo à mega-sena da virada. Aliás, quem busca grana, busca, no fundo, comprar tempo. Quem quer ganhar na mega-sena quer deixar de trabalhar, deixar de ter obrigações, deixar de ir ao banco, ao Detran, ao cartório autenticar uma via de qualquer coisa. Quem quer ganhar dinheiro, quer mesmo é tempo. Tempo para tomar um banho longo, tempo para preparar um bolo, tempo para fugir da cidade, tempo para dormir até mais tarde, tempo para ver os filmes e ler os livros atrasados. Tempo para ver o sol e a lua lá fora. Tempo para viver, entender o que parece incompreensível, para aceitar o que nos é inaceitável e tempo, até, para errar e corrigir o que ainda tiver conserto.

Eu desejo tempo para estar próxima aos que amo, quando estarei longe dos que sequer gosto. Que absurdo gastarmos essa preciosidade que é o tempo com aqueles por quem não temos afeto...

Eu desejo, portanto, que meu tempo seja bem gasto com boa comida, boas pessoas, grandes amigos e maiores amores. Desejo rir até doer a barriga, pelo menos uma vez por mês, o que é bem pouco, na verdade.

Desejo dias de sol, alguns de frio — bem poucos se possível — só pra dar um charme. Desejo mesmo é vestir blusa de alcinha, vestidinhos rodados e havaianas nos pés. Desejo a pele meio bronzeada e desejo fazer as unhas toda semana, sem falta.

Desejo um beijo de boa noite a cada adormecer, um abraço apertado a cada partida e a cada volta, um longo silêncio de amor, um aconchego quente quando estiver frio, um picolé geladinho no calor.

Desejo tantas coisas importantes que, de repente, num instante, a mega-sena da virada parece uma enorme pechincha, um prêmio de consolação, uma bobagem, quando se pede toda essas preciosidades que ando querendo...

Comentários

Ana, antes de mais nada tenho que agradecer a Sofia por ter liberado você pra voltar a escrever. :) É um prazer aposentar as justificativas e retomar os comentários. Eu me senti um milionário lendo sua crônica: tempo não tem me faltado nos últimos meses, e espero continuar dispondo dessa riqueza.
Ana Lucia disse…
que lindo! Eu quero tempo também! Tempo pra ser mais feliz.
___thiléo disse…
Todos somos felizes, só não temos tempo de perceber!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …