Pular para o conteúdo principal

DESCONFORTO TORÁCICO >> Leonardo Marona

tenho chorado ao assistir a filmes antigos e trágicos

em tardes pretas e brancas

desvanecidas em cinzas cômicas.

tenho chorado ao ver pergaminhos tortos

formados por formigas prenhas de velhos vícios

sobre a mesa da cozinha listrada.

tenho chorado pelos espaços vazios

entre as pedras portuguesas

do centro da cidade.

tenho chorado ao consultar o dicionário

sobre o verdadeiro significado

da palavra colear.

tenho chorado mais do que o chuveiro

sobre poros d’água coleados de miragens.

tenho chorado ao ler cartas amareladas

que escrevi a mim mesmo

depois de rasgá-las.

tenho chorado ao lembrar de mãos

com unhas vermelhas e gastas

prendendo cuecas no varal de náilon.

tenho chorado ao me lembrar

de que não lembro nada

sobre nossa infância ancestral.

tenho chorado sempre que vejo alguém chorar

em silêncio escondido por mãos fratricidas.

tenho chorado ao jogar moedas de farpas

a um senhor que não movimenta mais as pernas

e vive dentro de uma caixa de papelão

– porque ele sorri mais do que você e eu.

tenho chorado por quartos escuros no meu coração

lotados de crianças enfartadas.

tenho chorado por jóqueis novatos de Belford Roxo

que ganharam os últimos dezessete páreos.

tenho chorado por pugilistas aposentados.

tenho chorado por bailarinas degadianas:

prostitutas em calos impressionistas.

tenho chorado por não conseguir evitar

a chuva tórrida de discussões hipócritas

que inunda de tédio a verdadeira mentira.

tenho chorado quando nuvens de dentes

sangram as gengivas da loucura paciente

de entregar um dossiê de rosas eufóricas

à faca azul celeste do Parque Farroupilha.

tenho chorado sentado sobre paradigmas

porque uma menina que lê à beira do lago

virou reflexo bêbado no espelho d’água.

tenho chorado porque falo e ouço falarem de amor

como se isso nos desse algum tempo a mais.

tenho chorado com falta dos meus pais

enquanto a barba cresce inadvertidamente.

tenho chorado ao ler Carlos Drummond de Andrade

quando ele diz que está preso à sua classe

e a algumas roupas vestidas de náusea.

tenho chorado por um pássaro de peito amarelo

que fez um buraco no chão de terra com o bico:

os olhos estalados por algo que não admito.

tenho chorado por tanta gente que nem conheço

que acabo vazio de tudo e, súbito, me esqueço

dessa falácia que é "conhecer a si mesmo".

tenho chorado tanto e por tanto tempo

confundindo vinho com ressentimento

e desconfiado de que talvez tudo isso

importe ainda menos aos ciscos livres:

cólicas dançarinas que norteiam o ventre

do sorriso estuprado pelos olhos do meu rifle.

http://www.omarona.blogspot.com/

Comentários

Lindo, lindo, lindo, Léo!
Brunno Leal disse…
bela cronica!
Meu blog tb é de cronicas, se interessar, dá uma passada lá!
abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …