Pular para o conteúdo principal

Batendo na gramática
>> Felipe Peixoto Braga Netto

"A gramática precisa apanhar todos os dias
para aprender quem é que manda no texto"
(Luis Fernando Veríssimo)

Que inveja dos escritores de antigamente... Não existia esse maldito corretor ortográfico nos computadores. Alguém sabe como se tira isso? Do meu ele não sai, parece um fiscal, severo e implacável, com um dicionário debaixo do braço, pronto a apontar meus erros. Que diabo!

Não dá pra escrever em paz. Escrevo com medo. Escrevo e dou uma espiada, de canto de olho, meio que pedindo, submissamente, aprovação. Por exemplo, esse submissamente não foi aprovado. Lá está ele, coitado, sublinhado, escandalosamente, em vermelho. É uma maldade, com as palavras e com os escritores.

Porque, não sei se sabem, mas há palavras tímidas como há pessoas tímidas. Palavras que não se sentem bem sublinhadas, ainda mais em vermelho. O que pensarão as outras? Lá está ela, sem nenhuma colega — sozinha entre duas vizinhas — marcada com espalhafatosas linhas rubras.

Imagino o suplício de Guimarães Rosa no computador. Sua tela seria de uma vermelhidão só. Rara, raríssima, seria a palavra sem a reprovação vermelha. Acho que ficou livre dessa. Se não, talvez tivesse encantado mais cedo, de raiva. Eu já estou quase lá, quase pegando minha mala para visitá-lo, desgostoso com esses chatos seres informáticos que tudo sabem.

É um pouco humilhante... A espécie a que pertenço, bem ou mal, está nesse planeta há um tempão. O computador é um recente intruso. Não fica bem querer corrigir o homem a todo instante. Deviam ser mais humildes. Não entendo muito de computadores, admito, mas desconfio que o meu tem um prazer supremo em me ver escrevendo besteira, só pra pensar em vermelho: esse Felipe é uma besta!

Sim, eu sei, há escritores que adoram encontrar uma palavra não dicionarizada. São os espíritos inventivos, rebeldes, iconoclastas. Triste, reconheço que não sou assim. Não sei brigar com o corretor. Se ele diz que estou errado, acato. Afinal, ele é amigo dos dicionários, gente de muita letra, eu é que devo estar enganado.

Eventualmente me rebelo. Discutimos ferozmente. Que negócio é esse — brado, furioso — de falar que errei? Você que é um ultrapassado classificador de palavras mortas — digo, exagerando.

Ele não se enerva, e isso é que mais me enerva.

Segue, silencioso e tranqüilo, pronto para, à primeira falha, usar sua invisível caneta vermelha. O pior é que o detestável ser percebeu que tem alguma influência em meu texto. Finjo que não me importo (não quero aumentar o cartaz do abominável informático), tento fingir, mas depois, como quem não quer nada, vou lá e ajeito a frase, tirando-lhe o vermelho incômodo.

Não posso jurar, mas acho que já ouvi, nesses instantes, uma risadinha irônica saindo das caixas de som.

Mas o bom da vida são suas voltas. Um dia da caça... Ou, se preferirem: Quem ri por último... É, caro ser digital: percebo, um pouco espantado, que você não conhece a palavra transgênico. Olha ela aí toda vermelhinha. Percebo-lhe certa desatualização. Coisa triste e grave para um computador. Não queria, juro que não, mas sinto que terei que trocá-lo por um irmão mais novo. É a tal da seleção natural.

Chego na loja, e, dentre a confusão eletrônica disponível, serei claríssimo, explicando:

— Quero um computador burro. Sim, burro, que não fale, de preferência, português.

E aí, quem sabe, voltarei a escrever em paz. Errando muito e à vontade.

Comentários

C. S. Muhammad disse…
Excelente! Sempre achei mesmo que corretor ortográfico tivesse vida (não inteligente)própria. Adorei também imaginar Guimarães Rosa levando o cérebro eletrônico à loucura! :)
Ana Lucia disse…
Muito bom! Mas seu corretor ortográfico já acatou a reforma gramatical?
Maravilhoso! Adorei seu post!
Elenise Evaristo disse…
Confesso que queria ser do tempo da máquina de escrever...
Gaspar Lourenço disse…
Olha, adorei xta cronica deu mesmo para ver que tens muito talento

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …