Pular para o conteúdo principal

O RELÓGIO [Debora Bottcher]

O relógio de pulso estava parado. Às nove horas, um minuto e treze segundos do dia sete, ele estancara no tempo.

Ela nunca saberia se da manhã ou da noite ou mesmo de que mês. Não notara. Desacostumada a horários, nunca se guiava por seus próprios relógios. Às vezes, até se surpreendia de que já era hora do almoço, de ir para casa, tão tarde e ainda não adormecera, tão cedo e já estava acordada... Quase nunca se atrasava, mas era guiada por um sinal interno, qualquer coisa como a posição do sol ou o brilho da lua...

Mas o relógio, de desconhecido valor - já que nunca vira outro igual em nenhum lugar -, a acompanhava por todos os cantos do mundo, onde quer que andasse. Gostava dele...

Agora, na penumbra do quarto, olhava-o sobre a mesinha da cabeceira... Era domingo. No dia anterior percebera que ele não mais funcionava. Alcançou o telefone e ouviu a telefonista digital informar: “sete horas e quarenta e dois minutos”... Ela chegara em casa no meio da madrugada e quase não acreditou que dormira tão pouco.

Continuou olhando o relógio, quieto sobre a madeira escura, silencioso, ponteiros inertes, despreocupado.

Lembrou-se do dia em que ele viera para ela. Era um dia comum... Nenhuma data especial para ganhar um presente. Não se tratava de nenhuma comemoração e nada havia na expressão do momento que justificasse o gesto de alguém chegar trazendo nas mãos uma caixinha de veludo branco, pequena e delicada.

Mas lá estava ela, a mesa repleta de papéis espalhados, os telefones tocando, a confusão geral de uma manhã - ou será que era à tarde? - tumultuada de compromissos sempre inadiáveis, a bagunça extraordinária que conseguia fazer com suas responsabilidades, quando, no meio do caos, viu a porta de sua sala abrir-se e o rapaz que a recepcionista anunciara como alguém com uma encomenda para ela, entrou e sorriu.

Pediu que assinasse o formulário que descansou à sua frente e colocou sobre a mesa de vidro o embrulhinho. Rabiscou seu nome, agradeceu-lhe devolvendo o sorriso e ele se foi.

Ela tinha uma reunião e, apressada, pegou rapidamente as pastas que necessitava e saiu deixando esquecido algo que não lhe chamara a atenção e, portanto, não era importante, podia esperar...

O escuro se espreitava pelas brechas quando ela voltou, exausta e aborrecida. Pousou sobre a mesa o copo de água que segurava e começou a arrumar a papelada que se comprimia no espaço de sua organização.

Foi então que esbarrou na caixinha, derrubando-a no chão. Abaixou-se e pegou-a. Por um relâmpago de luz que piscou em sua memória, refez o instante em que tal objeto fora deixado ali.

Observou-a fechada em suas mãos, parecendo estranhamente hipnotizada, uma energia oculta tomando conta do lugar, um frio repentino pairando na ausência de barulhos de uma empresa vazia.

Colocou-a sobre o vidro e recostou-se na cadeira, quase querendo tomar distância, como se estivesse diante de um perigo iminente.

Olhou a escuridão através das persianas imaginando que horas seriam... Respirou fundo e, parecendo possuidora de uma coragem sobre humana, moveu o fecho dourado levantando vagarosamente a pequena peça movediça.

E lá estava, olhando para ela, o relógio. Um relógio prateado que anunciava a meia noite. O ar pareceu faltar por um instante, ela descompreendeu o significado de tudo, alegria e susto palpitando sua alma.

Tirou-o de seu conforto e segurou-o delicadamente junto ao peito, um tesouro descoberto no deserto, um mistério além da sua imaginação. Nenhuma identificação, nenhum bilhete...

Levantou-se, temerosa e estremecida, apoiando-se na janela para divisar o início da madrugada, perdida em suas luzes e sons.

Em cada facho de iluminação que entreviu tentou adivinhar em que ponto da cidade se escondia quem lhe enviara um marcador de tempo.

E foi sem surpresa que deu-se conta de que, naquela manhã, já se iam cinco anos desde então e ela ainda não descobrira...

Comentários

Bela história, Debora! Merece até uma continuação. :)
Debora Bottcher disse…
Ah! Eduardo... Vc podia continuar, né? Eu só conheço o começo das histórias, pois pra mim elas são sempre sem fim... :)
Beijo. Sempre obrigada pelo carinho.
Carla Dias disse…
Sempre bom te ler, Deborah. Beijos de cá!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …