Pular para o conteúdo principal

COURO DE LOBISOMEM >> André Ferrer

Quando surgiu no cenário internacional, Lula causou certo movimento na imprensa. Trataram-no mesmo como uma versão tropical do Lech Wałęsa. Um prato cheio para a eterna campanha política do PT no Brasil. Hoje em dia, está claro que foi mais pelo exotismo da figura do ex-presidente do que pelo seu conteúdo. Quem vai às fontes originais, na imprensa internacional, e sabe filtrar as mentiras e distorções incorporadas às notícias vindas de fora, está consciente de que se tratou de uma chuva de verão.

Recentemente, Lula foi a Portugal, onde declarou que o Poder Judiciário brasileiro conduziu o julgamento do Mensalão de forma duvidosa. “O tempo vai se encarregar de provar que no mensalão você teve praticamente 80% de decisão política e 20% de decisão jurídica” disse à emissora de TV RTP.

Algumas semanas depois, no mesmo programa e no mesmo canal, Ney Matogrosso criticou o governo brasileiro e, principalmente, os caminhos escolhidos para o tão propalado combate à pobreza.

Na opinião dele (que, hoje em dia, não é uma exclusividade da direita), os programas sociais do PT poderiam atender por outros nomes. Para Ney (e para muitos brasileiros), o Bolsa Família é uma política de troca de favores e, jamais, uma relação cidadã envolvendo direitos e deveres.

As declarações do cantor em Portugal incomodam porque têm peso. Trata-se de um artista respeitado na América Latina e em todos os países lusófonos. Tem uma carreira respeitável e legítima, baseada na sua voz, na sua presença de palco, no seu grande talento interpretativo. Neste caso, é um discurso verdadeiro feito por um mestre da encenação. No caso de Lula, a interminável e mal-ajambrada encenação de um político profissional. Aliás, o tipo de encenador sem talento algum, que interpreta os piores roteiros escritos pelo pessoal do marketing partidário.

Nessa linha de raciocínio, Ney Matogrosso é de longe mais confiável e seria ótimo que as personalidades do nosso país tomassem os seus devidos lugares como formadores de opinião. De maneira responsável e verdadeira, é claro, como fez o cantor. Nos palcos do meio artístico e nas bancadas do telejornalismo, fala-se muito dessa responsabilidade, porém o que mais se vê e o que mais se escuta é pura hipocrisia.

Quanto ao Bolsa Família, programa criticado pelo cantor na entrevista à emissora portuguesa, a obrigatoriedade de manter filhos na escola depende de fiscalização. Há fiscalização? Há muitos direitos e poucos deveres nesse caminho duvidoso para a erradicação da pobreza que, da forma como existe, mais parece um eficiente sistema de compra de votos. Uma ilegalidade disfarçada de programa social.

Comentários

André, a coisa não é tão "branco no preto" em nenhum dos dois lados. Nem o Bolsa Família pode apenas servir como instrumento eleitoreiro nem o Ney Matogrosso tem uma opinião tão imparcial assim. Aqui no Brasil a gente julga muito, pensando que o certo está de um lado e o errado, do outro. Mas não é assim: há certo e errado em cada lado.
Unknown disse…
O que me chamou mais a atenção na entrevista foi a "dificuldade" de o jornalista português acreditar no que o Ney estava lhe contando. Só faltou dizer "Mas como, o Brasil não é aquele país das maravilhas que nos venderam aqui na Europa?"...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …