Pular para o conteúdo principal

POR UM INVERNO FACULTATIVO >> Mariana Scherma

Na primeira semana mais gelada do ano, não me ocorreu nenhum outro tema pra escrever a crônica de hoje. Desculpe. Pode ser que eu até já tenha detonado o inverno neste espaço (mais de uma vez), mas não custa deixar mais claro ainda o quanto eu desprezo essa temporada. Frio deveria ser facultativo. Você quer se sentir congelado? Sim? Ok, vá em frente. Não? Eis aqui sua passagem para o nordeste. Fique lá até o inverno ir embora. Mesmo ainda sendo outono... O que me deixa irritada no frio é que tudo fica mais difícil — tirando dormir, obviamente. Como não dá pra hibernar feito urso (alô, deuses, vamos conversar sério na próxima encarnação), achei digno listar minhas maiores dificuldades nessa fase. Você pode concordar ou só achar que eu sou reclamona mesmo. Fique à vontade.

Não existe abrigo pra tudo. Você se enche de casaco, põe meia de lã, luva, touca, mas... o nariz segue gelado. Porque ainda não inventaram nada que permita respirar e deixe o pobre nariz numa temperatura que não seja igual à de um cubo de gelo. E digitar nesse frio? Pobres pontas dos dedos.

“Toma uma sopa, esquenta”. Tenho uma leve vontade de socar quem me diz isso. Tomar uma sopa no frio em sua própria casa envolve picar legumes, mexer com água, lavar a louça depois. Ah, tá, tem aquelas de saquinho. Mas é puro sódio, nem por todo frio do mundo eu vou ficar inchada e com tendência à pressão alta.

Os passos infinitos entre o vestiário da natação e a piscina. São, no máximo, uns 15, mas no inverno eles parecem A Maior Caminhada do Universo. Eu juro que sinto meu sangue congelando nas veias. Depois, pra sair da piscina quentinha e voltar para o vestiário, a caminhada fica maior e mais sofrida.

Tipo cebola. Você sai de casa cheia de blusa, chega em casa, vai tomar banho, tem que se descascar inteira. Eu me sinto uma cebola antes de ser picada para o refogado. Frio não é prático. Frio sempre faz você chegar atrasada, isso se chegar, caso não tenha desistido no meio do caminho.

Tomar cerveja fica impossível. Cerveja boa tem que ser trincando de gelada, mas no frio, ôh que difícil, mas nem vou reclamar disso, porque o vinho esquenta. E é bem bom.

A puxada arte de tomar banho. Eu tenho uma técnica: antes do banho, coloco uma música animada, danço até suar e entro sem pensar, de cabeça e tudo. Poderia ser mais fácil se eu me rendesse à temperatura polar do chuveiro, mas morro de dó da minha pele e do meu cabelo. Não quero ter madeixas de vassoura.

E um dos itens mais difíceis. Nesse caso, para os meus olhos. Usar bota no frio é bonito, elegante e tal, mas aqui em Bauru, pelo menos, tem tanta gente que usa calça larga por dentro da bota que às vezes acho que estou no Sul, numa festa típica de gaúcho, os fandangos, sabe? No Sul, ok. Mas aqui em Bauru... Zero a ver.

Também, como você que leu esta crônica deve ter notado, é difícil aguentar meu lado ranzinza que acaba sendo elevado a nongentésima nona potência. Um pedido final: que o inverno chegue logo pra começar a ir embora, por favor.

Comentários

Apoiada, Mariana! Até aqui em Fortaleza, que não tem inverno, já estou dando graças a Deus porque a temporada de chuva (e lama) está passando. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …