Pular para o conteúdo principal

AQUELE SONHO E AQUELA MÚSICA DO LED ZEPPELIN
>> Carla Dias >>



Noite passada, sonhou que estava bem longe do seu apartamento de quarto, sala, cozinha, banheiro e minúscula área de serviço, situada no centro de bairro pelo qual se apaixonou há quase duas décadas. Sonhou que seus pés pisaram neste lugar que tinha como quintal o mundo, e inteirinho, espaçoso, com direito à grama verdinha e uma vista de inspirar suspiros.

Acordou do sonho, estava pronta para fazer as malas e se mudar para aquele lugar. Onde seria mesmo? Ah, que a memória anda capenga, com tantos dados, estratégias a serem analisadas e aplicadas, relações diplomáticas a serem sustentadas por positivismo decorado de lista com as principais frases de autoajuda.

Quando foi mesmo que a vida ficou entremeada com armadilhas?

Ao comentário recorrente “o tempo anda passando tão depressa”, nunca deixa de dizer o que pensa a respeito, talvez em uma tentativa de justificar o tanto de tempo que dispensa com o que talvez não mereça assim tanta atenção. Para ela, não é o tempo que anda passando depressa, mas nós que só fazemos é acumular funções, profissionais e pessoais, que mal cabem nas vinte e quatro horas do dia.

Só sabe sossegar a cabeça assistindo novela, que é calmante para os muitos pensamentos que a assaltam, quando bate cartão em casa, depois de um dia com lista de afazeres não concluídos. Chá de camomila ajuda, mas não nesse calor que só a faz rezar para que o inverno chegue logo, que o frio sempre a faz se sentir mais feliz.

Durante uma cena, muito mal dirigida, por sinal, da novela-calmante, ela se desliga do agora e tenta acessar o tal sonho. A curiosidade sobre que lugar era aquele, onde ela se sentia pertencente ao universo, e não apenas à lista de clientes da tevê a cabo, dos fadados a receber telefonemas do telemarketing, diariamente. Outro dia, a atendente perguntou por ela em um tom tão íntimo, que ela pensou que fosse uma amiga, e respondeu um “há quanto tempo!” todo saudoso. A moça continuou no engano, mas somente durante o cabeçalho do texto decorado. Bastou entrar no assunto “a senhora foi selecionada para ser beneficiada pela promoção...”, que ela amiudou, pediu desculpas e nem esperou a insistência da atendente para desligar o telefone. Não é de desligar telefone na cara de ninguém, mas a atendente passou do limite.

Foi para a cama mais cedo, mas não sem antes deixar a iluminação do quarto aprazível, acender um incenso – mirra, sempre – e colocar um CD que veio de brinde em uma revista de meditação, que ela ganhou por ter feito mais de R$ 300,00 em compras no supermercado. Aliás, ela comprou quase nada nesse dia, e pensa em como a vida anda cara.

Acontece que o sono foge dela, que apaga a luz para ver se isso a ajuda a dormir, que tem reunião amanhã cedinho, precisa estar bem vestida e com o sorriso a tiracolo, as palavras afiadas e o charme decorado. Daí que se irrita com a música de meditação, pega os fones, para escutar música e abafar o barulho dos meninos do skate da madrugada, que aproveitam a rua vazia para treinar as suas manobras e endoidecer os que precisam dormir. “When The Levee Breaks” não é canção de ninar, mas Led Zeppelin é tão bacana que ela prefere ficar acordada em boa companhia.

A reunião segue, com cada um dos presentes defendendo a sua parte do negócio. Ela está distraída, que passou a noite em claro, tentando se lembrar do sonho, que já começa a pensar ter sido uma memória, que ela sente o cheiro da terra, quando a chuva cai, e escuta o vento se esticar rumo ao horizonte. E quando alguém lhe pergunta sobre o que dizem as estatísticas, ela o encara, em silêncio. É que, neste momento, a única coisa que reverbera em sua cabeça é a música do Led Zeppelin.

Ela sorri para pessoas que não entendem sorrisos quando precisam da seriedade para endossar profissionalismo. Ela sorri, porque se é para dar branco, que seja com uma música do Led Zeppelin de trilha sonora.


WHEN THE LEVEE BREAKS - LED ZEPPELIN

Comentários

Zoraya disse…
Carla, sensacional essa, maravilhosa, como sempre, aliás, né? E colocar Led Zeppelin é covardia!
Beijos
Carla Dias disse…
Zoraya... Não colocar Led Zeppelin seria pecado, então... Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …