Pular para o conteúdo principal

TRATO FEITO - PARTE II >> Zoraya Cesar


Paciência, eis a arma dos fortes, filosofava a loura Michelly. O plano que Jorge traçara para viver às custas do casal até o último centavo estava funcionando. Ela conseguira convencer o ex-marido de Heloísa que esta não era nenhuma santa e o traía há muito tempo, fora tudo um plano para ele sair de casa de mãos abanando. 

Heloísa estava mal. O atual companheiro só gastava e o ex-marido a perseguia, acusava e ameaçava, exigindo a divisão de bens – dos bens dela, bem entendido. Foi nessa época que lhe chegou às mãos um envelope, sem identificação, contendo diversos documentos e uma carta. Nela, o anônimo missivista revelava que Jorge era estelionatário escorregadio e perigoso, que já tentara matar uma de suas vítimas. A polícia procurava há tempos as provas que Heloísa agora possuía, junto com a oportunidade de vingar todas as mulheres que o miserável deixara na pobreza ou aviltamento.

Nervosíssima, ela entrou em contato com o aposentado advogado criminalista que cuidara dos interesses de seu pai, e levou-lhe os documentos. O velho causídico leu, releu, fez alguns telefonemas aqui e ali, e deu o veredito, sucinto e categórico:

 Minha filha, as provas são incontestes, esse Jorge é bandido da pior espécie. E seu ex-marido é uma besta, pois a tal Michelly é cúmplice.

Heloísa não acreditava na sua sorte madrasta. Casara com um banana, um frouxo, aproveitador, que na primeira oportunidade a largara por uma perua loura e agora tentava lhe extorquir dinheiro. Depois se amasiara com um estelionatário com tendências homicidas. Chorando muito, disse, resoluta:

 Quero me livrar dos dois. Definitivamente e para sempre  reiterou.

 Isso tem um preço alto, você sabe.

 Eu pago. Hoje, agora, o preço que for, quero esses dois fora da minha vida — foi uma nova Heloísa, firme, vingativa e artimanhosa a que saiu daquela conversa.

Jorge, malandro velho de muitos carnavais, nada percebeu. Ou porque estivesse mesmo ficando velho, ou porque ficara por demais crente na própria esperteza.

Pouco tempo depois a pacata vida do condomínio — já acostumado à estranha troca de casais — foi agitada pela chegada de dois policiais, que levaram Jorge preso, acusado de estelionato e tentativa de homicídio. Curioso é que ele nem chegou a esquentar na delegacia. Foi logo morto por um dos detentos, sem motivo aparente...

Em mais duas semanas, outro choque. Levada por uma denúncia anônima, a polícia vasculhou o escritório do ex-marido de Heloísa e lá encontrou sobejas provas de que ele não só burlava o Fisco e enganava o sócio, como também pretendia matá-lo e a Heloísa. Foi preso berrando ser inocente. Talvez até fosse, mas sua vida estava acabada (literalmente acabada, dali a alguns meses morreria atropelado por um carro não identificado). 

Heloísa se vira livre dos dois. Definitivamente. Para sempre. O advogado disse esperar que ela não se arrependesse do preço que pagou.

Não vou me arrepender, sorriu Heloísa. Definitivamente. Nunca.

E agora pergunto eu, perguntam vocês: acabou assim? Não. Essa foi uma equação deveras complexa, cujas variáveis — seres humanos — são por demais surpreendentes.

O que aconteceu, afinal? Aconteceu que há muitos anos, a ainda jovem Michelly caíra na lábia de Jorge e deu um golpe na firma na qual trabalhava. Os patrões não a denunciaram, mas a notícia se espalhou na pequena cidade. Sem ter saída e, ainda apaixonada, ela partiu com Jorge, ajudando-o em seus golpes. Só no dia em que o pegou com outra percebeu ser apenas um títere nas mãos dele, nunca o seu amor, como acreditara. Ameaçou ir à polícia, mas ele lhe bateu e apertou seu pescoço até quase o sufocamento. Nesse dia, Michelly fez um trato consigo mesma: iria se vingar e sumir, sem deixar rastros.

E, para ela, trato feito era trato cumprido.

Quando surgiu a oportunidade, agarrou-a. Mandou as provas incriminadoras para Heloísa e esperou. A paciência é a arma dos fortes, repetia, e, realmente, não perdeu por esperar. Quando Jorge morreu na delegacia, entendeu que algo estranho acontecera e que chegara a hora de partir, antes que a polícia viesse atrás dela. Exatamente no momento em que fazia as malas, a campainha tocou. Ela estremeceu. A polícia? Quem?

Heloísa. Languidamente parada à soleira, cigarro nas mãos, ar petulante, meio sorriso.

  Eu sei quem mandou o envelope — sussurrou. — Mandei examinar as impressões digitais.

Michelly empalideceu. Estava perdida. Iria para a cadeia por tanto tempo que, ao sair, não teria mais vida para viver.

 Não vim aqui pra te ferrar, vim fazer um trato. Se aceitar, a polícia nunca vai te pegar e você ganha um salário. Se não, pode se danar que não tô nem aí.

Michelly esperou. A paciência é a arma dos fortes.

Heloísa tragou mais profundamente o cigarro.

 Quero aprender a ser golpista. Não sei escolher homem e vida de dondoca é muito chata. Vou me divertir e ficar mais rica. Aceita?

Michelly sorriu. Estendeu a mão. Trato feito é trato cumprido.

Comentários

Anônimo disse…
Estou ficando com medo desses personagens, onde está o Felipe Espada???...Beijos. Aglae
Cecilia Radetic disse…
caramba, Zo, surpreendeu mesmo!!! Parabéns!
E viva as mulheres, que de bobas não têm nada!

Cecilia
Erica disse…
Hahaha. O que não fazem uns espertinhos tentando adivinhar o final (quem, eu???? rsrs). Você conseguiu um final mais terrível ainda do que se podia imaginar! Você é S-I-N-I-S-T-R-A! Tenho medo de você! rsrs
Pat Rocha disse…
Zozô, que história! Que imaginação! Adorei!
aretuza disse…
caramba, me pegou!!! adorei o final!
albir disse…
A contista devia permitir que Michely revelasse sua arte para os leitores.
Cristiane disse…
kkkk, adorei! surpreendente...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …