Pular para o conteúdo principal

DE MARÉ, MARÉ, MARÉ >> Eduardo Loureiro Jr.

Minha resolução de ano novo foi ser mais natural: comer mais frutas, verduras, grãos; trocar ambientes artificiais pelo contato direto com a natureza; locomover-me menos a motor e mais com a própria energia de meu corpo. O objetivo está sendo realizado a contento, mas essa semana descobri um efeito colateral...

Percebi-me alternando períodos de ânimo com períodos de desânimo, dias tristes e dias alegres. Não é de hoje que tenho uma certa tendência para o transtorno bipolar ou, usando uma denominação mais antiga, para a psicose maníaco-depressiva. Mas esses próprios nomes, tão pomposos, não seriam apenas uma expressão desse nosso distanciamento científico em relação à natureza? Pois o que tenho sentido, nesses tempos recentes, é que essa alternância de ânimo e de temperamento não é uma mudança brusca e imprevisível, mas um movimento contínuo e cadenciado. Ocorreu-me que talvez se trate de uma maré interna.

Levei muitos anos para saber de que se tratavam as marés marítimas. Se houve explicação em meu tempo de colégio, não recordo. O mar só entrou pra valer em minha vida quando eu já era adulto. Foi quando comecei a caminhar na praia, há dez anos, que descobri que o mar tem duas marés baixas e duas marés cheias por dia, alternando-se a cada seis horas aproximadamente. A altura das marés também varia. Existem marés baixas que ficam realmente ao nível do mar, mas há outras que têm um metro de altura. E também as marés cheias variam bastante seus picos, normalmente entre dois e três metros de altura. O mar seria, então, o psicótico maníaco-depressivo por excelência. Entre uma maré e outra, ele ficaria “normal”, mas sempre uma normalidade que tenderia para a depressão ou para a euforia.

Mas para que patologizar as marés, a dança de roda do mar, se posso naturalizar o meu drama de inconstâncias? Por que não aplicar a mim mesmo o olhar perplexo e apaixonado que lanço ao mar? Por que não aceitar este fluxo que me faz descer e subir, descer e subir, continuamente? Por que não aproveitar a areia úmida e batida das minhas baixas marés para longas caminhadas contemplativas? Por que não permitir a ressaca agressiva e criativa das minhas marés cheias? Eu também deixo fios de espuma e conchinhas na areia quando me recolho. Eu também formo ondas surfáveis quando me expando. Eu também devolvo à praia parte do lixo que em mim despejaram, enquanto purifico outro tanto de impurezas. Eu posso despertar medo e encanto. Eu posso dar caldos e fazer piscininhas. Eu posso me escurecer com as nuvens, me acender com a Lua e resplandecer com o Sol. Eu posso ser o lugar mais quente quando a chuva arrepia em frio. Eu posso refrescar o corpo banhado de suor.

A naturalidade que intencionei para meu ano novo não quis ficar apenas fora de mim. A alimentação e os ambientes naturais me fizeram lembrar da verdade de que eu também sou natural, eu também sou natureza. E assim como a natureza é variada em suas formas, cores e movimento, assim também sou eu: possuo uma unicidade de vida que se manifesta de forma particular, se assemelhando aqui e acolá a outros elementos da natureza, como o meu amado mar.

Além de consultar a tábua de marés oficial, estou agora a observar minhas próprias marés para ver se é possível definir uma tábua, um calendário, que seja útil para mim mesmo e para as pessoas que têm que conviver com meu interno mar bravio. Pois sou pobre, pobre, pobre, de maré, maré, maré. E sou rico, rico, rico de maré de mim.

Comentários

Tia Monca disse…
Lindo! Me lembrou da música da Flávia Venceslau.
"Sou filha do mar e na maré mansa
Basta um riso uma esperança
Pra meu peito concertar
Sou filha do mar e na maré cheia
Tiro o barco da areia
Vou-me embora navegar"
albir disse…
Bem lembrado, Edu. Falamos da natureza como se fosse algo fora de nós. Falamos da vida como se não vivêssemos; como observadores e não como viventes.
Boa lembrança, Tia.
Vivamos, , Albir.
Lilu disse…
Abençoados teus mares acolhidos, altos, baixos, verdes, prateados, dos peixes, sereias, monstros e arraias, redemoinhos e calmarias. Dos caldos medo. Piscininhas nado. Pouco a pouco adentro...
Lilu, parafraseando Zé Ramalho, você tem a palavra certa pra doutor não reclamar. :)
Zoraya disse…
EDUARDO!!, esta é a segunda vez, só nesses últimos dois meses, que uma crônica sua transforma minha vida. Obrigada, pelo texto lindo e pelo despertar, mesmo não intencional.
Zoraya, o mérito da transformação é de quem se transforma. :) Grato por me fazer participar.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …