Pular para o conteúdo principal

QUE FUTURO É ESSE? >> Clara Braga

Com criança, você sabe né, não se pode nem piscar. Imagina então com 24 crianças juntas, às vezes é melhor nem respirar. Mas eu respirei… aliás, respirei e pisquei! Como já era de se esperar, foi o suficiente para um correr até o outro e acertar um chute no colega. O outro não deixou barato, correu atrás do um e revidou. Me senti naqueles cenários de filme americano, quando uma criança começa a brigar com a outra e as outras da turma fazem uma roda em volta dos lutadores e gritam: briga, briga, briga!

Claro, antes que esse cenário pudesse de fato acontecer, eu separei os dois. Me lembrei na hora de um artigo que eu tinha lido que dizia que, quando crianças agem desse jeito, o melhor é conversar com elas como se fossem gente grande e explicar que aquele ato é errado. Bom, fui testar a tal afirmativa. Levei todos para a sala e disse: gente, vamos conversar aqui numa boa, vocês já estão grandinhos, então sei que podemos resolver isso sem chamar pai e mãe na escola, não é mesmo? (Será?). Bom, segui com a minha tentativa: ninguém gosta de ser desrespeitado, certo? E para que a gente seja respeitado como gostamos, o que temos que fazer? Eles prontamente responderam: ser gentil, ser amigo, respeitar nosso colega, pedir desculpas etc. Surgiram várias respostas bem interessantes, então segui com o bate-papo: então, se a gente gosta disso tudo que falamos, se por acaso um colega estiver em um momento difícil, estiver chateado e, sem querer (até porque eu sei que aqui ninguém bate em ninguém por querer, não é mesmo?), bater em você, como você deve agir?

Me arrependo amargamente de ter feito essa pergunta, tive que ouvir coisas como: revidar, lógico, a pessoa tem que entender que ela não tem o direito de fazer aquilo e, pra ela entender isso, você bate! Ou então: vou apanhar e vou ficar quieto? É claro que vou bater de volta, não vou ficar apanhando de graça!

Não acredito que essas crianças tenham compreensão do real significado do que elas disseram, nem da real gravidade do problema. Muito menos cabe a mim dizer que a culpa é da família ou da escola. Mas realmente acredito que em uma época onde as pessoas não se dão bom-dia quando entram em um mesmo elevador, mas se unem para espancar uma mulher até a morte acusando-a de algo que ninguém pode nem comprovar, deveríamos refletir muito sobre a educação das crianças e sobre o mundo no qual elas estão crescendo. 

A verdade, gostemos ou não, é que somos todos um pouco culpados por esse pensamento, e se não quisermos viver em um mundo completamente caótico, se não quisermos que essas crianças sejam as próximas a estarem matando e roubando por aí, está na hora de sairmos da nossa pequena zona de conforto e começarmos a fazer nossa parte. Vamos parar com essa mania de querer fazer justiça com as próprias mãos e vamos nos unir pelo que realmente vale a pena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …