Pular para o conteúdo principal

SEGUNDA CHANCE [Debora Bottcher]

Ela se lembrou do tempo em que se sentavam na escada do colégio fazendo planos de ser feliz: tinha os cabelos muito longos, os olhos brilhantes, o sorriso próprio de quem prevê o futuro com base na fantasia dos contos de fadas, sem jamais adivinhar reveses ou infortúnios. Quando se é adolescente tudo é possível e não se ousa manchar a fantasia com atropelos ou tragédias: no desenho que se traça, jamais caberá um horizonte além de azul.

Muitos anos depois e ela não sabe como foi que se perdeu daquele menino de cachos encaracolados da cor do trigo, a fala mansa, mãos que seguravam a sua dando-lhe a certeza de que o mundo era um lugar seguro.

É assim, descobrira: a vida muda num segundo. Você faz uma escolha – errada, só depois entende -, e vê aquilo que chamam de destino guinar na direção contrária. Então tenta voltar ao começo, mas já é muito tarde: a correnteza te arrastou. Num passe de mágica – aí sim, como nas histórias inventadas -, ficam pra trás pessoas que se amou, lugares em que se queria viver para sempre, aquele pedaço de si mesmo que nunca se deveria abandonar.

Não sabe ao certo porque está pensando sobre isso, mas tem a vaga sensação de ter a ver com o telefone tocando durante a madrugada. Uma voz: não era uma notícia, queria conversar. Dizia coisas que ela não entendia muito bem, mas ela se lembrava de ouvir a brincadeira de um riso feliz. Acha que nada respondeu: está com a impressão de que tudo não passou de um sonho bom que acabou por remetê-la a um passado muito distante.

De toda forma, o dia está com outra aura e uma brisa leve parece anunciar que algo perdido pode ser recuperado – ainda que ela não saiba bem o significado disso. Ela, que vive à mercê de dias sempre iguais, inundou-se, de repente, de esperança. E espera: pelo impossível, pelo imponderável, por um sinal que indique que, seja como for, em alguma parte da estrada, é possível divisar o retorno e dar-se uma segunda chance.

Comentários

Zoraya disse…
Guardar essa para um dia de esperanças baixas. Que venham as brisas leves e mais textos seus! beijos
Debora Bottcher disse…
É uma boa idéia, Zoraya! Mas as esperanças estão sempre lá, dentro da gente: dizem que não acabam nunca... :) Beijo, bonita.
silvia tibo disse…
Que lindo, Débora! Eh mesmo um texto pra se guardar! :)
albir disse…
Suave e aquecedor o seu lirismo, Debora.
Ana González disse…
A sua cara, Débora, delicado e poético! Ela sempre, a esperança. Bjss
Anônimo disse…
Débora,

Nossa eu li seu texto e me lembrei agora mesmo do meu primeiro amor, talvez o único. Das noites enluaradas sentados na escadas falando sobre a vida e o amor. Do coração acelerado das mãos frias e boca seca de emoção.
Aí veio destino e sei lá o que ele fez, mas deixou isso tudo na caixa de lembrança. Assim como tanta coisas lindas.
Belo texto como sempre!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …