Pular para o conteúdo principal

COMERCIAIS >> Whisner Fraga

No interior de Minas, chamávamos os intervalos comerciais, tão comuns na TV aberta e hoje praga na TV fechada e até nos cinemas, de “propagandas”. O engraçado é que não nos incomodavam tanto: aproveitávamos o momento para uma rápida ida ao banheiro, para vasculhar a geladeira ou para beber uma água. Algumas vezes preferíamos ficar em frente à televisão, esperando que passasse alguma propaganda interessante.

Havia a das Duchas Corona: um sujeito com violão, cachoeira ao fundo e algumas garotas de biquíni dançando em volta. A música grudava: “duchas Corona, um banho de alegria num mundo de água quente”. Todo mundo em casa cantava junto, como se fosse uma criação do Chico Buarque ou do Gilberto Gil.

E aquela outra da Us Top: em uma mesa de reunião, o senhor pergunta, com forte sotaque, ao subordinado: “Que novidade é essa, senhor Fernando?” O espanto tem razão de ser: todos vestem uma camisa branca e o Fernando uma azul. Na próxima reunião, a mesma coisa: Fernando é o único com uma camisa diferente: “É da nova coleção US Top”, explica. No último encontro, o rapaz já se senta ao lado do patrão e vestem camisas iguais. Escuta-se o patrão: “Bonita camisa, Fernandinho!” e depois um coro: “A do senhor também”. O bordão “bonita camisa, Fernandinho” ficou eternizado. Bastava sair à rua e ouvir alguém brincar com a frase.

Não esqueça a minha Caloi”. O desenho animado mostra um garoto que espalha recadinhos pela casa, para que seu pai não se esqueça de presenteá-lo com a Caloi, no Natal que se aproximava. Eu, criança, era muito influenciado por essa propaganda, mas não cheguei a ganhar uma Caloi, pois minha família deu preferência à Monark.

A lolita Patricia Luchesi faz cara de espanto ao manusear uma lingerie: “O primeiro sutiã, a gente nunca esquece”. A propaganda da Valisère é um clássico da televisão brasileira. Essas frases de efeito são um gancho perfeito para o fabricante: a gente pode até achar que não, mas a marca acaba ficando em nossa memória e, na hora de ir a alguma loja, a surpresa: damos preferência ao produto do bordão.

“Ei, ei, você lembra da minha voz? Continha a mesma, mas os meus cabelos... Quanta diferença!”, diz uma moça com a voz desafinada. Era a vez do Shampoo Colorama. E a da Faber Castell, com a música “Aquarela”, do Toquinho? Essa eu esperava para ver. Ficava grudado, pertinho da tela, esperando a animação. Sempre gostei muito da parte do guarda-chuva. Bombril, mil e uma utilidades. Quem não adorava o garoto propaganda da Bombril, com aquele jeito de menino chorão, reclamando "Perdi a boquinha"? Carlos Moreno ficou mais famoso que galã de novela das nove.

E o cachorrinho dos amortecedores Cofap? Acho que na época que rolou o comercial, todos quiseram ter um cachorro daquela raça. Mas, para mim, a melhor de todas foi aquela da Kombi. Dois meninos estão sentados em um muro, brincando de “Quando eu crescer...” Então, um deles diz que quer ter um carrão importado, conversível. Na cena seguinte, ele aparece dirigindo ao lado de uma loira de óculos escuros, num clima de romance. O outro menino replica: “Quando eu crescer, quero ter uma Kombi” e então surge o menino pilotando o veículo lotado de mulheres bonitas. Eu ria muito com essa propaganda. Revendo-a agora, notei que não perdeu a força, é muito engraçada mesmo.

Espero que vocês tirem um tempo para rever esses comerciais e se divertirem um pouco. Se alguém souber de alguma propaganda interessante sobre livros, por favor, me escreva ou deixe um recado. Eu, honestamente, não me recordo. É um bom exercício de memória para este início de 2013. Um feliz ano novo a todos.

Comentários

Whisner, a nossa memória (nós da geração que ficou sob os cuidados da babá eletrônica), memória afetiva e doméstica, é instantaneamente acionada através desses dispensáveis porém indeléveis "tags". Propaganda de livro! Bem produzida e inesquecível?! Não há. Nunca houve. Talvez na França.
fernanda disse…
Adorei, Whisner! Me lembro de quase todas... mas a da faber Castell, de fato, foi a que mais me marcou.
Um abraços.
whisner disse…
André e Fernanda, grato pela leitura! André, fico tentando resgatar da memória algum comercial sobre livro e nada... Fernanda, a da Faber é uma das minhas preferidas também. Abraços aos dois!
Zoraya disse…
Whisner, que delícia, eu adorava propagandas! nao perdia aquele programa Intervalo, no canal 2 (creio) As campanhas dos bonbons garotos e a da brastemp são hors concours, mas a que ficou pra sempre na minha memória é uma da chevrolet, com jingle do Zé Eterno Rodrix (é no silêncio de um chevrolet que meu coraçao bate mais alto...). Livros? Só os da biblioteca do Exército...
whisner disse…
Zoraya, eu me lembro dessa também, da Caravan e do Diplomata, né? Muito boa. Quer dizer, a música é que salva, né. Um abraço e obrigado pela leitura!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …