Pular para o conteúdo principal

PURIFICAÇÃO I >> Albir José Inácio da Silva

Soldados impedem a aproximação do povo que se espreme na praça e grita impropérios para os condenados. Oito fogueiras, com intervalos de três metros, estão montadas em volta dos troncos de madeira, onde os infelizes, atados pelos pés, mãos e pescoço, aguardam com olhos assustados e rostos quase sempre desfigurados pelos interrogatórios.


Sob o sol das duas da tarde, o leitão e o vinho do almoço a lhe queimar o estômago, num estrado coberto por dossel, Sua Reverendíssima sua seus paramentos, cercado por autoridades, ajudantes e puxa-sacos. Entre as fogueiras circula o carrasco, aguardando um gesto do superior para iniciar os trabalhos. O bispo tem olheiras, trabalha demais. Hereges brotam como capim e tudo vem cair em suas mãos. Qualquer histeria, ataque de fúria, sonambulismo, qualquer coisa estranha que qualquer um pode ter, acaba no Tribunal.


As bruxas são mais fáceis, confessam tudo, até o que não se perguntou, feitiçarias em lugares onde nunca estiveram. Mas reformados e agnósticos se revelam uma praga. Alguns cantam ou riem no meio das chamas, sarcásticos e debochados. Um despautério que causa muito mal-estar entre os fracos na fé.


Tanta bruxaria e tanta heresia pra cuidar deixam o reverendo esgotado. Já gostou desse trabalho, mas hoje sonha com a aposentadoria. Por ele deixava tudo por conta dos auxiliares que tanto se divertem. Mas não pode. O Papa exige a presença de bispos nas execuções. Horas ao sol, engolindo fumaça e sentindo o cheiro nauseabundo de carne queimada. Não fosse a consciência do sagrado dever, abandonaria tudo para refugiar-se no Convento.


A vantagem é que o Convento fica recheado de tenras e assustadas noviças, capazes de fazer qualquer coisa para evitar o fogo do inferno. A maioria chega ali por pecados graves, como namoros proibidos e outras esquisitices da idade que, bem interpretadas como possessão, precisam ser expiadas.


Mas o convento não dá só alegrias. O dedicado bispo precisa reforçar a segurança: portas, muros e mais sentinelas. Mês passado uma recolhida provocou um escândalo. Fugiu pra Vila dizendo que esperava um filho de padre e não sabia de quem, tantas eram as batinas que visitavam sua cela. Foi preciso queimá-la com barriga e tudo porque, com certeza, carregava o filho do diabo. Todos se divertem, mas na hora dos problemas é com ele.


Os tambores o chamam de volta da maciez das camas do convento para o calor da Praça. Com um gesto ordena que os trabalhos se iniciem. O carrasco pára junto à fogueira mais próxima, e o escrivão relata:


- Este é Pero da Figueira de Cima, a quem ouviram dizer blasfêmias na Taverna do Calombo. Não se confessou perante o tribunal, não pediu clemência e não se declara arrependido.


Caso encerrado no Tribunal, o certo seria acender logo a fogueira. Mas a curiosidade mordeu o sacerdote.

(Continua em 15 dias)

Comentários

silvia tibo disse…
Suas histórias são sempre ótimas, Albir!
Aguardo ansiosamente a parte II!
Abraço!
albir disse…
Obrigado, Silvia, um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …