Pular para o conteúdo principal

VENDE-SE FELICIDADE! >> Sílvia Tibo

 

 

Quando eu era criança, ficava intrigada ao ouvir um adulto dizer que não podia comprar alguma coisa. Pensava sempre com os meus botõezinhos (já bem agitados à época) que aquilo não fazia o menor sentido. Afinal, o que é que custava pegar a caneta e preencher uma das muitas folhinhas do talão de cheques, no valor da mercadoria desejada?

E só não pensava que seria mais fácil ainda passar o cartão de crédito na maquineta da loja (como, imagino, devem cogitar as crianças de hoje), porque esse instrumento de compra ainda não havia sido inventado à época.

Mas não demorou muito para que eu passasse a ter noção do quanto as coisas custavam e do quanto era difícil consegui-las. Em pouco tempo, percebi que as folhinhas de cheques, em si mesmas, não tinham qualquer serventia. Era preciso trabalhar (e muito!) para que elas adquirissem algum poder de compra.

Para a minha total decepção, num belo dia, descobri que os tais papeizinhos não podiam ser simplesmente trocados por bonecas, vestidos e cadernos, como eu supunha. Definitivamente, não era bem assim que a coisa funcionava.

Essas lembranças da infância me vieram à mente num dia desses, assim que recebi por e-mail um arquivo intitulado “E se o dinheiro não existisse?”. Trata-se de um vídeo a respeito da influência que o dinheiro exerce sobre nossas vidas, sobretudo no que toca às nossas escolhas profissionais.

De acordo com o narrador, em regra, não somos orientados por nossos pais e professores a escolher a profissão que nos trará maior satisfação pessoal, mas sim aquela que nos proporcionará melhores resultados financeiros, ainda que, para tanto, seja necessário deixar de lado nossas verdadeiras aptidões. E essa educação distorcida faz surgir um sem número de profissionais frustrados e medíocres, que, sem o menor amor pelo que fazem, limitam-se a cumprir suas obrigações diárias para receberem a remuneração ao final do mês.

Por coincidência (ou não), poucos dias após assistir ao vídeo, recebi em casa um jornal cuja reportagem de capa trazia a velha e famigerada pergunta: “O dinheiro compra felicidade?”.

Embora o assunto nada tenha de novo, o que me chamou a atenção, nesse caso, foi o resultado da pesquisa feita por uma empresa de consultoria de investimentos em treze países, inclusive o Brasil, em que noventa e três por cento dos entrevistados responderam de forma afirmativa à indagação.

Não discordo dessa maioria esmagadora. E seria hipocrisia da minha parte dizer o contrário. Afinal, no mundo em que vivemos, o dinheiro é essencial para se concretizar a maior parte dos anseios, que, em geral, estão mesmo voltados, direta ou indiretamente, à aquisição de bens de consumo. Além disso, na prática, é preciso recorrer ao dinheiro até mesmo para que se tenha acesso a direitos básicos como saúde e educação de qualidade, que deveriam ser (mas não são) fornecidos gratuitamente e a todos, de forma igualitária.

Inspirada pelo vídeo e pela reportagem de capa do jornal, fiquei imaginando como nos comportaríamos se, num belo dia, acordássemos com a notícia da promulgação de uma lei determinando a extinção do dinheiro ou proibindo o seu uso como instrumento para a aquisição do que quer que fosse.

No estágio em que estamos, acredito que a novidade, por si só, não nos tornaria consumidores menos ávidos. Afinal, continuaríamos sujeitos aos bombardeios e apelos diários dos meios de comunicação, que nos impelem a comprar sempre e cada vez mais. Na falta do dinheiro, certamente nos valeríamos de algum mecanismo de troca, a fim de darmos continuidade a todo esse processo de acúmulo de bens.

Cheguei à conclusão, então, de que não é o dinheiro o vilão da história. O problema está em nós mesmos, que, insatisfeitos com aquilo que já temos, criamos novas necessidades a todo o tempo e, a fim de supri-las, consumimos de forma desenfreada e irresponsável. Movidos por desejos que parecem não ter fim, compramos coisas das quais não precisamos, com o dinheiro que muitas vezes não temos. Endividamo-nos, irracionalmente, convictos de que o dinheiro pode mesmo comprar tudo, inclusive a tão sonhada felicidade.

Comentários

Muzardo disse…
Parabéns por perceber os fatos de maneira tão simples e ao mesmo tempo tão realista. De fato, os valores materiais são buscados a todo custo pelas pessoas que se esquecem de priorizar os valores espiirituais, estes, sim, os mais preciosos da vida.

Muzardo.
Ana González disse…
É isso, Sílvia! Simples assim!O mundo é mais complexo do quea imaginação infantil. bjss
Karoline Cruz disse…
Ótimo texto como sempre!
É mesmo muito difícil viver sem o tão sonhado salário mensal, para quitar as despesas, muitas vezes desnecessárias que fazemos.
Ainda bem que, amigos de verdade nos traz felicidade e isso a gente não compra!
Bjs Sil!
silvia tibo disse…
Querido Muzardo!

Obrigada pela visita e pelo comentário.

Os valores andam mesmo meio invertidos, não é? Mas temos ainda a chance de guiar nossos filhos por caminhos diferentes...

E sei que o faremos!

Grande abraço!
:)
silvia tibo disse…
Pois é, Ana!
Há momentos em que é mesmo necessário recordar toda essa simplicidade, não é? Ao menos para que nos lembremos de que a vida pode ser um pouco menos complicada...
Grande beijo!
silvia tibo disse…
Karolzinha, obrigada!
Pela visita e pelos comentários carinhosos e generosos de sempre...
Amigas como você são os bens mais preciosos que tenho! E dos quais mais me orgulho de possuir!
Beijo enorme!
albir disse…
Muito boa a sua reflexão, Silvia. Diante das vitrines, muitas vezes nos comportamos como crianças, achando que o papelzinho compra tudo.
silvia tibo disse…
É verdade, Albir!

E o pior é que a maior parte daquilo que compramos não reflete nossas reais necessidades, não é?

Adquiridos pelo simples prazer de consumir. E então os papeizinhos, recebidos à custa de horas e horas de trabalho, esvaem-se assim, rapidamente, antes que o mês acabe, e a troco de quase nada...

Mas acho que ter consciência do erro é o primeiro passo...

Sigo tentando não sucumbir aos apelos das vitrinhes...rs.

Grande abraço!
Tina Bau Couto disse…
Pois é!
Somos nós os narradores, personagem principal, cenógrafos de nossas histórias e o nosso investimento para ter sucesso deve ir bem mais além dos valores monetários.

Adorei o post :)

Recomendo:
http://blogdtina.blogspot.com.br/2013/01/desejo-vontade-de-possuirsegundo-o.html
silvia tibo disse…
Com certeza, Tina!
Obrigada pelo comentário.
Vou visitar o blog recomendado!
Grande abraço.
Pois é, Sílvia, quando o ser humano cresce, descobre que as folhinhas de cheque não fazem milagre. Agora é preciso a gente crescer para descobrir que as coisas que as folhinhas de cheque compram não fazem o milagre da felicidade.
silvia tibo disse…
É verdade, Eduardo!

No final das contas, em qualquer fase da vida, os tais papeizinhos não possuem todo o valor e o poder que costumamos dar a eles, não é?

À medida que crescemos, passamos a ter noção de que é preciso trabalhar para que eles (os papeizinhos) tenham alguma utilidade. Mas aí, passamos a trabalhar tanto para fazer com que eles se multipliquem mais e mais que acabamos deixando de lado as ferramentas capazes de nos trazer a verdadeira felicidade.

Você disse tudo!

Grande abraço!
Pai disse…
Parabéns pelo texto...
O vil metal tem mesmo um enorme poder no comportamento das pessoas. E como tem.
Quem sabe sem ele tudo poderia ser bem mais simples.

Bjssss
Zoraya disse…
Silvia, o pessoal aí em cima já disse tudo, eu só corroboro. Qualquer coisa pode ser boa ou ruim, depende muito da forma como a usamos. Mas acrescento que a crônica está uma delícia de leitura! Beijos
silvia tibo disse…
Pois é, pai! Volta e meia me pego refletindo sobre isso.
Nao dá pra viver sem ele, mas é possível utilizá-lo com mais responsabilidade e consciência, né?
Grande beijo!
silvia tibo disse…
Zoraya, querida!
Obrigada! :)
O segredo está mesmo em saber usar!
Sigo aprendendo...
Beijo.
silvia tibo disse…
Zoraya, querida!
Obrigada! :)
O segredo está mesmo em saber usar!
Sigo aprendendo...
Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …