Pular para o conteúdo principal

UM PRATO CHEIO DE INCOERÊNCIA
>> Mariana Scherma

Eu sou expert em pegar conversas alheias engraçadas, confusas, suspeitas, enfim... Vai ver é por isso que vivo me perdendo pelo caminho, chegando meio atrasada ou esquecendo o que tinha pra fazer: ouvir desconhecidos conversando é sempre mais interessante. Mas admito que o bate-papo de mulheres e seus regimes malucos ainda é o tipo de conversa que mais desperta a minha atenção. Talvez por elas acreditarem num milagre que não existe.

Essa semana dei pause em todos os meus pensamentos só pra ouvir o bate-papo na hora do lanche. Eu, que sou a mais cética quanto a dietas milagrosas, estava feliz com a minha laranja. As moças na mesa ao lado também estavam felizes, mas com um lanche tão cheio de molho, maionese e cia. que dava quase pra tomar de canudinho toda aquela gordura. E, pra minha surpresa, explicavam uma para a outra, como é (sofrido) o regime de cada uma. Uma conversa meio surreal aos meus ouvidos.

— E como anda seu regime?, perguntou uma delas pra outra.
 Tá difícil. No almoço, eu como só uma saladinha de alface com uns tomates, respondeu.
— Eu como só um omelete de claras, emendou a outra.
— Pra mim, os resultados estão demorando a aparecer, fechou a outra.

Precisa dizer que eu olhei assustada pra elas? Ok, no almoço a sujeita come só uma salada, a amiga um pratão de omelete, mas lá pelas 10h30 da manhã elas devoram uma quantidade de gordura trans que poderia entupir fácil qualquer artéria desprevenida. Incoerência, a gente vê na mesa ao lado.

É certo que essa história de conselho é a maior besteira. E, se eu virasse pra dar uma dica a elas, provavelmente seria apedrejada com um pedaço de bacon. Mas perder peso tem a ver com fechar a boca e  com força de vontade. Falar em regime quando se devora um x-absolutamente-tudo não vai fazer a gordura passar reto no seu organismo. A maioria das mulheres que abusam das calorias adora virar e dizer que alguém é magra de ruim. Odeio essa expressão. Genética conta, ok. Mas nenhuma genética é superpoderosa o suficiente pra aguentar os seus deslizes diários.

Uma vez, um amigo me disse que as pessoas não querem emagrecer, querem ser emagrecidas. Ele tem toda a razão. Vai ver por isso que esses cosméticos que garantem que você perde medidas dormindo e ainda deixam seu corpo sarado (pausa pra risada incrédula) fazem sucesso. É muito mais fácil reclamar que você anda com dificuldade pra emagrecer sentada, botando um montão de caloria pra dentro, do que ir todo dia à academia, comer com moderação e encarar uma vida saudável.

Minha teoria é que, quando você come algo com a consciência pesada, seu peso também aumenta. Já recebi um monte de crítica por isso, mas comigo funciona. Eu amo um docinho e repito a sobremesa nos finais de semana, mas como feliz porque malhei com vontade e comi (de fato!) só uma saladinha na hora do almoço durante toda a semana. A gente faz escolhas nessa vida. O que você põe no prato é só uma delas.

A mulherada gasta mais energia falando que odeia fazer esporte, odeia quem ama academia, odeia ficar de dieta, odeia a Gisele Bündchen, que acabou de ter filho e está magérrima, enfim, odeia. Eu sugiro que levem esse ódio pra academia. Depois de uma hora de exercício, ele se transforma em serotonina. E, olha, isso sim é o milagre da felicidade. Nele eu acredito.

Comentários

Muito verdadeira e bem-humorada, Mariana. E agora deixa eu ir ali comer uma bananinha e correr meus 4km diários. :)
albir disse…
Pois é, Mariana, as pessoas não acreditam que a serotonina esteja tão ao alcance da mão.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …