Pular para o conteúdo principal

SOBRE TELEMARKETING E EX-AMORES >> Mariana Scherma


Pegar no pé sempre foi uma estratégia que causa um só efeito em mim: querer distância. Tipo, eu aqui, você em Júpiter. Há quem diga que o fato de eu ser de Sagitário tem a ver com isso, sagitarianos prezam muito a liberdade. Mas será que existe alguém que despreze a liberdade de não ter que atender um celular pela décima vez e avisar que "não, eu não quero esses benefícios para o meu celular". Ou dizer "não, obrigada, estou contente com meu cartão de crédito". Ou avisar ao ex "para com isso, nossa vez já passou". Bem no fundo, telemarketing e caras pegajosos são parecidos, provocam nossa cara de desprezo, aquela que faz os olhos virarem e a boca dar uma entortadinha, querendo dizer “que saco!”.

Não estou exagerando. Nos últimos dias de 2012 e nos primeiros de 2013, esses três acontecimentos atormentaram meus dias. Pensei em jogar o celular, juro! Eu sou dessas pessoas que acreditam que celular serve só pra emergência (tô ultrapassada, eu sei). Toda essa insistência só me faz ter uma certeza: o marketing da pressão não cola comigo. Cola em alguém será? Quanto mais insistem pra você querer/comprar/amar algo (ou alguém), mais você percebe que não precisa do que está sendo oferecido. Eu entendo o desespero de um operador de telemarketing querendo deixar seu começo de ano mais gorducho e insiste (muito!), mas a arte de aceitar um não pode levar a um sim mais pra frente (e o mesmo vale pra ex insistente).

Se eu trabalhasse numa empresa de telemarketing, usaria uma tática que funciona muito comigo: a da curiosidade. Ligaria e avisaria: “olha, em breve lançaremos uma promoção para poucos. É a maior promoção de plano de celular já vista. Anote este código que ligaremos em breve”. Pronto, já estaria quase querendo o novo plano sem saber o que é. Adoro um mistério. Mas quanto mais você insiste para o cliente querer, mais o cliente percebe que a promoção não tá com nada. As pessoas deveriam aprender com a Apple: menos propaganda, mais qualidade.

Para os problemas de amores (ex-amores, no caso), eu acredito no poder da saudade. Afaste-se um pouco, mas, antes disso, seja gente boa, saiba conversar (e não falar só de você e dos seus problemas) e, acima de tudo, seja de confiança. Afastar-se só, sem essas qualidades anteriores, é nada além de um alívio grande porque nenhum sentimento renasce depois de várias ligações e um sem números de torpedos. Todo esse carnaval no celular só faz você apreciar o silêncio.

Um pouco de distância nunca matou ninguém e, pela minha experiência, só reforça os verdadeiros laços. Moro longe de muitos amigos – e a amizade não se deteriorou, pelo contrário. Moro longe dos meus pais e nossa relação só ficou mais gostosa, sem aquelas chaticezinhas do dia a dia. Dizem que ciúme é o tempero do amor, mas saudade também dá um gostinho bom. Se ciúme é a pimenta, saudade talvez seja a canela.

A verdade é que marcação cerrada nunca fez ninguém ser mais amado, querido ou desejado. Se fosse assim, todos os atacantes de futebol se apaixonariam pelos zagueiros, certo? Minha dica, no marketing e no amor, é deixar saudade, uma pitada que seja.

Comentários

Olá! Também escrevo contos http://azulejandoceus.blogspot.com.br/p/contos_7.html, poderiam dar uma olhada lá? Seria de uma enorme ajuda,de verdade. Podem me mandar um email ou uma mensagem se possível? Seria ótimo! Muito obrigada desde já pela atenção e colaboração. Mil beijos
albir disse…
Muito preciso e divertido o seu texto, Mariana. Gostei dos atacantes e zagueiros apaixonados.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …