Pular para o conteúdo principal

PURIFICAÇÃO II >> Albir José Inácio da Silva

(Continuação do dia 14/01/13)


Na praça, em frente à matriz, a Santa Inquisição cumpre mais uma vez o doloroso dever de queimar inimigos da Sé. Lanças mantêm a plebe longe das fogueiras do sacrifício. O escrivão apresenta o primeiro condenado, um tal de Pero, criador de porcos, preso como herege, que não se confessou, não se arrependeu nem pediu clemência ao Tribunal. Bastaria acender a fogueira, mas o bispo não se lembra do caso e pergunta:

- Que heresias ele proferiu? – perguntou o bispo

- Falou mal dos padres e da Igreja.

- Um pecado tão simples! Todo mundo fala mal de padre, atualmente, e não acaba na fogueira.

O escrivão explicou então que Pero danou-se porque quis. Bastava-lhe confessar, pedir clemência, dizer que estava bêbado e nunca mais faria isso. Jurasse obediência à Santa Madre Igreja, entregasse alguns porcos a título de indulgência, e se livrava. Quando muito, pra não falar mais bobagens, ficava sem a língua, mas vivia. Mas não, nem os olhos baixou diante dos juízes. Arrogância e silêncio foi só o que ofereceu. Agora é tarde.

Aqui a clemência máxima que se permite é, em caso de confissão e arrependimento, a corda piedosa que destroça o pescoço e poupa o confesso de ser queimado vivo. Agora só pode escolher entre morrer antes ou durante o fogo. E o bispo grita para o condenado:

- Arrepende-te, pecador! Confessa e te arrepende, e assim mando torcer a corda para que não sintas as chamas da purificação. Não posso dar-te o paraíso, mas irás ao purgatório. Se não confessas, serás queimado vivo e as chamas consumirão tua alma por toda a eternidade.

Pero se remexe no tronco, e brada:

- Que Vossa Reverendíssima me conceda a graça de apressar o carrasco para que eu não mais contemple Belzebu travestido de bispo! Que a morte me livre do inferno desta praça, das suas igrejas, conventos e palácios!

O sacerdote está perplexo. Não esperava isso. Precisa calar o herege antes que a coisa piore, mas o carrasco, confuso, não percebe a ordem, e o porqueiro continua:

- O que devo confessar? Do que devo me arrepender? Eu não tinha o que dizer diante dos inquisidores, mas posso falar agora a essa gente que se diverte com o espetáculo. Minha irmã foi levada pro convento por causa do namoro com um seminarista, protegido do cardeal, que ameaçou largar a batina por ela. Disseram que ela o tinha enfeitiçado e precisava ser exorcizada. Depois de servir à luxúria do clero, foi queimada por carregar no ventre o filho do demônio.

O bispo começa a compreender. Então é isso, o blasfemo é irmão da bruxa. Deveriam ter-lhe arrancado a língua. Malditas palavras, a plebe ainda se lembra da noviça. Péssimo exemplo: além de não confessar, reafirma e acrescenta mais heresias. Esse é o preço que pagava por sua misericórdia. Só queria dar oportunidade ao condenado de não sentir as chamas derretendo suas carnes.

Agora, o estrago está feito. Blasfêmias foram repetidas em pleno Auto de Fé e ouvidas pela turba, que já se assanha contra o Ofício aos gritos de “Assassinos! Corruptos! Fornicadores!” Antes de descer do estrado, o bispo grita com o carrasco:

Acende! Não pergunta mais nada a ninguém. Acende todas as fogueiras!

Comentários

Ê, Albir. Quer dizer que agora é cronista medieval também? Surpresa boa! :)
albir disse…
Edu... que saudade!
Abraço.
Escreva mais disso, muito bom!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …